Maceió-AL

O foro de São Paulo renova o caminho da violência

Veja também

O foro de São Paulo renova o caminho da violência
O foro de São Paulo renova o caminho da violência
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas






-Dez anos após sua fundação- 12/2001

Radiografia do Fórum de São Paulo

Por: Alejandro Peña Esclusa  em 18 de dezembro de 2001

No último dia 3 de julho, completaram-se dez anos desde a fundação de uma organização política chamada Fórum de São Paulo (FSP), que reúne quase todas as esquerdas da América Latina, incluindo os movimentos de guerrilha armada. Foi chamado assim porque seu primeiro encontro aconteceu naquela cidade brasileira.

Embora o FSP tenha sido formalmente convocado por Luis Ignacio (Lula) da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil, a iniciativa partiu de Fidel Castro, em resposta à queda do Muro de Berlim e ao colapso do comunismo na antiga União Soviética.

Segundo seus diretores, a convocação contou inicialmente com a participação de 68 forças políticas pertencentes a 22 países da América Latina e Caribe, somando como observadores delegações dos Estados Unidos, Canadá, Espanha, França, Itália e União Soviética. Mas desde então o FSP cresceu notavelmente. No VI Encontro, realizado em 1996, estiveram presentes 187 delegados de 52 organizações membros, 144 organizações convidadas representadas por 289 participantes e 44 observadores de 35 organizações das Américas, África, Ásia e Europa.

As organizações membros incluem: o Exército de Libertação Nacional (ELN) e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil, a Esquerda Unida do Peru, a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) de El Salvador , a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) da Nicarágua, o Partido Comunista de Cuba, a Frente Ampla do Uruguai, o Partido da Revolução Democrática (PRD) e o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) do México, o Movimento Lavalas de Haiti, Bolívia Livre e União Nacional Revolucionária da Guatemala.

A FSP não tem sede conhecida, mas desde sua criação já realizou nove reuniões em diferentes cidades, uma a cada ano: São Paulo, Cidade do México, Manágua, Havana, Montevidéu, San Salvador, Porto Alegre, Cidade do México e Manágua, respectivamente. .

A FSP alega que “não é e não pretende ser uma nova internacional, nem uma estrutura orgânica que imponha condições a quem participa, nem transmissora de unanimidade” (1). É verdade que não há unanimidade total entre seus membros, nem em qualquer outra organização política mundial, mas funciona como uma organização internacional e tem uma estrutura orgânica bem orquestrada. Possui um modo de comunicação permanente, um sistema de coordenação e centralização de suas atividades, uma revista própria chamada América Libre e, o que é mais importante, um objetivo comum claramente definido: a tomada do poder na América Latina.

-O comunismo não desapareceu-

A queda do muro de Berlim afetou profundamente a esquerda latino-americana, que a classifica não como "mais um fato, mas um evento determinante. Sem analisar suas consequências, não seria possível avançar". Mas não é por isso que eles consideram que o comunismo fracassou. Eles acreditam que o experimento socialista na União Soviética e na Europa Oriental simplesmente "não conseguiu fundamentar seus ganhos sociais em uma estrutura econômica viável e infraestrutura política" que garantiria sua permanência.

"No campo socialista, nem tudo desmoronou" -dizem- "China, Vietnã, Laos, Coréia do Norte e Cuba permanecem de pé e trabalham no desenvolvimento de seus próprios projetos para realizar a alternativa socialista" (2).

Apesar de todas as evidências em contrário, eles afirmam que o modelo comunista cubano continua sendo um sucesso: "Cuba está fazendo esforços extraordinários para superar a crise resultante do colapso da União Soviética, baseando-se fundamental e principalmente na formidável consciência e vontade revolucionária de seu povo e acionando as alavancas do poder revolucionário socialista. a aguda falta de divisas e tire sua economia do revés e da paralisia" (3), atribuiu isso não a seus próprios erros,mas ao bloqueio dos EUA.

Eles se ressentem das críticas ao socialismo baseado na queda da União Soviética como "intelectualmente desonesto e desleal". "Ouvimos presidentes da região descartar qualquer opção alternativa, falando de um modelo que já morreu no mundo , com referência ao chamado socialismo real, cuidando para não falar das calamidades que se reproduzem no planeta , incluindo os países em que governam, não querem aceitar a possibilidade de um mundo mais justo e digno para todos, evitam reconhecer que existem experiências socialistas, progressistas e democráticas, alternativas nacionais e populares capazes de mudar a vida dos tantas pessoas negligenciadas".

"O neoliberalismo está em colapso"

Praticamente a única bandeira que o Fórum de São Paulo levantou desde sua fundação foi a crítica severa, muitas vezes correta, ao "neoliberalismo". De fato, o que motivou a convocação do PT que os uniu pela primeira vez foi, por um lado, "a crise do modelo socialista que levou ao colapso da União Soviética"; e, por outro, "a investida neoliberal que devastava o continente, destruindo conquistas sociais e espalhando a pobreza" (4).

Eles argumentam que "o modelo neoliberal concebe o desenvolvimento como a condição na qual as elites podem acumular mais riqueza às custas da crescente pobreza, marginalização e exclusão de uma faixa crescente da população mundial".

Munidos de estatísticas, os do FSP falam do fracasso do capitalismo moderno: "enquanto em 1960 os 20% mais ricos da população mundial tinham uma renda 30 vezes maior que a dos 20% mais pobres, hoje essa proporção é de 82 para um ! Existem hoje 358 pessoas, as mais ricas do mundo, cuja renda anual é superior à renda de 45% dos habitantes mais pobres, ou seja, 2,6 bilhões de pessoas... 30 milhões de pessoas morrem de fome todos os anos. mais de 800 milhões estão subnutridos".

Eles estão absolutamente certos, embora a contabilização do crescimento vertiginoso da pobreza e da injustiça social não constitua uma exclusividade de sua parte, mesmo as organizações responsáveis ​​pelos modelos econômicos vigentes, como o Fundo Monetário Internacional, admitem essa dura realidade.

O Fórum de São Paulo vai além: argumenta, com razão, que tais contradições não podem ser sustentadas e que, mais cedo ou mais tarde, o modelo neoliberal entrará em colapso, abrindo espaço para outra chance para o comunismo e suas variantes.

"A onda do triunfalismo neoliberal, que ao som de trombetas e estimulado pela queda do muro de Berlim, tentou passar por cima de tudo, deve agora vencer resistências cada vez mais fortes. Há uma ampla e crescente rejeição social de uma globalização concebida como pilhagem planetária". Esta "ordem mundial que está destruindo o planeta" - alegam - "nos coloca frente a frente com uma nova agitação social", da qual os da FSP pretendem aproveitar, usando novas e variadas formas de luta, para realizar seu projeto .

-Novas formas de luta-

"Das contradições desta ordem mundial, ou melhor, desta desordem universal, as novas vozes da sociedade civil emergirão, como já estão fazendo, as forças opostas ao neoliberalismo... setores que têm sido o apoio da esquerda".

A FSP acredita que a esquerda deve coordenar e centralizar as reações contra o neoliberalismo, sejam elas próprias ou não, e capturar as organizações populares que surgem como resposta às injustiças advindas do modelo capitalista moderno: de pequenos grupos que são formados para resolver um problema específico, como a construção de uma escola ou a adaptação de um refeitório social, aos movimentos mais amplos que lutam pelos direitos das mulheres, pela defesa do consumidor, pela preservação do meio ambiente, pela defesa da os direitos dos povos indígenas, a promoção de centros educacionais e culturais, etc.

“São processos no nível social, claramente diferenciados do que é a atividade específica das organizações políticas, mas que devem ser assumidos e levados em conta por elas, pois nosso cenário de mobilização e acumulação de forças não é outro senão aquele em transformação da sociedade”.

Este reagrupamento frouxo permitiu-lhes crescer rapidamente. Segundo seus dirigentes, dentro dela estão "forças de esquerda das mais diversas origens, algumas com oito décadas de história e outras recém-criadas; marxistas e não marxistas; de inspiração social cristã - algumas identificadas com a Teologia da Libertação -, grupos nacionalistas ou de raízes anarquistas; agrupamentos com e sem definição socialista com posições democráticas avançadas e progressistas; setores desvinculados de antigos partidos históricos, liberais, social-democratas ou democratas-cristãos; organizações com extensas trajetórias dentro do sistema político-jurídico de seus respectivos países , outros obrigados a longas jornadas pelos caminhos da clandestinidade, entre eles vários que em certas épocas transitaram por meios armados; forças governamentais, como o Partido Comunista de Cuba, ou que estão a cargo de municípios em cidades importantes, como é o caso do Brasil e Uruguai, ou que estiveram à beira de ganhar eleições nacionais e se tornaram opções claras de governo" ( 5).

"Neste período", diz a FSP, "estamos testemunhando um processo de organização e avanço das forças contrárias ao credo neoliberal predominante no final dos anos 80. Na América Latina e no Caribe, o Fórum de São Paulo reflete esse processo com base em seu primeiro encontro, em 1990, tanto nos avanços de muitas forças políticas que o compõem em seus respectivos países, quanto na elaboração de políticas como um todo".

-Objetivo imediato: a tomada do poder na América Latina-

Os do FSP mostram o progresso que alcançaram na região analisando país por país: "No Brasil" -dizem- "a erosão do governo de Fernando Henrique Cardoso foi acompanhada por um processo de mobilização social que cria as condições para o aprofundamento da política de unidade da esquerda. A frente democrática e popular no Brasil é essencial para derrotar a política do atual governo, vencer as eleições municipais de 2000 e preparar a alternativa presidencial para 2002".

Na Venezuela, “os triunfos do presidente Hugo Chávez e das forças esquerdistas e populares que o apóiam são expressões dessa nova situação”.

"No Uruguai, a Frente Ampla tornou-se a primeira força do país, deslocando daquele lugar os dois partidos históricos que a mantinham há quase 170 anos." Ressaltando que as eleições presidenciais foram quase vencidas pelo candidato do Fórum de São Paulo, Tabare Vásquez.

"O fim da era Menem na Argentina não é menor, um dos regimes mais implacáveis ​​na aplicação de orientações neoliberais, deslocado por uma aliança na qual setores de esquerda e progressistas estão presentes." Referem-se especificamente à Frepaso, organização pertencente ao Fórum de São Paulo, cujo líder máximo, "Chacho" Alvarez, ocupa nada menos que a vice-presidência daquela nação.

"No Equador" -continuam- "os vários fatores da crise social e política se intensificam, aumentados pelo modelo neoliberal vigente, um quadro em que se introduzem medidas como a dolarização da economia nacional, e a redistribuição continua sendo negada e negligenciado. de riqueza para as maiorias nacionais. O desencadeamento de explosões sociais é a justa resposta do povo, do movimento indígena e de suas forças de esquerda a esta situação". De fato, essas forças ligadas ao Fórum de São Paulo já provocaram um golpe de estado, que depôs o presidente Mahuad, e tudo parece indicar que estão promovendo outro contra o atual presidente.

Desta forma, o FSP descreve com profundo otimismo os progressos alcançados, mencionando também a Colômbia (FARC, ELN), México (PRD, Zapatistas), Nicarágua (Sandinistas), El Salvador (Frente Farabundo Martí), etc.

Segundo suas avaliações, depois de alguns anos, com o apoio mútuo, os integrantes do Fórum de São Paulo poderão chegar ao poder nos países mais importantes da região, seja por meio de eleições ou com o uso de armas.

Por isso - concluem - "chegou a hora de dar um novo salto de qualidade para que a partir do ano 2000 haja uma mudança no mapa político do continente com o avanço geral dos movimentos populares e o triunfo de governos e deixei".

-Eles não oferecem soluções-

Paradoxalmente, diante da vocação de poder que manifestam, os do Fórum de São Paulo não oferecem soluções para os problemas que levantam: "Em muitos de nossos países" -dizem- "há um grau de amadurecimento do econômico, político e que exige objetivamente a implementação de um modelo alternativo, sem que a esquerda e as forças progressistas tenham conseguido atingir o grau de organização, mobilização, capacidade de estruturar alianças políticas e formular propostas que lhes permitam tirar proveito dessa situação ".

"O que falta em muitos casos" - explicam mais adiante - "são especificidades, para fundamentar essas diretrizes do modelo alternativo. Não se trata de indicar a partir desta esfera que programa deve ter cada frente ou partido membro do FSP, nem como haverá para implementá-lo. Mas mesmo ao nível dessas instâncias de intercâmbio devemos especificar mais sobre os critérios para promover essas medidas já delineadas".

O subcomandante Marcos, líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional, colocou de forma ainda mais crua em artigo publicado em agosto deste ano: "Já se sabe que nossa especialidade não é a solução de problemas, mas sua criação. Sim, nossa especialidade é propor problemas" (6).

Se eles sabem, e até admitem publicamente sem se envergonhar, é irresponsável, para dizer o mínimo, que o FSP aspire ao poder com tanto zelo; mas essa não é sua única contradição

-As contradições do Fórum-

Embora seja verdade que os do FSP se opõem verbalmente às injustiças do sistema capitalista, quando seus simpatizantes e membros chegam ao poder, como no caso do presidente Chávez na Venezuela, continuam a implementar os mesmos programas recessivos do Fundo Monetário Internacional , ainda com mais rigor, aprofundando ainda mais a pobreza de nossos povos.
Em todos os seus documentos fazem da democracia um baluarte, mas muitas vezes defendem e até propõem o sistema cubano como modelo, rejeitado em todo o mundo precisamente por ser uma ditadura implacável, onde dezenas de milhares de opositores foram assassinados e presos, e a liberdade e a liberdade de expressão dos seus cidadãos foram restringidas sem cerimónias.
Criticam duramente o terrorismo e a violência, mas dentro de suas fileiras há grupos guerrilheiros radicais, como as FARC e o ELN, que praticam diariamente o terrorismo e a violência como instrumentos de luta. Eles também criticam o narcotráfico, mas há evidências irrefutáveis ​​de que algumas de suas organizações militantes estão ligadas à venda de entorpecentes, sendo a mais notável a guerrilha colombiana.
Dizem que rejeitam o desmantelamento do Estado, mas em geral procuram acabar com instituições estabelecidas, como o Exército e a Igreja Católica, simplesmente porque se opõem aos seus projetos, particularmente aos procedimentos criminais que utilizam, como o uso de de armas, terrorismo, sequestro, extorsão e assassinato.
Eles criticam a corrupção e afirmam defender a honestidade, mas em seus documentos não há vislumbre de uma base moral que dê sustentação firme ao projeto que defendem. Parece que a luta contra as injustiças do neoliberalismo seria um argumento suficiente para sustentar suas atividades e justificar sua ascensão ao poder. Provavelmente por isso não acabaram com a corrupção nos lugares onde chegaram ao poder e, pelo contrário, muitas vezes a aumentaram.
Certamente nem todos do FSP se identificam com a luta armada e com os procedimentos ilegais utilizados pelos grupos mais radicais do Fórum. No entanto, em vez de dissociar-se deles e denunciá-los publicamente, sentam-se à mesma mesa e partilham a mesma estratégia de ação, o que demonstra a falta de princípios sólidos e o pragmatismo que os move, idêntico ao dos grupos políticos tradicionais que dizer adversário.

Em conclusão, tudo indica que o único objetivo dos membros do Fórum de São Paulo é tomar o poder, não resolver os problemas dos marginalizados, cuja representação exclusiva reivindicam, mas fazer uso dele eles mesmos. Ironicamente, se forem bem-sucedidos em suas aspirações, os mais prejudicados serão os pobres que, além de sofrer uma nova decepção, continuarão experimentando as dificuldades do subdesenvolvimento, mas em grau ainda maior.

 



🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui



Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎



📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 Nota: As citações foram extraídas, salvo indicação em contrário, do documento que serviu de base para a IX Reunião do Fórum de São Paulo, realizada em Manágua em fevereiro deste ano, disponível no site da Frente Ampla: www.assembléia .org.uy .

O Fórum de São Paulo, o que é e qual sua história?, Carlos Baráibar e José Bayardi, líderes da Frente Ampla, vejam seu site.
Documento Base da VI Reunião do Fórum de São Paulo realizada em São Salvador, disponível no site da Frente Ampla.
ibid.
O Fórum de São Paulo, o que é e qual sua história?
ibid
O Direito Intelectual e o Fascismo Liberal , Subcomandante Marcos, Le Monde Diplomatique.
Com Agências


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>