Altos níveis de CO2 e má ventilação nas escolas levantam preocupações com a saúde das crianças e o risco de COVID
Maceió-AL

Siga-nos

Altos níveis de CO2 e má ventilação nas escolas levantam preocupações com a saúde das crianças e o risco de COVID

Enquanto as crianças arrumam suas mochilas e voltam para as aulas após a Páscoa, os pais expressaram preocupação de que os alunos em Edimburgo estejam estudando em salas de aula onde os níveis de CO2 excedem os limites de segurança recomendados – e, portanto, correm o risco de transmissão do COVID-19
As crianças lavam as mãos no primeiro dia de volta à escola após o bloqueio. Foto: Danny Lawson/PA/Alamy
As crianças lavam as mãos no primeiro dia de volta à escola após o bloqueio. Foto: Danny Lawson/PA/Alamy


Eles confirmaram que as taxas de COVID-19 permanecem altas nas escolas de Edimburgo. Uma solicitação de Liberdade de Informação constatou que, entre 21 de outubro e 6 de dezembro do ano passado, 3.097 alunos testaram positivo para o Coronavírus.


🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
A orientação do governo escocês afirma que as concentrações de CO2 na maioria das salas de aula não devem exceder 1.500 partes por milhão (ppm) – reduzidas para 800 ppm em salas de aula de música e academias. 

O máximo do Reino Unido é maior do que em outros países, alguns dos quais recomendam 800 ppm. O The Lancet publicou um estudo descobrindo que as escolas são “cronicamente mal ventiladas”, impactando a saúde e a concentração das crianças.

Um relatório encomendado pelo Conselho da Cidade de Edimburgo e realizado pela Universidade Napier de Edimburgo - intitulado 'Mitigação da COVID-19 nas escolas' - descobriu que algumas salas de aula tinham níveis de CO2 tão altos quanto 2.810 ppm, enquanto uma sala de música tinha concentrações de 1.990 ppm. 

A pesquisa ocorreu entre novembro de 2020 e fevereiro de 2021 em nove das 123 escolas primárias. Mais amplamente, o governo escocês pediu às autoridades locais em todo o país que avaliassem as concentrações de CO2 nos espaços de aprendizagem, ensino e lazer. 

O relatório concluiu que “dos dados apresentados… a maioria das escolas monitoradas demonstrou períodos em que as concentrações máximas de CO2 registradas ultrapassaram os valores limite identificados”, com exceção de duas escolas. 

Todas as salas de uma escola tinham níveis entre 1.863 e 2.810 ppm. Em uma segunda escola, todas as salas, exceto uma, tinham níveis entre 1.560 e 1.862 ppm, enquanto uma terceira escola tinha três salas de aula com níveis de 2.001 ppm, 1.620 ppm e 1.999 ppm, respectivamente.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎

A Câmara Municipal de Edimburgo confirmou que adquiriu monitores portáteis de CO2 para todas as suas escolas e “está atualmente a trabalhar num programa para instalar sensores fixos de CO2 em todos os espaços de aprendizagem e ensino nas escolas”.

A preocupação é que, embora as escolas com monitores de CO2 possam agora dizer se os níveis estão muito altos na sala de aula, elas têm poucas opções para reduzir os níveis. O relatório observou que “deixar a janela aberta o tempo todo, mesmo quando não há alunos dentro, ajuda a manter os níveis baixos, mas é insuficiente quando o número de alunos em uma sala de aula é muito grande”.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

fonte bylinetimes

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem