Maceió-AL

Al-Qaeda volta a encontrar refúgio no Afeganistão sob Talibã, alerta relatório da ONU

AR NEWS NOTÍCIAS 
O Estado Islâmico agora representa a principal ameaça militar aos novos governantes afegãos enquanto tentam consolidar o controle sobre o país devastado pela guerra
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
Milícias afegãs se juntam às forças de defesa e segurança afegãs durante uma reunião em Cabul, Afeganistão, em 23 de junho de 2021. (AP Photo/Rahmat Gul, arquivo)
Milícias afegãs se juntam às forças de defesa e segurança afegãs durante uma reunião em Cabul, Afeganistão, em 23 de junho de 2021. (AP Photo/Rahmat Gul, arquivo)


NAÇÕES UNIDAS (AP) - Os governantes talibãs do Afeganistão mantêm laços estreitos com a Al Qaeda à medida que consolidam o controle sobre o país, e sua principal ameaça militar vem do grupo extremista Estado Islâmico e de ataques de guerrilha por ex-funcionários de segurança do governo afegão. Especialistas da ONU disseram em um novo relatório.

Os especialistas disseram no relatório ao Conselho de Segurança da ONU que, com o início de um clima melhor, os combates podem aumentar à medida que o Estado Islâmico e as forças de resistência realizam operações contra as forças do Taleban.

Mas nem o Estado Islâmico nem a Al Qaeda “acreditam ser capazes de realizar ataques internacionais antes de 2023, independentemente de sua intenção ou se o Talibã age para contê-los”, disse o painel de especialistas.

No entanto, disse que a presença do EI, Al-Qaeda e “muitos outros grupos terroristas e combatentes em solo afegão” está levantando preocupações nos países vizinhos e na comunidade internacional em geral.

Desde a tomada do Afeganistão em 15 de agosto, quando as forças dos EUA e da OTAN estavam nos estágios finais de sua retirada caótica do país após 20 anos, o Talibã “favoreceu a lealdade e a antiguidade sobre a competência, e sua tomada de decisão foi opaca e inconsistente”, disseram os especialistas.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

No relatório obtido na quinta-feira, o painel que monitora as sanções contra o Talibã disse que seus líderes nomearam 41 homens na lista negra de sanções da ONU para o Gabinete e altos cargos, e eles favoreceram o grupo étnico pashtun dominante do país, alienando comunidades minoritárias, incluindo tadjiques étnicos e uzbeques.

A principal preocupação do Talibã tem sido consolidar o controle “enquanto busca reconhecimento internacional, reengajar-se com o sistema financeiro internacional e receber ajuda para lidar com a crescente crise econômica e humanitária no Afeganistão”, disseram os especialistas.

“Desde que assumiu o poder, no entanto, muitos fatores criaram tensões internas dentro do movimento, levando a percepções de que o governo do Talibã tem sido caótico, desarticulado e propenso a reverter políticas e voltar atrás em promessas”, disseram eles.

À medida que o Talibã luta para fazer a transição de uma insurgência para um corpo governante, eles foram divididos entre pragmatistas e radicais que ganharam vantagem e querem voltar o relógio para o duro governo do grupo de 1996 até dezembro de 2001, quando foram expulsos. do poder pelas forças dos EUA após os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

Até o momento, seus esforços para obter reconhecimento e ajuda das nações ocidentais fracassaram, em grande parte porque não formaram um governo mais representativo e restringiram os direitos das meninas à educação além do ensino fundamental, e das mulheres ao trabalho e viagens sem um homem. supervisão do parente.

“O dilema central é como um movimento com uma ideologia inflexível pode se engajar com uma sociedade que evoluiu nos últimos 20 anos”, disseram os especialistas. “Outras tensões giram em torno de poder, recursos e divisões regionais e étnicas.”

Apesar dessas questões sérias, o painel disse que o Talibã “parece confiante em sua capacidade de controlar o país e 'esperar' a comunidade internacional para obter um eventual reconhecimento de seu governo”.

“Eles avaliam que, mesmo que não façam concessões significativas, a comunidade internacional acabará por reconhecê-los como o governo do Afeganistão, especialmente na ausência de um governo no exílio ou resistência interna significativa”, disseram os especialistas.

Até agora, nenhum país reconheceu oficialmente o Talibã, e há uma crescente indignação internacional com o tratamento dado a meninas e mulheres e seu fracasso em cumprir sua promessa de formar um governo inclusivo. Há também preocupações sobre a incapacidade do Talibã de cumprir sua promessa de não permitir que grupos terroristas operem no Afeganistão.

O painel disse que a Rede Haqqani, um grupo militante islâmico com laços estreitos com o Talibã, agiu rapidamente após sua aquisição para obter o controle de pastas e ministérios importantes, incluindo interior, inteligência, passaportes e migração. Agora, “controla amplamente a segurança no Afeganistão, incluindo a segurança da capital, Cabul”, disseram os especialistas.

“A Rede Haqqani ainda é considerada como tendo os vínculos mais próximos com a Al-Qaeda”, disse o painel, e a relação entre o Talibã e a Al-Qaeda também permanece próxima. Os especialistas apontaram para a presença relatada da “liderança central” da Al-Qaeda no leste do Afeganistão, incluindo seu líder Ayman al-Zawahri.

Para combater o Estado Islâmico, o relatório citou um país não identificado dizendo que o Talibã criou três batalhões de forças especiais chamados “unidades vermelhas”.

O surgimento da Frente de Resistência Nacional e da Frente de Liberdade do Afeganistão, composta por ex-funcionários de segurança afegãos, “levou o Talibã a adotar medidas agressivas contra populações suspeitas de apoiar operações antitalibãs”, disse o painel.

Em abril, disse que as forças da Frente de Resistência Nacional intensificaram as operações nas províncias de Badakhshan, Baghlan, Jowzjan, Kunduz, Panjshir, Takhar e Samangan.

A Frente da Liberdade Afegã, que surgiu recentemente, “também reivindicou vários ataques a bases do Taleban em Badakhshan, Kandahar, Parwan e Samangan”, disseram os especialistas.

“As forças do Talibã podem ser duramente pressionadas para combater várias insurgências simultaneamente”, disseram eles.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem