Maceió-AL

Por que não me avisaram ? Desmistificando a romantização na gestação

Veja também

Gravidez
Gravidez

Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió , 13 de setembro de 2022






🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

POR QUE NÃO ME AVISARAM ? DESMISTIFICANDO A
ROMANTIZAÇÃO NA GESTAÇÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA.
 
WHY DIDN'T THEY INFORM ME? DEMISTIFYING ROMANTICIZATION IN PREGNANCY: EXPERIENCE REPORT.
 
Érika Vanessa Ferreira Vilela1; Heitor Victor Lima Rocha¹;Isabella De Lira Costa Pinto¹; Lana Darlyn Silva Rodrigues¹; Maria Braga Mota Melro¹; Rodrigo Henrique De Melo Silva¹; Thaysa Mirely Lopes De Moraes¹; Sandra Regina Guimarães Silva². 
 
1Discente do curso de Psicologia, do CESMAC. 2Docente do curso de Psicologia, do CESMAC. 
 
RESUMO 

O projeto aborda a temática da desmistificação da romantização da gestação, através da criação de um espaço virtual que proporciona orientação sobre a maternidade, seus desafios e particularidades. Tem como objetivo, compartilhar conhecimento e experiências, trazendo uma reflexão sobre pontos fundamentais no período gestacional. O projeto possui grande relevância para a sociedade em geral, pois os mitos e os tabus sobre a gestação atingem todas as classes, gêneros e idades. A realização de postagens com temas sequenciais proporcionou ao público um roteiro com início, meio e fim, trazendo a ele informações interligadas possibilitando um maior entendimento dos processos da gestação. 

PALAVRAS-CHAVE: Romantização; Maternidade; Período Gestacional; Intervenção Psicossocial.  

ABSTRACT 

The project addresses the theme of demystifying the romanticization of pregnancy, through the creation of a virtual space that provides guidance on motherhood, its challenges and particularities. It aims to share knowledge and experiences, bringing a reflection on fundamental points in the gestational period. The project has great relevance for society in general, as the myths and taboos about pregnancy affect all classes, genders and ages. Posting with sequential themes provided the public with a script with a beginning, middle and end, bringing them interconnected information enabling a greater understanding of the gestation processes. 

KEYWORDS: Romanticization, Maternity, Psychosocial Intervention.
 
INTRODUÇÃO 

Dentre os vários papéis que a mulher exerce na sociedade um deles é o de mãe, todavia a maternidade possui vários estigmas e crenças que atingem diretamente a mulher e o seu papel como mãe. A maternidade gera um ideal que por muitas vezes é inalcançável e mesmo com as dificuldades apresentadas ocorre um romantismo acerca do tema (BLAY, 2001). 

Pode-se dizer que romantização da maternidade consiste em contrariar uma narrativa, muitas vezes fantasiosa, sobre este tema. Isto pode ser percebido, atualmente, através da mídia, que distorcem a realidade, fazendo com que as mulheres se achem culpadas por não se sentirem felizes e realizadas no seu papel de mãe (CÉSAR; LOURES; ANDRADE, 2019). 

Infelizmente, além dos discursos midiáticos, existe também a imagem passada de geração em geração, através da religiosidade, ciência e cultura, uma imagem de fragilidade e inferioridade feminina, sendo vista muitas vezes como procriadora e escrava do lar. A sociedade cobra de forma muito dura e doída a postura da mulher quando a mesma se descobre grávida, como se sua essência se esvaísse para poder dar lugar a sua única missão como mulher: gerar uma vida (KONDO, 2011). 

O conceito de amor materno foi assimilado de forma contundente, e por muito tempo não questionável como se fosse uma situação “sine qua non”: mulher = maternar. Afirmava-se que a necessidade de maternagem é uma característica universal feminina, fazendo-a parecer um dom, um sentimento instintivo e estritamente biológico que todas as mulheres vivenciaram independentemente da cultura ou da condição socioeconômica: préconcebido, pré-formado, esperava-se apenas a ocasião para exercê-lo, sofrendo-se quando a oportunidade tardava (TOURINHO, 2006). 

O termo "instinto materno", infelizmente, ainda é muito replicado dos discursos ideais da maternidade. Esse termo é utilizado para indicar que as mulheres já nascem com o instinto de ser mãe, portanto já possuem todas as qualificações necessárias para cuidar de um bebê em todos os aspectos. Tal afirmação só reforça a pressão que é imposta sobre as mulheres, visto que, uma mãe só nasce a partir do momento que o seu bebê nasce. É muito importante que crenças como essa sejam derrubadas, pois a maternidade não é inata à mulher, pelo contrário, ela aprende a ser mãe mediante as suas experiências pessoais(CÉSAR; LOURES; ANDRADE, 2019). 

Inúmeros discursos sociais foram constituindo e reforçando o papel da mulhercomo mãe ao longo da história feminina na sociedade moderna. O discurso literário, por exemplo, sempre trouxe uma imagem romantizada da mulhermãe como feliz e realizada, de modo que qualquer mulher que se negasse a desejar um filho estaria fugindo de sua natureza, questionando aquilo que foi discursivamente instituído como sua essência (CÉSAR; LOURES; ANDRADE, 2019). 

     A sociedade fez a associação "mulher-mãe" e pressiona a mulher a aceitar essa condição propagando auto-realização e felicidade, diminuindo feitos pessoais e elencando o ser mãe como o ápice da vida da mulher. Porém, é necessário salientar sobre as escolhas que uma mulher pode fazer ao longo de sua vida, não querer gerar uma vida não significa fugir do seu destino, a mulher pode fazer escolhas diferentes das que são impostas pela sociedade e é preciso respeitar isso, visto que somos seres subjetivos e responsáveis por nossas decisões (TOURINHO, 2006). 

Durante a gestação e puerpério inúmeras mudanças acontecem na vida das mulheres, essas mudanças são físicas e sociais, pois o seu papel como cidadã é atrelado ao seu papel de mãe, todavia, um não anula o outro, sendo assim ela precisa continuar sendo filha, profissional e/ou esposa (KONDO, 2011). São inúmeros papéis a serem cumpridos e as responsabilidades não diminuem, na verdade, elas aumentam. Durante o processo de gestação, a mulher passa pelo luto, o luto de quem ela era e o que ela representava, ela passa a se deixar de lado para cuidar de outra vida, não é um período onde se vive um conto de fadas e sim um período de duros e cansativos aprendizados, que é exaltado por uns e odiado por outros, todo esse contexto é muito particular e precisa ser vivido da melhor maneira possível (BLAY, 2001).  

Neste sentido, vale ressaltar, que a maternidade é uma construção social, cultural e que precisa ser entendida como algo particular. O desejo de gerar uma vida é subjetivo. Resumindo, é preciso respeitar o livre árbitro da mulher. 

METODOLOGIA 

Trata-se de um estudo descritivo, qualitativo do tipo relato de experiência, criado a partir das atividades exercidas durante o Estágio Básico III do curso de Psicologia, no Centro Universitário CESMASC. O relato de experiênciatraz informações acerca de uma situação no âmbito de interesse da comunidade científica a encaixar-se como ferramenta de pesquisa descritiva (MARCONI; LAKATOS, 2017). 

Devido às dificuldades de interação pessoais ocasionadas a partir da pandemia do COVID-19, foi elaborado um perfil educativo no Instagram (rede social escolhida para realizar o projeto) denominado de @mae.reaal, com intuito de transmitir informações que contribuíssem com a desmitificação da romantização na gestação, através de postagens semanais de conteúdos extraídos de publicações cientificas, Stories educativos e enquetes. Para o levantamento de dados bibliográfico, foi utilizado materiais adquiridos através da busca de artigos, teses, monografias, e etc. nos bancos de dados como: Scielo, Lilacs e Medline. 

Ademais foram definidos os dias e conteúdos a serem abordados no perfil, buscando firmar um relacionamento com os usuários a fim de sanar suas duvidas em relação ao conteúdo abordado. 

RESULTADOS E DISCUSSÕES 

     Trata-se de uma ação de promoção a saúde, utilizando a internet e a rede social Instagram com o principal objetivo de compartilhar informações relacionadas a desmistificação da romanização na gestação, com postagens semanais de conteúdos extraídos de publicações cientificas e com a colaboração de profissionais de diversas áreas como, fisioterapia, nutrição, medicina e psicologia, sempre com intuito do acesso à informação, melhor compreensão e contribuindo para o cuidado a saúde do público alvo. Segundo SERGL e CUNHA(2020, p.48), a popularização da internet estabeleceu novos processos que são reconfigurados a cada novidade no meio do acesso ao conhecimento e permeou influências que estão além de seus usuários. 

 Nessa troca de experiência no mundo digital e adaptação com o cenário atual, é possível desfrutarmos do conhecimento de inúmeros profissionais que contribuem para que ocorra essa promoção a saúde. Além disso, favorece o contato mesmo que virtualmente com os usuários que utilizam esse mecanismo.  

Para o desenvolvimento da ação, optou-se pela criação de uma conta na rede social Instagram nomeado @mae.reaal, onde oferta-se uma extensa possibilidade de conhecimentos sobre os temas como: Alimentação, saúde emocional, saúde física, autocuidado, além de postagens de dias comemorativos inerentes ao tema. Na ferramenta são compartilhadas enquetes, caixas de perguntas, vídeos produzidos por profissionais que se enquadram em uma multidisciplinaridade a fim de atingir diversas vertentes da saúde gestacional, também publicações de conteúdos de forma simplificada, mas com foco na informação com finalidade na compreensão das questões que estão sendo abordadas. 

Segundo Oliveira (2011, p.14) Os programas ou atividades de promoção da saúde tendem a concentrar-se em componentes educativos, primariamente relacionados com riscos comportamentais passíveis de mudanças. A atuação baseiase primeiramente em conhecer a importância de questões em geral que envolvem todo o processo de gestação durante e pós os nove meses. Após isso, deve-se realizar a promoção e o apoio de campanhas que possuam como base a educação e que ajudem a desmistificar a visão distorcida que a sociedade tem perante a romantização da gestação. 

A idéia do projeto surgiu a partir da proposta que a matéria de Estágio Básico III nos trazia, de colocar em prática um pouco da teoria aprendida ao longo do curso de Psicologia, devido a Pandemia o projeto precisou ser por via remota, surgindo assim a possibilidade da criação do Instagram @mae.reaal. A equipe passou a toda semana discutindo e realizando pesquisas sobre o tema, tivemos o aval da supervisora e realizamos nossa primeira publicação, que foi feita no dia 23/03/2021, com objetivo de apresentar o projeto, explicando o que somos e o queríamos proporcionar ao nosso público, diante disso, falamos sobre as temáticas que seriam abordadas ao longo do nosso projeto. 

A partir disto, segue as a transmissão de informação para o publico da seguinte maneira: 

25/03/2021– Fizemos a apresentação dos integrantes do projeto, que conta com a supervisão da Psicóloga clínica, Profa. Ma. Sandra Guimarães, especialista em Psicologia Clínica e saúde mental, especialista em Psicologia Hospitalar e Intervenções em Instituição de Saúde e membro do Comitê de Ética em Pesquisa pelo Cesmac. E dos alunos do sexto período de Psicologia do Centro Universitário Cesmac, cada participante elaborou um pequeno texto sobre si, para que o público pudesse conhecer um pouco da história de cada integrante. 

30/03/2021 – Foi feita uma publicação em alusão ao Dia Internacional da Mulher, trazendo um breve resumo de como se deu a história por traz da causa. A publicação foi revisada e autorizada pela Profa. Ma. Sandra e teve duração de 2 dias para ser concluída.  A pesquisa foi realizada através de uma análise feita em site, onde colhemos informações de artigos pertinentes ao assunto abordado. 

06/04/2021– Aconteceu a quarta publicação, onde retiramos os estudos sobre a romantização da maternidade no google acadêmico e durou dois dias para que fosse concluída. O artigo no qual retiramos foi “A romantização da maternidade e a culpabilização da mulher”. Na postagem relatamos sobre a visão distorcida que a sociedade tem da mulher no período gestacional.  

Com o intuito de promover interação com os seguidores e um discurso baseado na fala de mães, foi criado uma série de vídeos, que seria postado 2 vezes no mês, aos sábados. Durante uma semana foi feito a elaboração das pautas, edição dos vídeos e distribuição das publicações.   

08/04/2021 – O nome da série é: “Por que não me avisaram?”, Que teve como convidada a Psicóloga Claudiane Barreto, onde a proposta foi trazer informações sobre o cotidiano da mulher, profissional e mãe, com uma linguagem simples e conteúdos vivenciados na maternidade.   

12/04/2021 – Realizado uma reunião audiovisual para discutirmos as informações inerentes ao assunto que seria abordado na publicação. A postagem refere-se ao trabalho dos obstetras, relata o que esses profissionais fazem e qual a sua importância para as gestantes.  

12/04/2021 - Tivemos o prazer de conversar com a Ginecologista obstetra Dra. Tânia Rodrigues Albino, formada há 33 anos pela UFAL. Entramos em contato com a mesma e a deixamos à vontade quanto ao que gostaria de falar sobre sua profissão, onde foi bastante solícita e não hesitou em contribuir com a nossa equipe.  

22/04/2021 – Contamos com o apoio da psicóloga Elisangela Estavam, publicamos um vídeo onde abordava as mudanças psicológicas na gestação. Foi compartilhada com público a importância de uma rede de apoio para a gestante, sobre a interferência do planejamento da gravidez, na vivência da gestação e desmistificou o termo “instinto materno” que ainda é muito dito pela sociedade. 

24/04/2021 – Tivemos mais um vídeo da série “Por que não me avisaram?” com a participação da Psicóloga Claudiane Barreto, nessa sequência, a convidada falou sobre as mudanças físicas e psicológicas que acontecem no período da gestação, ela iniciou falando sobre os questionamentos que sondam a mulher nesse período e que podem ocasionar angústia e gerar ansiedade, após essa fala, ela deu continuidade falando sobre as mudanças físicas que ocorrem no corpo da mulher tanto internamente, quanto externamente e compartilhou com o público um relato sobre a sua primeira gestação.  

29/04/2021 – Contamos com a participação do fisioterapeuta Patrick Araújo, ele compartilhou com o público sobre alguns fatores que podem acarretar dor nas costas durante a gestação, explicou que alguns principais fatores são: ganho de peso, que aumenta a tensão do músculo, aumento do útero que desloca o centro de gravidade e a diminuição da força do músculo abdominal, que também é responsável pela sustentação da coluna. Além dessas importantes informações, ele finalizou indicando massagem na região lombar para aliviar as dores. 

04/05/2021– Foi publicado sobre os hábitos alimentares na gestação. Na publicação nós explicamos sobre a importância de estudar esse tema, pois a alimentação repercute diretamente na saúde da mãe e do bebê e é um fator positivo na prevenção da mortalidade das gestantes, dos bebês e na saúde materno infantil. Para o desenvolvimento da postagem, nós utilizamos artigos referentes ao tema como base para elaboração da publicação. 

06/05/2021 – Continuando a falar sobre os hábitos alimentares na gestação. Contamos com a colaboração da nutricionista Alicia Brunella, que falou sobre os benefícios de uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes durante a gestação, deu dicas de alimentos em que a gestante deve inserir nesse período, para evitar patologias, garantir o ganho de peso adequado e contribuir com o desenvolvimento saudável do bebê.  

09/05/2021 – Foi dada a continuidade da série “Porque não me avisaram?”, com a participação da psicóloga Claudiane Barreto, nesse episódio a nossa convidada falou sobre a importância da preparação psicológica da mulher para o parto, que o importante nesse processo é a mãe se sentir segura independe das vias de parto, que a melhor via de parto é aquela que a mulher se preparou psicologicamente e se sentiu segura com o momento. Claudiane compartilhou sua experiência com o parto humanizado, sua preparação psicológica e a busca por informações sobre essa via, e caso ocorra situações que seja necessário mudar os planos, que a mãe esteja prepara e que entenda a importância da sua saúde e a do bebe.  

11/05/2021– Na publicação falamos de como identificar o trabalho de parto, os sinais que o corpo da mulher apresenta nesse processo, a importância de estar atenta a esses sinais e a necessidade da buscar de ajuda profissional. Foi abordado sobre o que provavelmente ira acontecer quando a mulher e o acompanhante chegar a maternidade, todo o processo de avaliação, sempre na busca de preservar a saúde da mãe e do bebê, falamos também sobre os tipos de parto e a importância de cada um deles de acordo com a condição da mãe e do bebê. Para essa publicação nos reunimos através de vídeo chamada para organizamos a metodologia para publicação utilizou a caderneta da gestante como referência disponível no site do ministério da saúde.  

13/05/2021– Nossa décima quinta postagem foi sobre o puerpério, falamos sobre esse período de grande transformação na vida da mulher, a duração desse período, os comportamentos e sentimentos dessa mãe durante o processo puerperal, a vulnerabilidade ao adoecimento psíquico, a necessidade da atenção e cuidado também com a mulher nesse processo tão complexo. Para está publicação fizemos buscar através do google acadêmico e utilizamos como referência o artigo “Tratado do especialista em cuidado materno-infantil com enfoque em amamentação”.  

18/05/2021 – Aborda assuntos sobre a amamentação. O vídeo postado refere a importância de observar alguns pontos tanto na mãe, quanto no bebê durante esse período, também foi enfatizada a importância da buscar de um profissional especializado caso surja alguma dificuldade onde não seja possível resolver sozinha. Entramos em contato com a Fonoaudióloga Talita Prata, onde a mesma se dispôs a gravar o vídeo abordando o assunto, logo após, enviamos para aprovação e o postamos no feed do Instagram. 

20/05/2021 – Convidamos algumas mães para gravar um vídeo falando sobre a importância dessa rede de apoio logo após o nascimento da criança, e como ela faz toda a diferença na vida da mulher. A postagem foi realizada, porém as mães foram convocadas com um tempo de antecedência para elaborar o material para a postagem. O vídeo foi postado no feed do Instagram após a aprovação da avaliadora responsável por nosso projeto. 

25/05/2021– Na postagem, pontuamos algumas leis que tratam sobre os direitos das gestantes no trabalho e escola/faculdade. Utilizamos o Google como recurso para pesquisa, e as informações foram retiradas do site do Tribunal Superior do trabalho e do portal da legislação. O assunto foi discutido pelos integrantes do grupo, e após passar por revisão, encaminhamos para aprovação, e posteriormente, realizamos a postagem. 
 
27/05/2021– Especificando as portarias e leis relacionadas aos diretos das gestantes e puérperas, na área da saúde e no trabalho, utilizamos o Google como fonte de busca e as informações foram retiradas do site do Tribunal Superior do Trabalho e do Portal da Legislação. Cada membro buscou por informações, organizamos nossas ideias através do grupo do projeto no WhatsApp (rede social), entre os dias 25 e 26 de maio. Reunimos as informações no arquivo, enviando-o à professora para as devidas correções.  

01/06/2021 –Relata sobre os mitos e verdades da depressão pós-parto especificando suas características, que tem seu início a partir das primeiras quatro semanas após o parto e tendo sua máxima nos primeiros seis meses. A fonte de busca utilizada foi o Google Acadêmico e foram localizados artigos que falam sobre o assunto. Organizamo-nos entre os dias 29 e 30 de maio, destacando os trechos que seriam importantes inserir na publicação, reunimos as informações no arquivo, enviando-o à professora para as correções. 

03/06/2021 – Aborda a temática dos chamados“Baby Blues”, que é uma alteração Psíquica considerada comum no pós-parto. Atinge cerca de 80% das recém mães. Tem seu início nos primeiros dias após o parto e tem seu pico no 4º e 5º dia. A publicação faz uma distinção entre o Baby Blues e a Depressão, para que ambas não sejam confundidas. Enfatizando suas diferenças nas características de seus sintomas. A fonte de busca utilizada foi o Google Acadêmico, utilizamos também o livro 
Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais, de Dalgalarrondo  

07/06/2021– Aborda a importância do autocuidado. Contamos com a colaboração da psicóloga clínica Ana Paula Rodrigues, CRP 15/2775. Ana Paula ressalta a importância sobre manter hábitos de autocuidado frequentemente, sendo um ato consciente de se olhar com carinho. Pegamos as falas que seriam interessantes para nosso público alvo, organizamos e conteúdo e realizamos a publicação, onde a psicóloga estava ciente que utilizaríamos sua fala e autorizou o uso da mesma juntamente com o uso de sua imagem. 


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

09/06/2021– Teve como tema o autocuidado. Os integrantes do projeto @mae.real tiraram fotos de momentos em que estavam cuidando da aparência, saúde e etc. O intuito da publicação é abordar a importância de praticar o autocuidado e estimular os seguidores do projeto a cuidarem de si. 
29/06/2021– Foi publicado um vídeo informativo sobre a volta do recesso e o início das novas postagens, junto aos seus respectivos temas. 

03/08/2021– Teve como tema o agosto dourado e o aleitamento materno, destacando seus benefícios e nutrientes que são fornecidos para o bebê, a importância da amamentação e quais doenças ela pode prevenir nos primeiros meses de vida da criança.  


05/08/2021 – Teve como tema informar quais posições poderia ser usado para amamentar o bebê. Salientando que a posição correta é aquela que a mãe e seu bebê fiquem confortáveis e tenha a pega correta do seio, facilitando assim a alimentação. Mostramos a importância do cuidado ao amamentar deitada, pelos riscos de sufocamento e engasgo no ato.  

10/08/2021 – Teve como tema a amamentação e seu impacto social. Onde desmistifica essa idealização que muitas pessoas têm do seio da mãe, com algo pornográfico dentro da sociedade. Expõe que cidadania e amamentação são coisas que andam juntas e é assegurado por lei o direito de livremente desfrutar desse momento. 
 
12/08/2021 – Teve como tema a amamentação e o vínculo mãe/bebê, e sua relação com o emocional. A importância do toque durante o ato, destacando o vínculo que surge desde o primeiro contato e sua relação direta com o emocional de ambos. 

15/08/2021 – Teve como tema o dia da gestante. Homenageamos todas as futuras mamães que presentes na rede social,acompanham de perto o projeto. 

17/08/2021 – Teve como tema os benefícios da amamentação para a mãe. O quão é importante também para a saúde da mulher o ato de amamentar, fornecem benefícios como: a redução de estresse, retornar ao peso anterior à gestação, estabilização do progresso da endometriose entre outros fatores. 

19/08/2021– Teve como tema a amamentação segura durante a pandemia da Covid19. Foi formulado um questionário de perguntas e respostas sobre a pandemia e como se proteger no ato da amamentação, com o intuito de esclarecer algumas dúvidas das gestantes e futuras mamães. 

24/08/2021 e 26/08/2021– Teve como tema os benefícios da amamentação para o bebê. Mamar não supre somente a fome, vai muito além disso, envolve componentes psicológicos, emocionais, cognitivos, orgânicos e a questão do desenvolvimento desses bebês. 


01/09/2021 Teve como tema a saúde mental x maternidade. Destacou a síndrome conhecida como "Mommy Burnout" que se caracteriza pela sobrecarga de estresse, tarefas domesticas e a exaustão em grande escala das mães com seus bebês e com suas tarefas domesticas.  

08/09/2021 – Teve como tema o pré-natal psicológico. É uma modalidade de atendimento que infelizmente é pouco encontrada nos serviços, mas o programa visa á integração da gestante e da família a todo processo gravídico-puerperal. 

15/09/2021 – Teve como tema a depressão perinatal. Pode ocorrer durante a gravidez ou no primeiro ano após o nascimento do filho, destacamos que essa situação i mplica diretamente na saúde psicologica da mãe e do bebê. 

22/09/2021 – Foi explicado como reconhecer uma mãe que precisa de ajuda. Discutir a saúde mental da mulher durante a maternidade e abrir espaço para que a mesma expresse suas dores e rompa o silêncio é de extrema importância para a saúde mental da mulher. 
 
29/09/2021 Teve como tema “qual o tamanho da sua cobrança?”. Foi retratado que não é regra ter que seguir um padrão para casar, ter filhos e se formar com tal idade. É preciso esperar e no tempo adequado a cada um será feito essa escolha, as pessoas são diferentes umas das outras e o tempo de cada um é exclusivo.  

08/10/2021 – Teve como tema o outubro rosa, “Prevenir é a melhor forma de cuidar”. Movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama. 
13/10/2021 – Teve como tema o outubro rosa: impactos psicológicos causados em pacientes diagnosticados com câncer de mama. Inicialmente após a constatação vem o processo do medo, dúvidas, incertezas e questionamentos. Embora cada mulher tenha sua maneira de enfrentar o tratamento, ainda assim, o processo de luto pelo corpo perdido estará presente na vida delas.  


20/10/2021 Teve como tema o cansaço constante. A gestação e o pós-parto é um momento de muito cansaço e cheio de preocupações, acompanhado da mudança de humor. Por  isso ter consciência da rede de apoio é essencial. 

27/10/2021– Teve como tema câncer de mama e gestação, “se ame, se cuide, se toque”. Durante a gestação e a lactação, o exame de mama deve sempre fazer parte da primeira consulta do pré-natal, um dos aspectos mais importantes a ser ressaltado é o diagnostico precoce.  

05/11/2021 e 10/11/2021 – Teve como tema ansiedade perinatais em mulheres com gravidez de risco e gravidez normal. Destacamos que a gestação é um momento de crise que envolve vários sentimentos e mudanças profundas, por isso listamos mês a mês as mudanças que ocorrem no corpo da mulher. 

19/11/2021 Teve como tema :“mãe, você tem medo de que?”. Informamos que os sentimentos no início da gestação, na maioria das vezes eles expressam também a insegurança em relação ao futuro, gerando sintomas de ansiedade na mulher e atingindo diretamente a saúde psicológica dessa mãe. 
 
25/11/2021 – Teve como tema a importância do grupo de gestantes. Mostramos que esses grupos possibilitam partilhar experiências e conhecimentos entre as gestantes. Informações sobre as diferentes vivências devem ser trocadas entre as gestantes e os profissionais da saúde, facilitando assim a comunicação sobre o processo gestacional. 

Ao decorrer das publicações no perfil do Instagram @mae.reaal, foi possível vivenciar mesmo que de forma remota um extenso conhecimento sobre os temas abordados, sendo de grande relevância para a conclusão da ação proposta e do amadurecimento como pessoas dentro de uma sociedade que possui muitas vezes uma visão distorcida do que é a maternidade real. 

 Nosso propósito foi levar informações através da elaboração de conteúdo relacionado a saúde gestacional, publicando temáticas que nos permite uma interação com o público, junto as ferramentas que a rede social disponibiliza facilitando essa aproximação.   

Foi muito importante a prática com o projeto @mae.raal, uma vez que tendo acesso aos conteúdos através de artigos científicos relacionados ao tema ,nos possibilita ampliar nossos conhecimentos , desenvolver o senso crítico em discutir a melhor forma de abordagem do tema , nos fez acessar a conteúdos que vão além da nossa formação, contribuindo para a nossa construção de futuros profissionais da psicologia.  

O trabalho em equipe na construção do projeto foi de grande importância, o processo de comunicação, o comprometimento como estudantes de psicologia, o respeito mútuo entre os componentes na tomada de decisão, tudo para a elaboração e a publicação do melhor conteúdo no intuito de compartilhar os assuntos de forma responsável e didático para o público alvo. A ampliação e aperfeiçoamento dos conhecimentos sobre processo gestacional como um todo, amamentação, puerpério, foi de suma importância para que ocorresse a busca por resultados positivos. 

CONCLUSÃO 

O projeto @mae.reaal vem desmistificando alguns aspectos relacionados a romantização da gestação através de seu perfil no Instagram. Com a proposta de levar informações que possibilitem um olhar amplo em relação ao processo gestacional e pós-parto. Mostrando através dos temas abordados que, dentro do endeusamento da gestação, estabelecido pela sociedade, existem fatores controversos que nem sempre são evidenciados.  

Tivemos o cuidado de produzir um material contextualizado, embasado e articulado na literatura. Transmitindo as informações em uma linguagem de fácil entendimento e leitura para o nosso público alvo. Esperamos que o projeto @mae.reaal consiga alcançar mais pessoas, aproveitando o aumento crescente dos usuários a dispositivos com acesso à internet e colaborando com a desmistificação da romantização na gestação. 

A romantização da gestação é real, onde muitas mulheres nesse período se deparam com uma realidade bem diferente do que as que escutam. A literatura aponta que esses fatores, além da subjetividade de cada mulher, podem contribuir para diversos problemas, inclusive o adoecimento psíquico, fato este que nos impulsiona a dar continuidade ao projeto. 

Por fim, mas não menos importante a equipe teve, com o acesso ao tema e com a busca do melhor conteúdo, a oportunidade de refletir e analisar de maneira crítica a romanização da gestação, proporcionando uma observação em como a sociedade distorce o que é real no processo gestacional, a imagem da gestante perfeita, onde existe uma cobrança da mulher se sentir linda e satisfeita com esse processo, e como as mães enxergam e lida com esse fato, o que possibilitou desenvolver um olhar mais extensivo como futuros psicólogos. 


📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 


REFERÊNCIAS 

BLAY, E. A. 8 de março: conquistas e controvérsias.  Rev. Estud. Fem. v.9, n.2, 2001. 
 
CÉSAR, R. C. B; LOURES, A. F; ANDRADE, B. B. S. A romantização da maternidade e a culpabilização da mulher. Revista Mosaico.  v. 10, n. 2, p. 68-75, jul/Dez 2019.   
 
KONDO, M. M. Assistência ao parto. In: Zugaib, Marcelo. Protocolos assistenciais, clinica obstétrica. São Paulo: Atheneu, p. 631-636, 2011. 
 
MARCONI, M; LAKATOS, E. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, método científico, teoria, hipóteses e variáveis. São Paulo: Atlas, 4 ed., 2004. 
 
OLIVEIRA, W; W. A importância das ações de promoção da saúde realizadas pelo enfermeiro na equipe de saúde da família. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Conselheiro Lafaiete, 2011. 37f. Monografia. 
 
SERGL, J. M; CUNHA, G. A relação entre o indivíduo pós-moderno, o consumo e a internet das coisas.  R. Tecnol. Soc., Curitiba, v. 16, n. 39, p. 41-56, jan/mar. 2020. 
 
TOURINHO, J; G. A mãe perfeita: idealização e realidade. IGT na Rede. v. 3, n. 5, 2006. 


Link para o Artigo Original em PDF

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>