Maceió-AL

Tropas dos EUA estão lutando na Ucrânia

Veja também

AR NEWS NOTÍCIAS   Brasil, Maceió 05 de julho de 2022


ilustração : guerra
ilustração : guerra


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

O New York Times informou na segunda-feira que dezenas de ex-militares dos EUA estão operando em solo na Ucrânia e que oficiais aposentados dos EUA estão dirigindo partes do esforço de guerra ucraniano de dentro do país.

Vindo após revelações de que os Estados Unidos estavam diretamente envolvidos na coordenação e planejamento do assassinato de generais russos e do naufrágio do Moskva, a nau capitânia da frota russa do Mar Negro, o relatório refuta ainda mais a falsa alegação do governo Biden de que os Estados Unidos não está em guerra com a Rússia.

Em seu relatório, o Times escreveu:

Os americanos estão na Ucrânia. Um número desconhecido está lutando na linha de frente. Outros se voluntariam para serem membros de equipes de evacuação de vítimas, especialistas em eliminação de bombas, especialistas em logística e treinadores. Pelo menos 21 americanos foram feridos em combate desde o início da guerra, de acordo com uma organização sem fins lucrativos que os evacua. Dois foram mortos, dois foram capturados e um está desaparecido em ação.

Em fevereiro, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse: “Nossas forças não estão e não estarão envolvidas em um conflito com a Rússia na Ucrânia”. Em março, Biden reiterou: “A ideia de enviar equipamentos ofensivos e ter aviões e tanques … isso se chama Terceira Guerra Mundial.”

Desde esse anúncio, os Estados Unidos forneceram mais de 200 veículos blindados e mais de 20 helicópteros para a Ucrânia, bem como obuses blindados autopropulsados ​​M109, mísseis antinavio Harpoon e mísseis de longo alcance HIMARS.

Além desses armamentos militares, agora está claro que os Estados Unidos enviaram tropas. Os militares dos EUA alegam que essas forças, incluindo um coronel e um tenente-coronel, estão operando por conta própria e não estão sob o comando dos militares dos EUA.

Mas essas negações são uma mentira, destinadas a enganar o povo americano, que se opõe esmagadoramente ao seu governo de entrar em guerra com a Rússia. Os oficiais admitiram isso, dizendo ao Times que suas ações dão aos Estados Unidos uma “negação plausível”.

O Times entrevistou Andrew Milburn, um coronel aposentado de Operações Especiais do Corpo de Fuzileiros Navais na Ucrânia, que declarou que suas ações e as de dezenas de soldados americanos “estão executando a política externa dos EUA de uma maneira que os militares não podem”.

Falando por telefone de um vilarejo a cerca de 24 quilômetros das linhas de frente no leste da Ucrânia, Milburn disse que seus esforços apoiaram os objetivos dos EUA enquanto isolavam os Estados Unidos do envolvimento. "Eu sou uma negação plausível", disse ele. “Nós podemos fazer o trabalho, e os EUA podem dizer que não têm nada a ver conosco.”

Significativamente, os oficiais dos EUA estão “ajudando a planejar missões de combate”, servindo como um canal crítico para a direção dos EUA do esforço de guerra.



Continue a leitura após o anúncio:
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

O Times relata a existência de um chamado “grupo Mozart” de dezenas de soldados americanos que estão ativamente engajados no treinamento de milhares de soldados ucranianos sobre como usar armas fornecidas pelos Estados Unidos, como mísseis antitanque de dardo.

A reportagem do Times não constitui reportagem investigativa, mas sim uma liberação controlada de informações destinadas a condicionar a população americana a aceitar o impensável: uma “guerra quente” entre potências com armas nucleares.

Pouco a pouco, a afirmação mentirosa de Biden de que os Estados Unidos não estão em guerra com a Rússia está sendo substituída pela realidade de que os Estados Unidos estão, de fato, em guerra com a segunda maior potência nuclear do mundo. A população americana deve simplesmente ser apresentada a um fato consumado e aceitar os fatos com base em que estão em guerra.

Este curso de ação enfrenta uma oposição popular esmagadora. Em uma pesquisa do YouGov publicada esta semana, 40% dos entrevistados disseram que os EUA deveriam estar “menos militarmente engajados em conflitos em todo o mundo”, em comparação com 12% que disseram que deveriam estar mais engajados.

Na pesquisa, 46% dos entrevistados disseram que “se opõem que os militares dos Estados Unidos se envolvam diretamente no combate na guerra Rússia-Ucrânia”, em comparação com apenas 23% que apoiam tal medida.

Apesar de uma série de reveses militares para a Ucrânia, os Estados Unidos apenas intensificaram seu envolvimento na guerra.

O Congresso alocou oficialmente US$ 54 bilhões em ajuda militar e econômica à Ucrânia desde o início da guerra, o que significa pelo menos US$ 418 milhões por dia. Os EUA e seus aliados enviaram mais de 100.000 armas antitanque, centenas de drones, centenas de veículos blindados e dezenas de helicópteros e outras aeronaves. Desde o início da guerra, os Estados Unidos enviaram permanentemente 20.000 soldados adicionais para a Europa.

Na semana passada, na conclusão da cúpula da OTAN desta semana em Madri, Espanha, os membros da OTAN, incluindo a maioria dos estados europeus, bem como os Estados Unidos e o Canadá, adotaram um documento de estratégia prometendo “entregar toda a gama de forças” necessária “ para combates de alta intensidade e vários domínios contra concorrentes com armas nucleares.”


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

🖥️ FONTES : 

New York Times , Washington Post , Wall Street Journal
📙 GLOSSÁRIO:

Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>