Maceió-AL

Polícia torturou suspeito de desaparecimento na Amazônia, diz família

AR NEWS NOTÍCIAS 10 de junho de 2022
Patrulha na Amazônia
Patrulha na Amazônia
Soldados procuram o jornalista britânico desaparecido Dom Phillips e o especialista em assuntos indígenas Bruno Araujo Pereira de um helicóptero sobre a Terra Indígena do Vale do Javari, Atalaia do Norte, estado do Amazonas, Brasil, sexta-feira, 10 de junho de 2022. Phillips e Pereira foram vistos pela última vez na manhã de domingo em o Vale do Javari, o segundo maior território indígena do Brasil, que fica em uma área isolada na fronteira com o Peru e a Colômbia. (Foto AP/Edmar Barros)

Por FABIANO MAISONNAVE
ATALAIA DO NORTE, Brasil (AP) - Familiares da única pessoa a ser presa no desaparecimento de um jornalista britânico e funcionário indígena na Amazônia disseram sexta-feira que ele era inocente e alegaram que a polícia o estava torturando para tentar forçar uma confissão .

O jornalista freelance Dom Phillips e o oficial indígena Bruno Pereira foram vistos pela última vez na manhã de domingo no Vale do Javari, o segundo maior território indígena do Brasil, que fica em uma área isolada na fronteira com o Peru e a Colômbia. Os dois homens estavam na comunidade de São Rafael. Eles estavam voltando de barco para a cidade vizinha de Atalaia do Norte, mas nunca chegaram.

As denúncias da família do pescador Amarildo da Costa de Oliveira, também conhecido como Pelado, foram o último desdobramento de um desaparecimento que ganhou atenção internacional, uma busca envolvendo vários órgãos e críticas às autoridades brasileiras por uma resposta supostamente lenta. Os comentários da família, feitos à Associated Press, também vêm um dia depois de testemunhas terem dito à AP que contradiziam as alegações sobre Oliveira.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
De Oliveira foi preso na terça-feira em sua casa na comunidade ribeirinha de São Gabriel, perto de onde a dupla desapareceu no domingo. Ele foi inicialmente preso por porte ilegal de arma, mas a polícia disse que ele estava sendo considerado suspeito do desaparecimento e estava detido em uma delegacia de Atalaia do Norte.

Osenei da Costa de Oliveira, 41, também pescador, disse na sexta-feira que visitou seu irmão na prisão.

“Ele me disse que estava em sua casa quando o algemaram”, disse Osenei da Costa de Oliveira, falando do lado de fora da delegacia onde seu irmão está detido. “Depois o colocaram em um barco sob o sol e começaram a viajar para Atalaia do Norte. Quando chegaram ao córrego do Curupira, o colocaram em outro barco. Depois, espancaram-no, torturaram-no, meteram-lhe a cabeça debaixo de água, pisaram-lhe a perna e pulverizaram-lhe a cara com spray de pimenta. Também o drogaram duas vezes, mas não sei o que usaram.”

“Eles queriam que ele confessasse, mas ele é inocente”, acrescentou Osenei da Costa de Oliveira.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas, que supervisiona a polícia local, disse em comunicado que não comentará as acusações da família porque a investigação sobre o desaparecimento agora está sob a responsabilidade da Polícia Federal. Uma mensagem de e-mail enviada à Polícia Federal na sexta-feira pedindo comentários não foi respondida imediatamente.

As autoridades brasileiras estão sob enorme pressão para encontrar Phillips e Pereira. Um número crescente de celebridades, políticos, grupos da sociedade civil e organizações internacionais de notícias pediram que a polícia, o exército e a marinha reforcem os esforços de busca.

A mãe de Amarildo da Costa de Oliveira, Maria de Fátima da Costa, disse que estava no porto de Atalaia do Norte quando o filho chegou com a polícia. Ele foi retirado do barco usando um capuz, mal conseguia andar sozinho e estava encharcado, disse ela.

“Eu disse à polícia que ele não era um criminoso para ser tratado assim”, disse ela à AP.

Ela também disse que o sangue que a polícia disse ter sido encontrado no barco de seu filho era provavelmente de um porco que ele havia abatido alguns dias antes de ser preso. As autoridades disseram que o sangue estava sendo analisado em um laboratório.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
Em nota na sexta-feira, a Polícia Federal informou que também está analisando material humano encontrado no Rio Itaquaí, próximo ao porto de Atalaia do Norte. Não foram fornecidos mais detalhes.

Membros do grupo indígena de vigias, que estavam com Pereira e Phillips no sábado, um dia antes de desaparecerem, disseram à AP na quinta-feira que Oliveira e outros dois homens apontaram armas contra eles. Paulo Marubo, presidente de uma associação de indígenas do Vale do Javari, Univaja, também disse à AP que Phillips fotografou os homens na época.

A família do suspeito também contestou a alegação de porte de armas. O sogro Francisco Conceição de Freitas disse que ele e Oliveira estavam juntos em um barco de pesca e que seu genro acenou com um remo, não um rifle, para o grupo que incluía Phillips e Pereira. De Freitas disse que seu genro fez isso porque se sentiram ameaçados pelos vigias, que de Freitas disse que estavam armados, e queriam fazer parecer que eles também estavam armados. O porte de armas, tanto de propriedade legal quanto ilegal, é comum na Amazônia.

A família disse que não estava pescando ilegalmente dentro da Terra Indígena do Vale do Javari, área frequentada pela pesca e caça ilegal. A família também disse que Oliveira não tem antecedentes criminais e seu único contato anterior com a polícia foi detido por algumas horas sob uma suspeita infundada de estar transportando drogas.

Phillips e Pereira estavam conversando com pessoas fora da área protegida, mas nunca entraram, de acordo com várias pessoas que a AP entrevistou na área.

A polícia do estado do Amazonas há muito é acusada de execuções extrajudiciais e batidas ilegais. Desde que o governador Wilson Lima assumiu o cargo em 2019, ocorreram três massacres envolvendo policiais locais. Uma delas, em outubro de 2020, terminou em 17 mortes na capital Manaus, no coração do Amazonas. A polícia negou irregularidades nos três casos.

No ano passado, o jornal brasileiro Folha de S.Paulo informou que a polícia local em Tabatinga, a cidade mais próxima de Atalaia do Norte, havia cometido sete execuções extrajudiciais que acreditavam estar ligadas ao assassinato de um policial. Algumas das vítimas foram torturadas e seus familiares receberam ameaças de morte. A polícia nunca respondeu às acusações.

Phillips, 57 anos, trabalha no Brasil há mais de uma década e, mais recentemente, está trabalhando em um livro sobre preservação da Amazônia.
Pereira atua há muito tempo no Vale do Javari para a agência brasileira de assuntos indígenas. Ele supervisionou seu escritório regional e a coordenação de grupos indígenas isolados antes de sair para ajudar os indígenas locais a se defenderem contra pescadores e caçadores ilegais. Durante anos, Pereira recebeu ameaças por seu trabalho.

____ O jornalista da AP Mauricio Savarese contribuiu para esta reportagem de São Paulo.


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem