Maceió-AL

As 6 decisões instantâneas de Biden se a Rússia invadir a Ucrânia

Veja também

Rússia pede aos EUA que não enviem sistemas de defesa antimísseis THAAD para a Ucrânia 
 Moscou observa que a implantação desses sistemas na Ucrânia levará a situação a um impasse do qual será difícil encontrar uma saída
Um sistema de armas Terminal High Altitude Area Defense, ou (THAAD) atribuído à Task Force Talon, 94º Comando de Defesa Aérea e de Mísseis do Exército na Base da Força Aérea de Andersen, Guam, (fonte da foto US DoD)
Um sistema de armas Terminal High Altitude Area Defense, ou (THAAD) atribuído à Task Force Talon, 94º Comando de Defesa Aérea e de Mísseis do Exército na Base da Força Aérea de Andersen, Guam, (fonte da foto US DoD)




Não ignore Kiev, mas se Vladimir Putin atacar "qualquer dia" sob a cobertura de jogos de guerra na Bielorrússia a partir desta semana, o presidente Biden terá uma decisão instantânea a tomar. 

A Ucrânia não quer forças terrestres dos EUA ou da OTAN. Eles já perderam 14.000 no conflito da região leste com a Rússia e querem lutar contra a Rússia eles mesmos.   

No entanto, a Ucrânia precisará de ajuda rapidamente. Os comandantes dos EUA receberiam a notícia de um ataque russo em menos de cinco minutos.

A OTAN está pronta. é Biden?  

A resposta caótica de Biden à tomada do Afeganistão pelo Talibã ainda lança dúvidas sobre suas habilidades como comandante em chefe, e o legado da era Obama de deixar a Rússia de lado não ajuda. Não há dúvida em minha mente de que Putin foi encorajado pelo fracasso de Biden em Cabul em tentar uma estratégia de pressão máxima sobre a Ucrânia.   

Ainda assim, gostei quando Biden no domingo retrucou que "Putin quer coisas que não pode conseguir". E sua ameaça na segunda-feira de interromper o oleoduto Nord Stream 2 apoiou a "dissuasão econômica" que sua equipe prefere. 

Aqui estão algumas das escolhas de Biden. 

Fornecer informações de localização sobre as forças russas. 

Na guerra moderna, os soldados fundem dados de precisão da posição do inimigo e os entregam às forças autorizadas a atirar de volta. A Ucrânia pode usar armas antitanque e outras quando tiver dados de pistas ou alvos, e a OTAN pode ajudar.   

Biden precisa estar pronto para reagir com forças militares, porque Putin está em apuros.

Preparação  para um ataque cibernético, no campo de batalha ou em toda a Ucrânia . 

A Ucrânia pode precisar de mais ajuda se Putin tentar derrubar o governo Zelenskyy com desinformação, negação de serviço ou assaltos cibernéticos. A OTAN já está ajudando a Ucrânia com alertas cibernéticos antecipados.   

Estabelecer uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia e use a guerra eletrônica do poder aéreo da OTAN.  

Uma zona de exclusão aérea deve manter os jatos de combate e bombardeiros russos fora do espaço aéreo da Ucrânia, para que não possam fornecer cobertura às forças invasoras. Os aviões da OTAN também podem usar a guerra eletrônica para distorcer o comando e controle tático da Rússia, rompendo ligações com os drones russos de detecção de alvos, por exemplo. É especialmente importante se a Rússia disparar artilharia pesada sobre a fronteira para bombardear as forças ucranianas, como em 2014.   

Neutralizar as defesas aéreas russas. 

 A Rússia já tinha defesas aéreas móveis na Crimeia e transferiu outras para a Bielorrússia para exercícios. Mas, como Putin sabe, as aeronaves da OTAN podem empregar mísseis anti-radiação de alta velocidade e outras táticas para tornar a Rússia muito relutante em ligar os radares de defesa aérea. Não se esqueça que as aeronaves americanas, britânicas e francesas passaram direto pelas defesas aéreas russas na Síria ao atingir alvos de armas químicas em 2018. 


Autorizar as forças da Ucrânia a convocar ataques aéreos dos EUA e/ou da OTAN contra tanques, artilharia e outros ativos militares russos.

 Os EUA, Canadá e outros treinaram forças selecionadas da Ucrânia como controladores aéreos que podem convocar ataques aéreos seguindo regras rígidas de engajamento. É um passo rápido para disponibilizar uma torrente de aeronaves de ataque da OTAN. A Rússia gosta de cercar cidades e depois lançar artilharia ou ataques aéreos, como fizeram na Síria. Isso não funcionará se a Rússia não controlar o ar. 

Preparação para receber os refugiados.  

Os piores cenários podem levar os refugiados para a Polônia, Eslováquia, Hungria e Romênia, membros da OTAN, que fazem fronteira com a Ucrânia. Cuidar deles sobrecarregaria o transporte aéreo e a atenção política.   


Biden precisa estar pronto para reagir com forças militares, porque Putin está em apuros. 

De acordo com sua própria doutrina, a Rússia não quer exatamente invadir, eles preferem assustar a Ucrânia e a OTAN o suficiente para fazer Biden ceder a várias demandas.  


Uma análise da OTAN de 2019 descobriu que "a Rússia usa grandes jogos de guerra e desdobramentos nas fronteiras para intimidar... Ao demonstrar a capacidade de combater em massa rapidamente as forças ao longo de uma fronteira, esses exercícios visam incutir medo e dúvida entre as populações-alvo e seus governos". E se isso não funcionar?  

A Rússia está bem posicionada para um ataque rápido, mas saber que os EUA e a OTAN podem enviar ajuda rápida para apoiar as forças terrestres da Ucrânia pode fazer Putin pensar duas vezes.   

A Rússia está usando o acúmulo para coagir a Ucrânia e o Ocidente. Biden deve fazer Putin perceber que os EUA e a OTAN estão vigilantes e prontos para reagir – essa é a maneira mais clara de dissuadir. 

Biden viveu a Guerra Fria e a inconstância soviética. 

É hora de ele se livrar da personalidade de senador sorridente e tagarela e canalizar o presidente John F. Kennedy na crise dos mísseis cubanos de 1962; Biden tinha 19 anos na época. Tenho certeza de que ele se lembra de que foi preciso coragem fria, um bloqueio naval e um enorme poder aéreo dos EUA perto de Cuba para acabar com essa crise.
Fonte: Foxnews
Rebecca Grant é analista de segurança nacional baseada em Washington, DC Ela obteve seu Ph.D. em Relações Internacionais pela London School of Economics aos 25 anos, trabalhou para a RAND e na equipe do Secretário da Força Aérea e Chefe do Estado-Maior da Força Aérea. Desde a fundação da IRIS Independent Research, ela se especializou em pesquisa para clientes governamentais e da indústria aeroespacial, desde a análise de campanhas militares até projetos de grandes aquisições de tecnologia, como o bombardeiro B-21. Siga-a no Twitter em @rebeccagrantdc   

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>