Liberdade de expressão ou discurso de ódio ? Temores após compra do Twitter por Musk
Maceió-AL

Siga-nos

Liberdade de expressão ou discurso de ódio ? Temores após compra do Twitter por Musk

Conta no Twitter de Elon Musk com uma foto dele ao fundo (foto AFP)
Conta no Twitter de Elon Musk com uma foto dele ao fundo (foto AFP)


Durante a aquisição do Twitter, Elon Musk avançou com a ideia de permitir "liberdade de expressão" na plataforma. No entanto, muitos estão preocupados que, sob Musk, o Twitter forneça um fórum para discurso de ódio e desinformação.

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
Elon Musk se descreve como um "absolutista da liberdade de expressão", deixando grupos de direitos humanos com medo de que o Twitter forneça um fórum para discurso de ódio e desinformação sob sua propriedade.

O homem mais rico do mundo sinalizou que, após sua aquisição de US$ 44 bilhões, ele pretende reformar o que considera um policiamento excessivamente zeloso de tweets.

Ativistas civis estão preocupados que isso signifique que Musk, de 50 anos, permitirá que extremistas proibidos voltem à plataforma.

“A última coisa que precisamos é de um Twitter que voluntariamente feche os olhos para discursos violentos e abusivos contra usuários, particularmente aqueles mais impactados desproporcionalmente, incluindo mulheres, pessoas não-binárias e outros”, Michael Kleinman, tecnologia e direitos humanos diretor da Anistia Internacional EUA, disse em um comunicado.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎
Como outras redes de mídia social, o Twitter tem lutado contra a desinformação, o bullying e o conteúdo alimentado pelo ódio nos últimos anos.

Ele baniu vários usuários por promover violência ou ameaçar ou atacar pessoas com base em sua raça, religião, identidade de gênero ou deficiência, entre outras formas de discriminação.

Pessoas de alto perfil removidas da plataforma incluem o ex-líder da Ku Klux Klan David Duke, o teórico da conspiração de extrema direita Alex Jones e o ex-presidente Donald Trump.

O Twitter também reprimiu mentiras sobre o Covid-19 e removeu milhares de contas ligadas ao movimento de extrema-direita "QAnon", cujos seguidores acreditam que Trump está travando uma guerra secreta contra um culto liberal global de pedófilos adoradores de Satanás.

Muitos teóricos da conspiração aderiram a plataformas mais novas e amigáveis ​​à extrema direita, como Gab e Parler.

Trump, que foi banido após o ataque ao Capitólio dos EUA por seus apoiadores em 6 de janeiro do ano passado, quando tentavam anular o resultado da eleição presidencial dos EUA em 2020, prometeu não voltar ao Twitter mesmo que Musk o reintegrasse.

Mas os conservadores, que há muito reclamam das plataformas de mídia social administradas por liberais do Vale do Silício, estão anunciando o acordo do libertário Musk.

"Espero que Elon Musk ajude a conter a história da Big Tech de censurar usuários que têm um ponto de vista diferente", tuitou a senadora republicana Marsha Blackburn.

Derrick Johnson, CEO da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP), disse que, embora "a liberdade de expressão seja maravilhosa, o discurso de ódio é inaceitável".

"Não permita que o Twitter se torne uma placa de Petri para discursos de ódio ou falsidades que subvertam nossa democracia. Proteger nossa democracia é de extrema importância, especialmente quando as eleições de meio de mandato se aproximam", disse ele.

Moderação
Em Bruxelas, a Federação Internacional de Jornalistas ecoou esse apelo, expressando preocupação de que o bilionário prejudicaria as liberdades de mídia "exacerbando as oportunidades de atacar jornalistas" no site.

O secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse que o Twitter, que tem 400 milhões de usuários, "deve ser devidamente moderado, respeitando a liberdade de expressão".

Especialistas dizem que, uma vez no comando, Musk pode descobrir que permanecer fiel aos seus instintos de liberdade de expressão não é tão simples.

Na União Europeia, por exemplo, o Twitter terá que cumprir a nova Lei de Serviços Digitais, uma peça importante da legislação da UE que garante consequências mais duras quando as plataformas hospedam conteúdo proibido.

"Ele terá que ter alguma forma de política de moderação de conteúdo. Isso será um desafio para Musk", disse à AFP o especialista em política e mídia da Universidade de Nova York Joshua Tucker.
O empresário também será cauteloso ao fazer muitas mudanças que contribuam para que os usuários saiam do site, dizem os analistas.

"Se se tornar um lugar de conteúdo odioso e afugentar os jornalistas, perderá seu valor", disse à AFP Karen North, professora de mídia social digital da escola de jornalismo Annenberg, na Califórnia.



Musk não especificou exatamente quais restrições ele pretende reverter. Mas ele deu a entender em um tweet na terça-feira que a mudança estava chegando.

"A reação extrema de anticorpos daqueles que temem a liberdade de expressão diz tudo", escreveu ele.


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem