Maceió-AL

Insuficiência cardíaca aos 30 anos provocada pela gravidez - Notícias da American Heart Association

Veja também

Notícias da American Heart Association
 Notícias da American Heart Association
Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS NOTÍCIAS   Brasil, Maceió , 17 de agosto de 2022




(American Heart Association News) - Fatima Mathews sabia que algo não estava certo. Ela estava mais cansada do que jamais sentiria em sua vida.


🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui


"Você acabou de ter um bebê", seu médico a lembrou. "É normal estar cansado."

Ela estava se sentindo – cansada e inchada  desde os últimos meses de gravidez. E agora era hora de voltar ao trabalho. Mathews disse a si mesma que ela ficaria bem.

Mas ela não se sentiu bem ao tentar sair da cama naquela manhã de fevereiro, seis semanas depois de dar à luz aos 30 anos. ela trabalhou em Niagara Falls, Nova York.

Ela estacionou perto da porta da frente – a apenas 120 metros de distância – e resolveu superar o cansaço. "Dez passos, eu sabia que algo estava errado", disse ela. "Meu rosto começou a suar. Meu ombro doeu. Meu coração estava batendo rápido."

Muito rápido.

Mathews desabou em uma cadeira perto da porta da frente. Quando ela finalmente consentiu em ir ao hospital, testes confirmaram que seu problema estava realmente relacionado a ter um bebê – mas não porque ser uma nova mãe deixa você cansada. Ela tinha uma condição rara conhecida como cardiomiopatia pós-parto. No caso dela, isso a deixou com insuficiência cardíaca.

"Achei que ia morrer", disse ela. "E eu ia deixar meus dois filhos sem a mãe deles. Eu estava absolutamente apavorado."

Os médicos implantaram no peito de Mathews um desfibrilador, um pequeno dispositivo eletrônico que monitora seu ritmo cardíaco e pode corrigir qualquer anormalidade perigosa.

Por 10 anos, o desfibrilador fez seu trabalho. Então a bateria morreu. Substituí-lo deveria ter sido um procedimento simples, disse Theresa Giambra, que era diretora da Clínica de Dispositivos de Ritmo Cardíaco em Buffalo, Nova York, na época e supervisionava os cuidados de Mathews.

"Realmente não é uma grande cirurgia", disse Giambra. "Muitas vezes os pacientes vão para casa dentro de 24 horas."

Mas Mathews não foi para casa naquele dia, nem no seguinte. Quando ela recebeu fentanil para aliviar a dor da cirurgia, seu coração parou. Ela acabou em coma, acordando mais de uma semana depois em um terrível estado de confusão.

"Lembrei-me da minha mãe e dos meus filhos, mas de mais ninguém", disse ela.

Sem saber o que estava acontecendo com ela, ela brigou com as enfermeiras e arrancou seu tubo de respiração, ferindo suas cordas vocais.

Quando sua cabeça finalmente clareou, ela teve outro choque: enquanto estava em coma, sua família deu permissão aos médicos para implantar um dispositivo de assistência ventricular esquerda, ou LVAD, em seu peito. É um passo drástico feito quando um coração não consegue bombear sangue por conta própria, muitas vezes usado como uma maneira de manter alguém vivo até que possa receber um transplante de coração ou como um tratamento alternativo quando alguém não é elegível para um transplante.

Mathews sabia que ela era candidata ao dispositivo, mas não queria um porque o aparelho pesado restringiria as atividades diárias e seria difícil de esconder. E Mathews, que gostava de usar roupas fofas e sair para dançar, não queria ficar permanentemente preso a todo aquele equipamento.

"Foi vaidade. É assustador quando você vê", disse ela. "E eu não queria um buraco no meu estômago."

Quando ela chegou em casa do hospital, Mathews teve que confiar em outras pessoas. Ela ficou frustrada e deprimida e se recusou a sair de casa.

"Normalmente, eu sou o fixador", disse ela. "Eu conserto tudo para todo mundo, mas não consegui consertar isso para mim."

Um fisioterapeuta que veio à casa a empurrou para recuperar sua saúde e sua capacidade de funcionar de forma independente. Embora Mathews odiasse as sessões, "se ela não tivesse me pressionado, eu teria ficado em um lugar de negligência", disse ela.

Lentamente, Mathews recuperou sua independência e, junto com ela, sua saúde mental. Ela até encontrou maneiras de camuflar o equipamento LVAD, colocando-o em pochetes e trabalhando o conjunto em suas roupas.

"Ajudou a minha confiança", disse ela. "Eu queria parecer de uma certa maneira."

Acima de tudo, Mathews queria estar lá para seus filhos. E agora, com o LVAD mantendo seu coração batendo, ela pode ser.

Eles vão em cruzeiros. Eles vão para a Disneylândia. E, ela se reúne com suas amigas. "Ainda saio e danço e vou a festas. Ainda vivo", disse ela.

Mathews expandiu seu círculo social para incluir outros pacientes com LVAD.

Ela começou conversando com as pessoas no hospital onde ela fez o procedimento. Agora, o hospital a chama para ajudar a dar a perspectiva de um paciente.


 .

Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

"Converso com familiares, amigos, qualquer pessoa sobre como é viver com um LVAD", disse ela. "Conto a eles sobre os medicamentos que estou tomando. Como vivo, como durmo, como todas as noites ligo a parede e coloco minhas baterias em uma caixa."


Então seu médico recomendou que ela fosse voluntária na American Heart Association. Ela agora compartilha sua história em vários eventos.


Giambra gosta de chamar Mathews de "Mulher Maravilha" por causa de tudo que ela suportou "com graça, força e triunfo" e seu compromisso de manter uma perspectiva positiva e defender os outros.


"Mesmo quando ela está recebendo notícias horríveis, ela diz: 'Oh, eu sou abençoada. Eu só quero estar aqui para meus filhos'", disse Giambra. "Eu digo a ela: 'Você precisa ser o rosto de uma insuficiência cardíaca sobrevivente.'"


Mathews, agora com 43 anos, percebe que passar de anti-LVAD a defensora do LVAD lhe dá uma perspectiva única.


"Deus me deu uma segunda chance para que eu possa ajudar outra pessoa", disse ela. "Se é apenas uma pessoa que eu ajudo, sou grato por isso.


"Agora estou feliz. Estou vivendo a vida. Estamos criando memórias."

📙 GLOSSÁRIO:



🖥️ FONTES :
 
Laura Williamson, American Heart Association News
Com Agências


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️



  Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>