Maceió-AL

Os países devem expandir a vigilância para monitorar outros vírus respiratórios, não apenas o COVID, diz OPAS

Veja também

AR NEWS NOTÍCIAS 
Discurso de Abertura, 1º de junho de 2022
OPAS : Discurso de Abertura, 1º de junho de 2022



Discurso de Abertura, 1º de junho de 2022
Bom dia e obrigado por se juntarem a mim para a coletiva de imprensa de hoje.

Os casos e mortes por COVID-19 continuaram a aumentar em toda a nossa Região. Na semana passada, foram registrados 1.087.390 casos e 4.155 mortes nas Américas. Isso representa um aumento de 10,4% no número de casos e um aumento de 14% nas mortes.

No nível sub-regional, todas as sub-regiões, exceto as ilhas do Caribe e do Oceano Atlântico, registraram aumentos tanto em casos quanto em mortes. O maior aumento de casos foi na América do Sul, com aumento de 43,1%, e o maior aumento de mortes foi na América Central, com aumento de 21,3%.

Os casos na região têm aumentado nas últimas 6 semanas. Agora, à medida que a temporada de férias de verão se aproxima no hemisfério norte e a temporada de inverno começa no hemisfério sul, devemos continuar vigilantes.

Temos as ferramentas para prevenir as piores consequências desse vírus. À medida que os casos aumentam e os hospitais ficam ocupados, agora é a hora de usar essas ferramentas. Nosso kit de ferramentas inclui máscaras e medidas de saúde pública para retardar a propagação do vírus e vacinas para evitar doenças graves e mortes.

Nossos sistemas de saúde ainda estão se recuperando das interrupções trazidas pela pandemia, mas agora estão enfrentando outro surto de casos de COVID-19, juntamente com um risco crescente de eventos atuais de saúde pública, incluindo Monkeypox, hepatite viral e outras infecções respiratórias.


VÍDEO : Discurso de Abertura, 1º de junho de 2022
Desde a introdução do SARS-CoV-2, os casos de gripe têm sido excepcionalmente baixos na Região. Mas essa situação começou a mudar em 2022: o vírus da gripe está circulando novamente e não apenas durante a temporada tradicional de gripe.

O México e o Peru registraram um número maior de casos de gripe do que o esperado, e Argentina, Chile e Uruguai relataram mais hospitalizações do que o normal devido à gripe.

Chile, Paraguai, Brasil, Equador e República Dominicana também estão enfrentando surtos do vírus RSV em crianças pequenas, em alguns casos levando à hospitalização.

Assim como respondemos ao COVID, devemos usar todos os recursos que temos à mão. A começar pelas vacinas.

A atual vacina contra a gripe usada no Hemisfério Sul reflete as cepas que circulam agora e pode fornecer melhor proteção a todos em risco.

Brasil e Equador iniciaram suas campanhas de vacinação contra influenza durante a Semana de Vacinação nas Américas.

Pelo menos 15 outros países estão lançando campanhas para alcançar idosos, grávidas, crianças e outros grupos vulneráveis.

Essas campanhas são importantes todos os anos, mas ainda mais importantes este ano, pois estamos enfrentando vários riscos ao mesmo tempo.

Os países devem expandir a vigilância para monitorar outros vírus respiratórios, não apenas o COVID.

A maioria dos países integrou a vigilância da COVID-19 aos esforços para rastrear o vírus da gripe. Devemos aproveitar essa capacidade para identificar rapidamente os diferentes vírus respiratórios que circulam nas Américas.

É importante notar que as mesmas medidas de saúde pública que protegem as pessoas do COVID-19 também protegem as pessoas da gripe.

Mas esse aumento recente representa um risco para nossos sistemas de saúde. E devemos acompanhar de perto a capacidade do hospital.

Muitos lugares estão enfrentando a dupla ameaça de um potencial surto de gripe ao lado de um aumento nos casos de COVID-19, o que colocará os profissionais de saúde, idosos e mulheres grávidas em risco adicional.

Alguns países estão enfrentando uma ameaça tripla, com a adição de uma onda de RSV em crianças.

Temos a experiência para tratar pessoas afetadas por esses vírus.

Mas os países devem ajustar sua capacidade e direcionar recursos e funcionários suficientes para ajudar nossos sistemas de saúde a colocar esse conhecimento em uso e salvar mais vidas.

Isso me leva a outro ponto de pressão para os serviços de saúde nas Américas, especialmente na América Central e no Caribe: a temporada de furacões está mais uma vez sobre nós.

As mudanças climáticas levaram a um aumento inegável na frequência e no impacto de eventos climáticos extremos, como furacões, chuvas excepcionalmente fortes e inundações em muitas partes de nossa Região.

E, embora devamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para retardar as mudanças climáticas, também temos que nos preparar para enfrentar as consequências imediatas de eventos climáticos extremos.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA e o Sistema de Integração da América Central esperam ver mais tempestades do que a média este ano, especialmente no Atlântico, Golfo do México e Caribe.

Isso é preocupante, pois basta uma grande tempestade para destruir os meios de subsistência das pessoas, paralisar nossos sistemas de saúde e levar a inúmeras vidas perdidas.

Devemos nos preparar cedo para não sermos pegos desprevenidos.

Muitos países já têm planos nacionais para eventos climáticos extremos.

Agora é hora de revisitar essas estratégias, garantir que estejam atualizadas e colocar os planos em ação.

Os países devem ter uma compreensão detalhada de suas áreas de risco e as prováveis ​​populações e instalações de saúde que podem ser afetadas. A OPAS se reuniu com os países para avaliar os riscos, revisar os planos e ajudar a abordar as vulnerabilidades com antecedência.

Investimentos de longo prazo também foram feitos com o apoio do programa de hospitais SMART da OPAS, apoiando reformas de centros de saúde em áreas vulneráveis ​​a desastres naturais para que possam resistir melhor a eventos de crise.

Essa abordagem foi aplicada em toda a Região e ajudou, por exemplo, o hospital Chateaubelair em São Vicente e Granadinas a resistir a uma erupção vulcânica, à pandemia de COVID-19 e a um furacão.

Seja COVID-19, furacões ou vírus respiratórios sazonais, devemos contar com os mesmos sistemas de saúde para responder e recuperar.

Em tempos de crise, nosso bem-estar e o de nossas sociedades dependem da resiliência de nossos sistemas de saúde. Essa é uma lição importante do COVID-19 que não podemos ignorar. Os Chefes de Estado na nona Cúpula das Américas em Los Angeles, de 8 a 10 de junho, se comprometerão a construir um futuro sustentável, resiliente e equitativo, que inclua resiliência na saúde e nas economias.

Devemos planejar e investir agora para lidar com os riscos de hoje e nos preparar melhor para os desafios de amanhã.

Um investimento em saúde é essencial para garantir tudo o que esperamos para o futuro de nossa Região: resiliência e segurança, prosperidade econômica e bem-estar de nosso povo.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>