Paciente do Reino Unido teve COVID-19 por 505 dias seguidos, mostra estudo
Maceió-AL

Siga-nos

Paciente do Reino Unido teve COVID-19 por 505 dias seguidos, mostra estudo

Um paciente do Reino Unido com um sistema imunológico gravemente enfraquecido teve COVID-19 por quase um ano e meio, relataram cientistas, ressaltando a importância de proteger pessoas vulneráveis ​​do coronavírus.
novo coronavírus SARS-CoV-2
novo coronavírus SARS-CoV-2


Não há como saber com certeza se foi a infecção por COVID-19 mais duradoura, porque nem todos são testados, especialmente regularmente como este caso.

Mas em 505 dias, "certamente parece ser a infecção mais longa relatada", disse o Dr. Luke Blagdon Snell, especialista em doenças infecciosas do NHS Foundation Trust Guy's & St. Thomas.

A equipa de Snell planeia apresentar vários casos “persistentes” de COVID-19 numa reunião de doenças infecciosas em Portugal este fim-de-semana.

Seu estudo investigou quais mutações surgem – e se as variantes evoluem – em pessoas com infecções super longas. Envolveu nove pacientes que testaram positivo para o vírus por pelo menos oito semanas. Todos tinham sistemas imunológicos enfraquecidos por transplantes de órgãos, HIV, câncer ou tratamento para outras doenças. Nenhum foi identificado por motivos de privacidade.

Testes repetidos mostraram que suas infecções permaneceram por uma média de 73 dias. Dois tinham o vírus há mais de um ano. Anteriormente, disseram os pesquisadores, o caso mais antigo confirmado com um teste de PCR durou 335 dias.

O COVID-19 persistente é raro e diferente do COVID longo.

“No longo COVID, geralmente assume-se que o vírus foi eliminado do seu corpo, mas os sintomas persistem”, disse Snell. “Com infecção persistente, representa a replicação ativa e contínua do vírus”.

Cada vez que os pesquisadores testavam os pacientes, eles analisavam o código genético do vírus para garantir que era a mesma cepa e que as pessoas não contraíram o COVID-19 mais de uma vez. Ainda assim, o sequenciamento genético mostrou que o vírus mudou ao longo do tempo, sofrendo mutações à medida que se adaptava.

As mutações foram semelhantes às que mais tarde apareceram em variantes generalizadas, disse Snell, embora nenhum dos pacientes tenha gerado novos mutantes que se tornaram variantes preocupantes. Também não há evidências de que eles espalhem o vírus para outras pessoas.

A pessoa com a infecção mais longa conhecida testou positivo no início de 2020, foi tratada com o medicamento antiviral remdesiver e morreu em algum momento de 2021. Os pesquisadores se recusaram a identificar a causa da morte e disseram que a pessoa tinha várias outras doenças.

Cinco pacientes sobreviveram. Dois eliminaram a infecção sem tratamento, dois eliminaram após o tratamento e um ainda tem COVID-19. No último acompanhamento no início deste ano, a infecção desse paciente durou 412 dias.


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Os pesquisadores esperam que mais tratamentos sejam desenvolvidos para ajudar pessoas com infecções persistentes a vencer o vírus.

“Precisamos estar cientes de que algumas pessoas são mais suscetíveis a esses problemas, como infecções persistentes e doenças graves”, disse Snell


🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
Embora infecções persistentes sejam raras, especialistas disseram que há muitas pessoas com sistema imunológico comprometido que permanecem em risco de COVID-19 grave e que estão tentando se manter seguras depois que os governos suspenderam as restrições e as máscaras começaram a cair. E nem sempre é fácil saber quem eles são, disse o Dr. Wesley Long, patologista do Houston Methodist, no Texas, que não fez parte da pesquisa.

“Mascarar-se na multidão é uma coisa atenciosa a se fazer e uma maneira de proteger os outros”, disse ele.

🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem