Maceió-AL

Forças ucranianas empurram a Rússia para trás em Sievierodonetsk

AR NEWS NOTÍCIAS 
Funcionários do serviço de emergência ucraniano trabalham do lado de fora de um prédio danificado após bombardeio em Kharkiv
Funcionários do serviço de emergência ucraniano trabalham do lado de fora de um prédio danificado após bombardeio em Kharkiv


A Ucrânia lançou um contra-ataque contra as forças russas na cidade de Sievierodonetsk e recapturou cerca de um quinto do território que havia perdido, afirmou o chefe da região.

Serhiy Gaidai, governador da província de Luhansk , disse que as forças russas sofreram derrotas significativas e estão explodindo pontes para
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

“Neste momento, nossos soldados os repeliram, eles [os russos] estão sofrendo enormes baixas”, disse Gaidai em uma transmissão ao vivo pela TV no sábado.

“O exército russo, como entendemos, está lançando todos os seus esforços, todas as suas reservas nessa direção [Sievierodonetsk]”, disse ele.

“Os russos estão explodindo pontes, então não pudemos trazer reforços para nossos meninos em Sievierodonetsk.”
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

Moscou pretende controlar toda a província de Luhansk, e a região de Donbass tem sido a fonte de algumas das batalhas mais ferozes nas últimas semanas.

Ambos os lados alegaram ter infligido enormes baixas nos combates pela pequena cidade industrial, uma batalha que especialistas militares dizem que pode determinar qual lado tem o impulso para uma guerra prolongada de desgaste nos próximos meses.

Enquanto isso, Kyiv repreendeu o presidente francês Emmanuel Macron por dizer que era importante não “humilhar” Moscou.

“Não devemos humilhar a Rússia para que, no dia em que os combates cessem, possamos construir uma rampa de saída por meios diplomáticos”, disse Macron em entrevista a jornais regionais publicados no sábado, acrescentando que está “convencido de que é papel da França ser um poder mediador”.

O ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, twittou em resposta: “Os apelos para evitar a humilhação da Rússia só podem humilhar a França e todos os outros países que o exigirem.

“Porque é a Rússia que se humilha. É melhor nos concentrarmos em como colocar a Rússia em seu lugar. Isso trará paz e salvará vidas”.

A Ucrânia agora diz que seu objetivo é empurrar as forças russas para trás o máximo possível no campo de batalha, contando com sistemas avançados de mísseis prometidos nos últimos dias pelos EUA e Grã-Bretanha para balançar a guerra a seu favor.

Questionado sobre a oferta de mediação de Macron na televisão nacional, o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak disse: “Até que recebamos armas em sua quantidade total, até que reforcemos nossas posições, até que as empurremos [as forças russas] o mais longe possível para as fronteiras da Ucrânia. , não adianta manter negociações.”

Isso ocorre depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse que a artilharia russa atingiu um mosteiro ortodoxo ucraniano do início do século 17 no sábado.

O Ministério da Defesa da Rússia negou envolvimento, acusando as tropas ucranianas de incendiar a igreja de Todos os Santos antes de recuar.

O complexo do mosteiro Svyatohirsk Lavra fica perto de posições russas no leste de Donetsk.

Chamas podem ser vistas atravessando as paredes de madeira de uma igreja com cúpulas de cebola em imagens postadas por Zelensky em seu canal oficial do Telegram.

“A artilharia russa atingiu o Svyatohirsk Lavra na região de Donetsk novamente hoje. Destruiu o mosteiro de Todos os Santos. Foi consagrado em 1912. Foi destruído pela primeira vez durante a era soviética. Mais tarde foi reconstruída para ser queimada pelo exército russo”, escreveu o líder ucraniano.

Zelensky pediu que a Rússia seja expulsa da agência cultural das Nações Unidas, Unesco, e disse que não havia alvos militares presentes no local. Dois monges e uma freira foram mortos no local em um bombardeio em 1º de junho.

O papa Francisco disse no sábado que se reuniria em breve com autoridades ucranianas para discutir a possibilidade de uma visita ao país.

O papa divulgou a próxima reunião em uma sessão de perguntas e respostas com crianças em um dos principais pátios do Vaticano.

Um menino ucraniano chamado Sachar perguntou a ele: “Você pode vir à Ucrânia para salvar todas as crianças que estão sofrendo lá agora?”

O pontífice, de 85 anos, respondeu que muitas vezes pensava em crianças ucranianas e queria visitar o país, mas teve que escolher o momento certo.

“Não é fácil tomar uma decisão que pode fazer mais mal do que bem ao resto do mundo. Tenho que encontrar o momento certo para fazê-lo”, disse ele, de acordo com uma transcrição do Vaticano do evento.

“Na próxima semana vou receber representantes do governo ucraniano, que virão aqui para conversar, falar até de uma eventual visita minha lá. Vamos ver o que acontece”, disse Francis. Ele não deu mais detalhes.

Relatórios adicionais por agências
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem