Maceió-AL

Como os cientistas africanos estão copiando a vacina COVID da Moderna

Veja também

A desigualdade nas vacinas continua a ser um dos maiores desafios da pandemia – com apenas 10% das pessoas em países de baixa e média renda totalmente vacinadas.
Pesquisadores da Afrigen Biologics and Vaccines estão tentando replicar a vacina da Moderna. Crédito: Afrigen Biologics
Pesquisadores da Afrigen Biologics and Vaccines estão tentando replicar a vacina da Moderna. Crédito: Afrigen Biologics



Um dos maiores atrasos é a falta de capacidade de fabricação de vacinas nos países mais pobres. Mas agora, pesquisadores do centro de transferência de tecnologia da OMS concluíram a primeira etapa de um projeto destinado a aumentar a capacidade de fabricação de vacinas no Sul Global, replicando com sucesso a vacina COVID da Moderna sem assistência da empresa de biotecnologia sediada nos EUA.

Pesquisadores de uma empresa de biotecnologia sul-africana dizem que quase concluíram o processo de reprodução da vacina de mRNA da Moderna contra o COVID-19, sem o envolvimento da Moderna.


A empresa Afrigen Biologics and Vaccines, da Cidade do Cabo, produziu apenas microlitros da vacina, baseada em dados que a Moderna usou para fazer sua injeção. Mas a conquista é um marco para uma grande iniciativa lançada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – um centro de transferência de tecnologia destinado a aumentar a capacidade de fabricação de vacinas em países de baixa e média renda.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

 
Durante a pandemia de COVID-19, os desenvolvedores de vacinas de mRNA – Moderna, com sede em Cambridge, Masschusetts, Pfizer, em Nova York, e BioNTech, em Mainz, Alemanha – enviaram mais de 70% de suas doses para países ricos, de acordo com análises de distribuição de vacinas. Enquanto isso, milhões de doses compradas ou prometidas a países de baixa e média renda foram adiadas. “As vacinas da Moderna e da Pfizer-BioNTech ainda estão indo principalmente para os países mais ricos”, diz Martin Friede, funcionário da OMS que coordena o centro. “Nosso objetivo é capacitar outros países a fazer o seu próprio.”

Ainda faltam muitos passos antes que a vacina candidata de mRNA da Afrigen possa ser distribuída para pessoas na África e além, e definitivamente não ajudará a conter a pandemia este ano. Mas a OMS espera que o processo de criação estabeleça as bases para uma indústria de vacinas de mRNA mais distribuída globalmente.

Gerhardt Boukes, cientista-chefe da Afrigen – a empresa no centro do hub da OMS – orgulha-se de ter ajudado na primeira fase do plano, que incluiu a criação de RNA mensageiro que codifica uma porção modificada do coronavírus SARS-CoV-2 e encapsulando-o em uma nanopartícula lipídica que entrega a vacina às células. “Não tivemos ajuda dos principais produtores de vacinas contra a COVID”, diz ele, “então fizemos isso sozinhos para mostrar ao mundo que isso pode ser feito e feito aqui, no continente africano”.

Fonte:Nature

  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>