Maceió-AL

Pesquisa vai usar medicamentos existentes para tratar pacientes com COVID-19

Veja também

Queen's University Belfast
Queen's University Belfast 


O projeto, financiado pelo Medical Research Council, reunirá especialistas do Queen's, da Universidade de Liverpool e da Universidade de Oxford. A equipe usará uma abordagem baseada em dados para identificar novas combinações de medicamentos eficazes no combate ao SARS-CoV-2, o agente causador do COVID-19. 

Nova pesquisa vai se concentrar no redirecionamento de medicamentos existentes para tratar pacientes com COVID-19



🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

      O investigador principal, Professor Ultan Power da Queen's University, explica: “Identificar e desenvolver medicamentos antivirais tem sido tradicionalmente um processo muito longo e árduo e tem sido bem sucedido apenas para um pequeno número de vírus humanos, incluindo influenza, HIV, HCV, herpes vírus, e vírus Ebola. Mais recentemente, medicamentos desenvolvidos para tratar um tipo de vírus, como o remdesivir para o Ebola, foram reaproveitados com sucesso para tratar SARS-CoV-2/COVID-19, reduzindo drasticamente o tempo de desenvolvimento para uso clínico. O rápido desenvolvimento de anticorpos monoclonais terapêuticos também teve um impacto significativo na progressão da doença COVID-19. No entanto, o recente advento da variante Omicron, que é resistente à maioria desses anticorpos, fornece evidências claras da necessidade urgente e contínua de desenvolver novos medicamentos para tratar o COVID-19.

“O reaproveitamento bem-sucedido de medicamentos existentes, sozinhos ou em combinação, acelerará muito esse processo. Portanto, nosso projeto buscará reaproveitar medicamentos que já estão em ensaios clínicos ou aprovados para uso e que demonstraram alguma atividade antiviral contra o SARS-CoV-2.  

“Nosso objetivo é identificar combinações de medicamentos reaproveitados que sejam seguras e eficazes contra o SARS-CoV-2 e adequadas para uso público. 

“Existem vários benefícios em descobrir novos tratamentos dessa maneira. Eles passaram por todas as verificações necessárias para que saibamos que são seguros e prontamente disponíveis, podem ser autoadministrados e usados ​​em casa, ajudando a reduzir a carga do sistema de saúde”. 

Apesar do desenvolvimento de vacinas e medicamentos em um ritmo sem precedentes para prevenir e tratar infecções, ainda existe uma enorme lacuna no desenvolvimento de terapias antivirais. Os medicamentos antivirais são usados ​​especificamente para tratar infecções virais, matando ou impedindo o crescimento de vírus.  

O projeto de pesquisa inicialmente rastreará 138 medicamentos com atividade antiviral conhecida contra SARS-CoV-2 para avaliar e identificar combinações que melhorem seu potencial antiviral. As combinações mais eficazes serão apresentadas a organizações nacionais, incluindo a UK Antiviral Task Force e UK-CTAP, evidenciando a necessidade de levar os tratamentos para a fase de ensaios clínicos.  

Os pesquisadores também avaliarão a probabilidade das combinações de medicamentos evocarem mutantes resistentes a medicamentos, para garantir que o surgimento de variantes resistentes a medicamentos seja minimizado.  

Além dos 138 medicamentos que estão sendo rastreados, a equipe de pesquisa usará a robusta plataforma de triagem de medicamentos em mais 4.000 medicamentos para identificar combinações de medicamentos de backup para garantir um pipeline de medicamentos antivirais contra o SARS-Cov-2 no futuro.  

O professor Power acrescentou: “Usando essa abordagem baseada em dados em um número tão grande de tratamentos antivirais em potencial, estou confiante de que temos a equipe certa para encontrar terapias combinadas seguras e eficazes para tratar o Covid-19, além de colocar implementamos os processos certos para identificar rapidamente os tratamentos para as variantes em rápida evolução que vimos surgir.” 

O professor James Stewart, da Universidade de Liverpool, disse: “Estamos entusiasmados em trazer nossa experiência e plataforma de desenvolvimento pré-clínico in vivo para trabalhar com este consórcio trazendo novos e promissores medicamentos anti-SARS-CoV-2. Estes têm o potencial de causar impacto na carga de doenças em todo o mundo”.   

O professor Miles Carroll, investigador principal da Universidade de Oxford, acrescentou: “Estamos entusiasmados por nos juntarmos a este consórcio antiviral com o objetivo final de fornecer novos candidatos a medicamentos para a Força-Tarefa Antiviral. O fato de estarmos nos concentrando nos medicamentos que já estão licenciados para uso humano significa que aqueles com atividade anti-SARS-CoV-2 significativa podem ser rapidamente avaliados em humanos, onde podem ter um impacto significativo na carga da doença na comunidade”. . 


  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>