Maceió-AL

Pólio nos EUA, Reino Unido e Israel revela risco raro de vacina oral

Veja também

polio
polio
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió , 22 de agosto de 2022




Durante anos, as autoridades de saúde globais usaram bilhões de gotas de uma vacina oral em uma campanha notavelmente eficaz destinada a eliminar a pólio em seus últimos redutos remanescentes – normalmente, cantos pobres e politicamente instáveis ​​do mundo.

Agora, em uma reviravolta surpreendente no esforço de décadas para erradicar o vírus, as autoridades em Jerusalém, Nova York e Londres descobriram evidências de que a pólio está se espalhando por lá.

A fonte original do vírus? A própria vacina oral.

Os cientistas sabem há muito tempo sobre esse fenômeno extremamente raro. É por isso que alguns países mudaram para outras vacinas contra a poliomielite. Mas essas infecções acidentais da fórmula oral estão se tornando mais evidentes à medida que o mundo se aproxima da erradicação da doença e o número de casos de poliomielite causados ​​​​pelo vírus selvagem ou de circulação natural despenca.

Desde 2017, houve 396 casos de poliomielite causados ​​pelo vírus selvagem, contra mais de 2.600 vinculados à vacina oral, segundo dados da Organização Mundial da Saúde e seus parceiros.

"Estamos basicamente substituindo o vírus selvagem pelo vírus da vacina, que agora está levando a novos surtos", disse Scott Barrett, professor da Universidade de Columbia que estudou a erradicação da poliomielite. “Eu diria que países como o Reino Unido e os EUA serão capazes de interromper a transmissão rapidamente, mas também pensamos isso sobre a varíola dos macacos”.

Os últimos incidentes representam a primeira vez em vários anos que o vírus da poliomielite ligado à vacina apareceu em países ricos.

No início deste ano, autoridades em Israel detectaram poliomielite em uma criança de 3 anos não vacinada, que sofreu paralisia. Várias outras crianças, quase todas não vacinadas, foram encontradas com o vírus, mas sem sintomas.

Em junho, as autoridades britânicas relataram encontrar evidências no esgoto de que o vírus estava se espalhando, embora nenhuma infecção em pessoas tenha sido identificada. Na semana passada, o governo disse que todas as crianças em Londres com idades entre 1 e 9 anos receberiam uma dose de reforço.

Nos EUA, um jovem adulto não vacinado sofreu paralisia nas pernas após ser infectado com poliomielite, revelaram autoridades de Nova York no mês passado. O vírus também apareceu nos esgotos de Nova York, sugerindo que está se espalhando. Mas as autoridades disseram que não estão planejando uma campanha de reforço porque acreditam que a alta taxa de vacinação do estado deve oferecer proteção suficiente.

Análises genéticas mostraram que os vírus nos três países eram todos "derivados da vacina", o que significa que eram versões mutantes de um vírus que se originou na vacina oral.

A vacina oral em questão é usada desde 1988 porque é barata, fácil de administrar – duas gotas são colocadas diretamente na boca das crianças – e melhor para proteger populações inteiras onde a pólio está se espalhando. Ele contém uma forma enfraquecida do vírus vivo.

Mas também pode causar poliomielite em cerca de duas a quatro crianças por 2 milhões de doses. (Quatro doses são necessárias para ser totalmente imunizado.) Em casos extremamente raros, o vírus enfraquecido também pode, às vezes, sofrer mutação para uma forma mais perigosa e desencadear surtos, especialmente em locais com saneamento precário e baixos níveis de vacinação.

Esses surtos geralmente começam quando as pessoas vacinadas eliminam o vírus vivo da vacina em suas fezes. A partir daí, o vírus pode se espalhar dentro da comunidade e, com o tempo, se transformar em uma forma que pode paralisar as pessoas e iniciar novas epidemias.

Muitos países que eliminaram a pólio mudaram para vacinas injetáveis ​​contendo um vírus morto décadas atrás para evitar tais riscos; os países nórdicos e a Holanda nunca usaram a vacina oral. O objetivo final é mover o mundo inteiro para as vacinas assim que a pólio selvagem for erradicada, mas alguns cientistas argumentam que a mudança deve acontecer mais cedo.

"Nós provavelmente nunca teríamos superado a poliomielite no mundo em desenvolvimento sem a (vacina oral contra a poliomielite), mas este é o preço que estamos pagando agora", disse o Dr. Paul Offit, diretor do Centro de Educação de Vacinas do Children's Hospital da Filadélfia. "A única maneira de eliminar a poliomielite é eliminar o uso da vacina oral."

Aidan O'Leary, diretor do departamento de poliomielite da OMS, descreveu a descoberta da poliomielite se espalhando em Londres e Nova York como "uma grande surpresa", dizendo que as autoridades estão focadas em erradicar a doença no Afeganistão e no Paquistão, onde profissionais de saúde foram mortos. para imunizar crianças e onde o conflito tornou impossível o acesso a algumas áreas.

Ainda assim, O'Leary disse estar confiante de que Israel, Grã-Bretanha e EUA encerrarão seus surtos recém-identificados rapidamente.

A vacina oral é creditada por reduzir drasticamente o número de crianças paralisadas pela poliomielite. Quando o esforço global de erradicação começou em 1988, havia cerca de 350.000 casos de pólio selvagem por ano. Até agora este ano, houve 19 casos de poliomielite selvagem, todos no Paquistão, Afeganistão e Moçambique.

Em 2020, o número de casos de poliomielite ligados à vacina atingiu um pico de mais de 1.100 espalhados por dezenas de países. Desde então, caiu para cerca de 200 este ano até agora.



🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

No ano passado, a OMS e seus parceiros também começaram a usar uma nova vacina oral contra a poliomielite, que contém um vírus vivo, mas enfraquecido, que os cientistas acreditam ser menos provável de sofrer mutação para uma forma perigosa. Mas os suprimentos são limitados.

Para parar a poliomielite na Grã-Bretanha, nos EUA e em Israel, o que é necessário é mais vacinação, dizem os especialistas. Isso é algo que as preocupações de Barrett, da Universidade de Columbia, podem ser um desafio na era do COVID-19.

Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎



"O que é diferente agora é a redução da confiança nas autoridades e a polarização política em países como os EUA e o Reino Unido", disse Barrett. "A presunção de que podemos aumentar rapidamente os números de vacinação pode ser mais desafiadora agora".

Oyewale Tomori, um virologista que ajudou a direcionar o esforço da Nigéria para eliminar a pólio, disse que, no passado, ele e seus colegas se recusaram a descrever os surtos como "derivados da vacina", com medo de que as pessoas ficassem com medo da vacina.

“Tudo o que podemos fazer é explicar como a vacina funciona e esperar que as pessoas entendam que a imunização é a melhor proteção, mas é complicado”, disse Tomori. "Em retrospectiva, talvez fosse melhor não usar esta vacina, mas naquela época, ninguém sabia que seria assim."


📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>