OMS reúne provas sobre crimes de guerra na Ucrânia
Maceió-AL

Siga-nos

OMS reúne provas sobre crimes de guerra na Ucrânia

A agência de saúde da ONU diz que documentou 200 ataques a instalações médicas, pois insta as partes em conflito a evitar atacar clínicas de saúde.
Ryan (à esquerda) disse que os 200 casos não representam a totalidade dos ataques a instalações médicas ucranianas, apenas aqueles que a OMS verificou
Ryan (à esquerda) disse que os 200 casos não representam a totalidade dos ataques a instalações médicas ucranianas, apenas aqueles que a OMS verificou


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

7 de maio de 2022
A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que “documentou 200 ataques a hospitais e clínicas” na Ucrânia, acrescentando que estava reunindo evidências para uma possível investigação de crimes de guerra sobre os ataques.

“Ataques intencionais a instalações de saúde são uma violação do direito internacional humanitário e, como tal – com base na investigação e atribuição do ataque – representam crimes de guerra em qualquer situação”, disse o diretor de emergências da OMS, Mike Ryan, no sábado, na capital ucraniana, Kiev.
🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
“Continuamos a documentar e testemunhar esses ataques… e confiamos que o sistema da ONU, o Tribunal Penal Internacional e outros farão as investigações necessárias para avaliar a intenção criminosa por trás desses ataques”.

Ryan, em uma visita não anunciada junto com o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em entrevista coletiva que era responsabilidade explícita das partes em conflito evitar atacar instalações de saúde.

A Rússia negou acusações anteriores da Ucrânia e de nações ocidentais de possíveis crimes de guerra e também negou alvejar civis na guerra.

Ryan disse que os 200 casos não representam a totalidade dos ataques a instalações médicas ucranianas, apenas aqueles que a OMS verificou. Kiev disse que houve aproximadamente 400 ataques desse tipo desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro .

Tedros disse na mesma coletiva de imprensa: "Minha mensagem para todo o povo da Ucrânia é esta: 'A OMS está ao seu lado'... Continuamos pedindo à Federação Russa que pare esta guerra".

Os estados membros da OMS considerarão na terça-feira uma resolução contra a Rússia que inclui o possível fechamento de um importante escritório regional em Moscou, mostrou um documento obtido pela Reuters na quinta-feira passada.

O projeto de resolução não inclui sanções mais duras, como a suspensão da Rússia do conselho da agência de saúde global da ONU, bem como um congelamento temporário de seus direitos de voto, disseram três fontes diplomáticas e políticas.

O esboço, preparado em grande parte por diplomatas da UE e apresentado ao escritório regional da OMS para a Europa nesta semana, segue um pedido da Ucrânia assinado por pelo menos 38 outros membros, incluindo Turquia, França e Alemanha.

Moscou chama suas ações desde 24 de fevereiro de “operação militar especial” para desarmar a Ucrânia e livrá-la do que chama de nacionalismo anti-russo fomentado pelo Ocidente.

A Ucrânia e o Ocidente dizem que a Rússia lançou uma guerra de agressão não provocada.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem