Maceió-AL

ONU : Fome, seca e doenças: relatório climático revela terríveis ameaças à saúde

AR NEWS NOTÍCIAS 
Crise Climática
Crise Climática


 Fome, seca e doenças afligirão dezenas de milhões de pessoas a mais dentro de décadas, de acordo com um esboço de avaliação da ONU que expõe as terríveis consequências para a saúde humana de um planeta em aquecimento.

Após um ano de pandemia que viu o mundo virar de cabeça para baixo, um próximo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), visto exclusivamente pela AFP, oferece uma visão angustiante das próximas décadas: desnutrição, insegurança hídrica, pestilência.

As escolhas políticas feitas agora, como promover dietas baseadas em vegetais, podem limitar essas consequências para a saúde – mas muitas são simplesmente inevitáveis ​​no curto prazo, diz o relatório.

Ele alerta para os impactos em cascata que a quebra simultânea de safras, a queda do valor nutricional dos alimentos básicos e o aumento da inflação provavelmente terão sobre as pessoas mais vulneráveis ​​do mundo.

Dependendo de quão bem os humanos lidam com as emissões de carbono e o aumento das temperaturas, uma criança nascida hoje pode ser confrontada com várias ameaças à saúde relacionadas ao clima antes de completar 30 anos, mostra o relatório.

O relatório preliminar de 4.000 páginas do IPCC, com lançamento previsto para o próximo ano, oferece o resumo mais abrangente até o momento dos impactos das mudanças climáticas em nosso planeta e em nossa espécie.

Ele prevê que até 80 milhões de pessoas a mais do que hoje estarão em risco de fome até 2050.

Ele projeta interrupções no ciclo da água que farão com que as culturas básicas de sequeiro decaiam em toda a África Subsaariana. Até 40% das regiões produtoras de arroz na Índia podem se tornar menos adequadas para o cultivo do grão.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

A produção global de milho já diminuiu quatro por cento desde 1981 devido às mudanças climáticas, e o aquecimento induzido pelo homem na África Ocidental reduziu os rendimentos de milho e sorgo em até 20 e 15 por cento, respectivamente, mostra.

A frequência de perdas repentinas na produção de alimentos já aumentou de forma constante nos últimos 50 anos.

“A base da nossa saúde é sustentada por três pilares: os alimentos que comemos, o acesso à água e o abrigo”, disse à AFP Maria Neira, diretora de Saúde Pública, Determinantes Sociais e Ambientais da Saúde da Organização Mundial da Saúde.

“Esses pilares estão totalmente vulneráveis ​​e prestes a entrar em colapso.”

Pontos de acesso emergentes

Mesmo que o aumento das temperaturas afete a disponibilidade das principais culturas, o valor nutricional está diminuindo, de acordo com o relatório.

O teor de proteína do arroz, trigo, cevada e batata, por exemplo, deverá cair entre 6% e 14%, colocando cerca de 150 milhões a mais de pessoas em risco de deficiência de proteína.

Micronutrientes essenciais – já ausentes em muitas dietas em países mais pobres – também devem diminuir à medida que as temperaturas aumentam.

Eventos climáticos extremos, tornados mais frequentes pelo aumento das temperaturas, farão com que “falhas em vários cestos de pão” atinjam a produção de alimentos com cada vez mais regularidade, prevê o relatório.

À medida que as mudanças climáticas reduzem os rendimentos e a demanda por cultivos de biocombustíveis e florestas que absorvem CO2 cresce, os preços dos alimentos devem subir até um terço em 2050, levando mais 183 milhões de pessoas em famílias de baixa renda à beira da fome crônica.

Na Ásia e na África, 10 milhões de crianças a mais do que agora sofrerão de desnutrição e atraso no crescimento até meados do século, sobrecarregando uma nova geração com problemas de saúde ao longo da vida – apesar do maior desenvolvimento socioeconômico.

Tal como acontece com a maioria dos impactos climáticos, os efeitos na saúde humana não serão sentidos igualmente: o esboço sugere que 80% da população em risco de fome vive na África e no Sudeste Asiático.

“Existem focos emergentes”, disse à AFP Elizabeth Robinson, professora de economia ambiental da Universidade de Reading.

“Se você sobrepor onde as pessoas já estão com fome com onde as colheitas serão mais prejudicadas pelo clima, verá que são os mesmos lugares que já sofrem de alta desnutrição.”

Crise hídrica se aproxima
Não termina aí.

O relatório descreve nos termos mais rígidos até agora o destino que potencialmente aguarda milhões cujo acesso à água potável será lançado em turbulência pelas mudanças climáticas.

Pouco mais da metade da população mundial já está sem água, e os impactos climáticos, sem dúvida, piorarão isso.

Pesquisas sobre abastecimento de água, agricultura e aumento do nível do mar mostram que entre 30 milhões e 140 milhões de pessoas provavelmente serão deslocadas internamente na África, Sudeste Asiático e América Latina até 2050, diz o relatório.

Até três quartos do abastecimento de água subterrânea fortemente explorado – a principal fonte de água potável para 2,5 bilhões de pessoas – também pode ser interrompido até meados do século.

O rápido derretimento das geleiras das montanhas já “afetou fortemente o ciclo da água”, uma fonte essencial para dois bilhões de pessoas que poderia “criar ou exacerbar tensões sobre os recursos hídricos”, segundo o relatório.

E embora o custo econômico do efeito do clima no abastecimento de água varie geograficamente, espera-se que ele reduza meio por cento do PIB global até 2050.

“A água é um dos problemas que nossa geração vai enfrentar muito em breve”, disse Neira.

“Haverá deslocamento em massa, migração em massa, e precisamos tratar tudo isso como uma questão global.”

'Linhas de falha'
À medida que o planeta em aquecimento expande as zonas habitáveis ​​para mosquitos e outras espécies transmissoras de doenças, o rascunho alerta que metade da população mundial pode estar exposta a patógenos transmitidos por vetores, como dengue, febre amarela e vírus Zika até meados do século.

Os riscos representados pela malária e pela doença de Lyme devem aumentar, e as mortes infantis por diarreia devem aumentar até pelo menos meados do século, apesar do maior desenvolvimento socioeconômico em países de alta incidência.

O relatório também mostra como a mudança climática aumentará a carga de doenças não transmissíveis.

Doenças associadas à má qualidade do ar e à exposição ao ozônio, como doenças pulmonares e cardíacas, “aumentarão substancialmente”, diz.

“Também haverá maiores riscos de contaminação relacionada a alimentos e água” por toxinas marinhas, acrescenta.

Tal como acontece com a maioria dos impactos relacionados ao clima, essas doenças devastarão os mais vulneráveis ​​do mundo.

A pandemia de Covid-19 já expôs essa realidade.

O relatório mostra como a pandemia, ao mesmo tempo em que impulsiona a cooperação internacional, revelou a vulnerabilidade de muitas nações a choques futuros, incluindo aqueles inevitáveis ​​pelas mudanças climáticas.

“A Covid tornou as falhas em nossos sistemas de saúde extremamente visíveis”, disse Stefanie Tye, pesquisadora associada da Prática de Resiliência Climática do World Resources Institute, que não esteve envolvida no relatório do IPCC.

“Os efeitos e choques das mudanças climáticas sobrecarregarão ainda mais os sistemas de saúde, por um período muito mais longo e de maneiras que ainda estamos tentando entender completamente.”
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem