Maceió-AL

Uma 'febre maligna' por COVID-19 surge na Coreia do Norte

AR NEWS NOTÍCIAS 14 de maio de 2022
Um trabalhador desinfeta uma loja em Pyongyang, na Coreia do Norte, à medida que o COVID-19 se espalha.
Um trabalhador desinfeta uma loja em Pyongyang, na Coreia do Norte, à medida que o COVID-19 se espalha. 

POR RICHARD STONE
No fim de semana, quando Kee Park viu os números mais recentes sobre o que a Coreia do Norte chama de “febre maligna” varrendo o país, ele percebeu como as perspectivas se tornaram sombrias. Novos casos da doença – quase certamente COVID-19, causado pela variante Omicron do SARS-CoV-2 – parecem dobrar a cada 2 dias na última população significativa do mundo, cerca de 25 milhões de pessoas, que não tem imunidade a a doença por vacinação ou infecção.

“O surto agora é nacional”, diz Park, especialista em saúde global da Harvard Medical School. “Estamos diante de uma grande, grande catástrofe.”

As agências de ajuda humanitária estão se preparando para uma resposta robusta – se a Coreia do Norte estiver disposta a abrir suas portas. O governo norte-coreano ignorou ofertas anteriores de vacinas contra a COVID-19, presumivelmente para evitar o monitoramento internacional da distribuição de vacinas, dizem especialistas humanitários que trabalharam na Coreia do Norte. Mas eles acreditam que a crise – que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, reconheceu estar causando uma “grande reviravolta” – nos próximos dias persuadirá a nação reclusa a solicitar assistência. Enquanto isso, eles estão compilando uma lista do que será necessário para combater o surto, quais organizações podem fornecer esses itens e como levá-los à Coreia do Norte.

No início da pandemia, a Coreia do Norte se isolou do mundo em uma tentativa de manter o vírus sob controle. Essa estratégia foi bem-sucedida por 2 anos, apesar de relatos ocasionais de possíveis surtos que as autoridades conseguiram extinguir. Até o mês passado, o país, prejudicado pela escassez de reagentes, havia testado apenas 66.000 pessoas para COVID-19 e relatado zero casos.

Mas agora a Agência Central de Notícias da Coreia, um órgão do governo, informou que novos casos de presumível COVID-19 dispararam de 18.000 em 12 de maio para 392.920 em 15 de maio, incluindo vários confirmados como causados ​​pela subvariante BA.2 Omicron. Desde o final de abril, as autoridades de saúde norte-coreanas contabilizaram mais de 1,2 milhão de casos de doenças sintomáticas e 50 mortes, incluindo seis crianças. “São 5% da população com sintomas”, diz Park, que dirige o Projeto de Política de Saúde da Coreia de Harvard e fez mais de 20 viagens à Coreia do Norte desde 2007. “E o número de novos casos está aumentando. Não estamos nem perto do planalto.” Assumindo uma taxa de mortalidade conservadora da Omicron de 1%, o número de mortos do número atual de casos pode exceder 12.000, diz ele.

As autoridades norte-coreanas ordenaram um bloqueio nacional que confina as pessoas em suas casas ou locais de trabalho e os estudantes em seus dormitórios. O bloqueio também cortou as comunicações entre agências internacionais e funcionários locais. Mas não há dúvida de que o país está mal preparado para lidar com o COVID-19. Entrando na pandemia, seu sistema de saúde ficou em 193º lugar no mundo e lutou para combater outras doenças infecciosas, como a tuberculose, e manter a segurança alimentar, um desafio exacerbado por uma seca generalizada nesta primavera.


Se a Coreia do Norte abraçar a assistência externa, no topo da lista de Park como potencial salva-vidas está Paxlovid. O antiviral reduziria o número de pacientes que ficam gravemente doentes ou morrem, aliviando a carga sobre o frágil sistema de saúde da Coreia do Norte, observa ele. Mas precisa ser tomada dentro de 5 dias após o diagnóstico, para que os profissionais de saúde tenham que responder rapidamente a novos casos. Ele e outros especialistas também citam testes de diagnóstico rápido como uma alta prioridade e alimentos para melhorar o estado nutricional – e, portanto, a resposta imunológica do corpo. “Precisamos acelerar a ajuda”, diz Park.

Primeiro, porém, a Coreia do Norte terá que aceitá-lo.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem