Maceió-AL

Já temos a tecnologia para salvar a Terra de um cometa ou asteroide

Veja também


Impressão artística de um impacto de asteróide na Terra primitiva (crédito: NASA)
Impressão artística de um impacto de asteróide na Terra primitiva (crédito: NASA)


E se um asteroide de 10 km (6,5 milhas) de largura estivesse em linha reta em direção à Terra, com um impacto iminente e calamitoso a apenas seis meses de distância?


 Esse foi o cenário do recente filme da Netflix, “Don't Look Up”. O filme levou muitos a se perguntarem se temos os recursos e a tecnologia prontos e disponíveis hoje para evitar tal desastre.

Um novo artigo que analisa os aspectos técnicos de tal empreendimento diz que sim. Sim nós temos.

"Mostramos que a humanidade cruzou um limiar tecnológico para nos impedir de 'seguir o caminho dos dinossauros'", escreveram Philip Lubin e Alex Cohen, pesquisadores da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, em seu artigo publicado esta semana no Arxiv. “Mostramos que a mitigação é concebível usando a tecnologia existente, mesmo com o curto prazo de 6 meses de aviso.”

🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui

Como nota de advertência, eles acrescentaram que os dinossauros “nunca fizeram uma aula de física e não conseguiram financiar a defesa planetária”.


Este novo artigo analisa várias maneiras diferentes que foram criadas para desviar um asteroide, mas elas se concentram principalmente em vários penetradores explosivos para o método “Pulverize It” (PI).


A dupla conclui que o método mais eficaz de pulverização é o uso de pequenos dispositivos explosivos nucleares (NED) nos penetradores. Isso, combinado com ativos de lançamento de carga pesada que serão realizados em breve, como o Space Launch System (SLS) da NASA ou a Starship da SpaceX (com reabastecimento em órbita) é suficiente para mitigar essa ameaça existencial.


Schweickart enfatizou que a tecnologia necessária para desviar um asteroide existe hoje.



“Ou seja, não precisamos entrar em um grande programa de desenvolvimento de tecnologia para desviar a maioria dos asteroides que representam uma ameaça de impacto”, disse ele, mas acrescentou que a tecnologia não foi montada em um projeto de sistema, ou testou e demonstrou que poderia realmente desviar um asteroide.

Mas isso está para mudar. No final do ano passado, a NASA lançou o Double Asteroid Redirection Test (DART), a primeira missão de teste de defesa planetária. Ele demonstrará que uma espaçonave pode navegar de forma autônoma e realizar um impacto cinético em um asteroide alvo relativamente pequeno. Isso testará se esta é uma técnica viável para desviar um asteroide genuinamente perigoso.

Embora um evento de “assassino de planetas” seja bastante raro, da ordem de uma vez a cada 100 milhões de anos, é provável que seja uma questão de quando, não se.

O artigo de Lubin e Cohen observa que uma ameaça dessa magnitude atingindo a Terra a uma velocidade de fechamento de 40 km/s teria uma energia de impacto de aproximadamente 300 Teratons TNT, ou cerca de 40 mil vezes maior que o atual arsenal nuclear combinado do mundo inteiro.


“Embora os números possam parecer assustadores, não está fora do campo de possibilidade, mesmo neste ponto do desenvolvimento tecnológico humano”, disseram Lubin e Cohen. “Isso nos dá esperança de que um sistema de defesa planetário robusto seja possível mesmo para ameaças existenciais de curto prazo, como descrevemos. Idealmente, nunca estaríamos nesta situação, mas é melhor estarmos prontos do que mortos.”

Fonte:
Philip Lubin e Alex Cohen, pesquisadores da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, em seu artigo publicado esta semana no Arxiv.

  🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>