Maceió-AL

Ensaio sobre pandemias e seus escritores : Shakespeare, A .Camus,Orlando Pardo, Seidel, entre outros

Veja também

 
Albert Camus
Albert Camus

Há uma boa lista de escritores que, ao longo dos tempos, sofreram pandemias e contaram suas histórias: William Shakespeare, Albert Camus, Carlos Orlando Pardo, Oscar Seidel, entre outros.

 O objetivo deste ensaio é descrever como a contaminação por doenças afetou e continua afetando o mundo.


Albert Camus (foto) foi um romancista, dramaturgo, ensaísta e filósofo francês.


 Ele é considerado o pai do "absurdo". Em 1957 foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura. “Há causas pelas quais vale a pena morrer, mas nenhuma pelas quais vale a pena matar”, disse Camus.


Os clássicos do escritor inglês William Shakespeare 

Argumento uno

Os clássicos do escritor inglês William Shakespeare fazem parte da literatura de todos os tempos. Algumas de suas grandes tragédias foram escritas em plena peste e reclusão na Inglaterra, onde se destaca a lucidez do autor.

Londres na época de Shakespeare era uma cidade superlotada, cheia de ratos, sexualmente promíscua e fedorenta. O esgoto, assim como todos os resíduos da cidade, eram despejados diretamente no Tamisa. Os ratos circulavam livremente, muitas vezes causando grandes epidemias de peste bubônica, principalmente no verão, quando a corte se retirava com cautela para o campo. As outras doenças endêmicas ou epidêmicas foram a varíola, que afetou a rainha aos 29 anos e a obrigou a usar uma maquiagem de carbonato de chumbo e ovo, o que entre outras coisas fez com que ela perdesse os cabelos. A sífilis, cujo tratamento era pior do que o envenenamento por chumbo da rainha, consistia em inalar vapores de mercúrio; tifo e malária.

Nesse ambiente, não é de se estranhar que Shakespeare alude, descreva ou use como argumento de suas obras essas doenças, que até o afetaram diretamente, pois, durante epidemias de peste, teatros foram fechados, causando grandes prejuízos às empresas. Em "Rei Lear", ele atribui a uma de suas filhas perversas, Goneril, todos os tipos de males com estas palavras: "Você é um tumor, uma úlcera pestilenta, um carbúnculo inchado em meu sangue corrompido" (Ato 2, cena 4) . Em "A Tragédia de Romeu e Julieta" a epidemia de peste desempenha um papel fundamental, pois, devido à quarentena de Verona, a carta de Frei Lorenzo nunca chega a Romeu:

-Fray Juan: “Indo em busca de um irmão de nossa ordem que estava nesta cidade visitando os enfermos para me acompanhar, e quando os guardas da cidade o encontraram, sob a suspeita de que nós dois tínhamos estado em uma casa onde reinava a peste, eles lacrou as portas e não nos deixou sair. "

-Fray Lorenzo: "Quem então levou minha carta a Romeu?"

-Fray Juan: "Não pude mandar nem encontrar mensageiro para trazê-lo, tais temores foram espalhados por todos."

-Fray Lorenzo: "Sorte fatal!" Era tarde demais e a Yersinia pestis selou para sempre o destino dos amantes de Verona.

Franco-argelino, Albert Camus publicou "La Peste" em 1947


Argumento dois

O escritor franco-argelino Albert Camus publicou "La Peste" em 1947. Passado em Oran, narra a devastação de uma epidemia causada por ratos que causa centenas de mortes todos os dias. A disseminação irrefreável da doença levará as autoridades a impor um isolamento severo. Tudo começa no dia 16 de abril. Naquela época, Oran era uma cidade com uma vida agitada. Quase ninguém percebe o estoque dos outros. Seus habitantes não têm senso de comunidade. Eles não são cidadãos, mas indivíduos que economizam horas de sono para acumular bens.

Camus descreve em "La Peste" seu tempo e sua terra natal, mas seu romance transcende seu quadro temporal e geográfico, adquirindo o posto de uma metáfora universal. Suas reflexões são particularmente iluminadoras nos dias de hoje. Camus lembra que a eclosão de uma epidemia letal nos faz meditar na hora certa. O tempo não nos convém. Somos nós que devemos aprender a experimentá-lo em toda a sua plenitude. Albert Camus pensa que Deus não existe, que a fé é uma expressão de impotência, mas pensa que o cepticismo não nos tornou mais livres. Isso apenas nos deixou mais desamparados. A capacidade de sacrifício do Dr. Rieux, protagonista de La Peste, mostra que atribuímos uma importância excessiva a nós próprios. A grandeza do ser humano está em sua capacidade de amar, não em sua ambição pessoal. Camus pensa que o mal e a indiferença são mais abundantes do que as boas ações. O homem não é mau por natureza, mas seu conhecimento das coisas é deficiente. Seus atos mais perversos vêm da ignorância.


Tolima, Carlos Orlando Pardo, narra 100 contos sobre o Coronavírus

Argumento três

O escritor de Tolima, Carlos Orlando Pardo, narra 100 contos sobre o Coronavírus, publicados em um livro digital de 121 páginas intitulado "Os tempos do confinamento" pela Editorial Pijao Editores. Atrevo-me a chamá-lo de "Crônica de um confinamento forçado" porque as histórias não têm nomes, mas narram o dia-a-dia de um escritor preso por uma praga não anunciada. Desde o primeiro dia da crônica, eu, como leitor, interpreto que o autor faz o símile entre o gato e o rato, onde o leitor imediatamente imagina quem vai perder se cair nas garras do felino Covid-19.

Ao chegar nas primeiras 25 histórias do confinamento, o escritor reflete e acredita que todos os ratos começaram a entender o mundo e a vida de uma forma diferente, e aqueles que quiseram escapar da ratoeira tiveram que se afastar, mudar algumas coisas em seu ser, e evitar o vírus gato.

Ao se aproximar do meio da crônica, o rato narrador sente saudades dos melhores tempos que viveu e o misticismo o apanha por se lembrar de Deus. Ele lembra os tempos em que as pragas vinham às dezenas, às vezes apenas sete, e os bons milagres tinham outro significado. Momentos em que Deus providenciou e era verdade, e os mares se abriram, os cegos podiam ver e a magia reinava. Claro que houve traidores como agora, porque Judas está encarnado em todos os tempos, e eles lavam as mãos enquanto o crucificado pede água e eles lhe dão de beber o vinagre.

Ao se aproximar do terceiro quarto das 100 histórias, o rato se solidariza com os outros animais do zoológico e diz que a fome e o abandono foram os únicos visitantes durante a temporada de pandemia. Os vizinhos não conseguem dormir por causa dos gritos dos animais enjaulados sem provar a comida, e não é necessário aumentar os temores do vírus, mas sim do assalto e do roubo dos outros prisioneiros. Sob seus ambientes artificiais, em uma montagem hollywoodiana, eles dão saltos acrobáticos em busca de fuga atrás de uma presa. Outros estão deitados no chão com olhos tristes esperando a morte.

Ao final dos 100 contos, o escritor recebe uma mensagem otimista de sua mãe, na qual ela lhe conta que este país viveu uma epidemia mais selvagem do que a atual: a praga da violência. Ela diz a ele que sua família a enfrentou bravamente e que eles também foram presos por medo de serem mortos. Ele aconselha a não ser covarde, o tempo passa sem que percebamos porque tudo é passageiro e o que começa acaba. O vírus do gato logo irá embora e os ratos viverão mais calmos, mas com o ensino de que nossas vidas mudaram.


 Oscar Seidel - “O doce cheiro de Puerto Perla” é o romance mais conhecido do escritor colombiano

Argumento quatro

“O doce cheiro de Puerto Perla” é o romance mais conhecido do escritor colombiano Oscar Seidel. O romance foi escrito durante dois anos, entre 2016 e 2018, em Cali, e foi publicado pela primeira vez em 28 de agosto de 2018 em Madrid, Espanha. A ideia original para este trabalho surgiu em 2016 como um conto intitulado “O ambiente pesa”.

A primeira edição de "O doce cheiro de Puerto Perla" foi publicada pelo Grupo Editorial Sial Pigmalión da Espanha, dirigido por Basilio Rodríguez Cañada, que abriu a coleção Sial / Casa de África, que incluiu escritores do Pacífico colombiano e da Guiné Equatorial. O livro é composto por vinte e seis capítulos sem título, nos quais uma história é contada com uma estrutura temporal cíclica, uma vez que os acontecimentos do porto, assim como os nomes dos personagens, se repetem indefinidamente, fundindo fantasia com fantasia. realidade. Nos três primeiros capítulos, o apelo que Jazmín, um vizinho do bairro Las Flores, faz ao deputado municipal, para tentar fazer algo pelo bem da comunidade: "Há um cheiro em Puerto Perla que nos desespera" ,

Também aparecem Memo, Fausto e Manolo, três velhos que, por sua linguagem contundente, todos em Puerto Perla os temem. Aposentados, com mais de oitenta anos cada um, se reúnem no parque para conversar sobre o que está acontecendo na cidade e relembrar sua história. Nos primeiros capítulos eles investigam de onde vem aquele cheiro que transformou o ambiente, que segundo eles causou mudanças no humor das pessoas, causou mal-estar estomacal nas crianças e diminuiu o desejo sexual dos homens. Do capítulo quatro ao vinte e quatro discute-se o desenvolvimento econômico, político e social do porto e os dois últimos capítulos narram sua extinção.

Oscar Seidel investigou muita história, desde os povos indígenas Tumac que foram os primeiros colonizadores do Pacífico sul. Em seguida, ele analisou a chegada da invasão dos castelhanos. Finalmente, ele incorporou elementos dos mitos e visões dos negros. Ele procurou informações por escrito sobre as pandemias e desastres naturais que atingiram a Tumaco. Este romance é premonitório do Coronavírus, pois fazia dois anos que ele o escrevia e já falava da praga que atingiu o porto, dos isolamentos e saneamento com ervas medicinais.

Para a novela "O doce cheiro de Puerto Perla", ele aproveitou o enredo da passagem histórica do porto de Tumaco, também conhecido como La Perla del Pacífico, um lugar onde a ficção se concretiza em um clássico da literatura universal, "La Náusea ”De Sartre, usada mais como antinomia, já que em Puerto Perla todos estão cientes daquele mau cheiro que acaba afugentando todos os seus habitantes, ao contrário da burguesia descrita por Sartre, já que acabam por não perceber a realidade que os circunda ; como em "La Peste" de Camus, onde a trama evidencia a falta de moral universal, manifestada em políticos que acabam por não saber a origem do mau cheiro, desviando recursos, roubando o que pouco resta do dinheirinho público, quando na verdade o a peste emana de seus próprios corpos.

Oscar Seidel

Oscar Seidel foi muito inspirado pelo mexicano Juan Rulfo. A epígrafe do livro é retirada de seu romance "Pedro Páramo". Sintetiza o fim de uma cidade onde o narcotráfico, o paramilitarismo e a corrupção se somam a um fedor nauseante que invade todas as ruas, que ninguém sabe de onde vem e que obriga o Governo Nacional a encontrar uma forma de o combater. O diálogo de Rulfo que serve de epígrafe ao livro "O doce cheiro de Puerto Perla", prevê o fim que a cidade tem no romance. Um homem pergunta por que Comala parece tão solitário, como se tivesse sido abandonado. A resposta que você recebe é: “Isso mesmo. Ninguém mora aqui ”. A partir desse momento o leitor identifica uma cidade que, devido aos assassinatos e aos maus cheiros, é abandonada pelos seus habitantes. Outra forte influência de Rulfo é que ele fez os mortos falarem,

De onde vem esse cheiro que invade as ruas de Puerto Perla? O prefeito disse em uma reunião que pode ser algo levado pela chuva que caiu naquela semana. O Chefe da Saúde acha que pode ter sido causado por uma maré alta que entrou nas palafitas. Os mais velhos do parque contam que La Ñoca, uma mulher que nunca tomava banho, passava dez anos sem escovar os dentes e era caracterizada por cheiros ruins, conseguiu trazê-la. A mulher estava desaparecida há vários anos. Mas aquele fedor persistente faz as pessoas pensarem que ele reapareceu. Era uma mulher cujo nariz foi deformado pela pandemia de Pián. Ele dormiu em um banco da praça. Devido aos cheiros que exalava uma tarde, o carrinho de lixo o levou. Desde aquele dia, ninguém mais ouviu falar dela.

Em conversa, o Delegado da Saúde lembra ao prefeito como combateram a praga do mau cheiro nas axilas que outrora vivia a população. Ele então recomenda a uma mulher, segundo ele, uma doutora em aromaterapia, para dar-lhes "aconselhamento olfativo". A senhora extraía a fedentina fumigando as casas "com a queima de uma mistura de zimbro, tomilho, bálsamo e âmbar". Contratada por 25 milhões de pesos, ela organizou fogueiras que eram acesas em pontos estratégicos. O mau cheiro não foi embora. Mas o prefeito colocou dez por cento do contrato em seu bolso.

O mau cheiro que atravessa o nariz dos habitantes de Puerto Perla deve ser interpretado no romance como uma metáfora de sua realidade. O narrador que aparece esporadicamente no texto conta que, à noite, as almas percorrem suas ruas. Ele o narra em uma prosa que, no entanto, a economia narrativa retrata seu ambiente com pinceladas afortunadas, o último agente viajante a visitar Puerto Perla enlouquece "por causa do silêncio que reina no lugar".

O fedor que obriga as pessoas a deixar a cidade também é produzido pela corrupção. O prefeito se enriquece com a adjudicação de contratos a seus amigos sem cumprir os requisitos legais. E um promotor recebe seiscentos milhões de pesos para reprovar um processo a favor de um traficante de drogas.

O único que não sente esses fedores é o Raja-muertos, um homem cujo cheiro foi anestesiado de tanto conviver com os mortos. Durante vários anos foi o responsável pela autópsia das vítimas de violência, que enterrou no seu cemitério, instalado num lote do concelho de que se apropriava. Cheiro que os bisbilhoteiros também atribuem a Merejo, personagem que um dia encontrou uma guaca. Havia uma ferida purulenta na minha perna que exalava um cheiro ruim. Ele havia sido enterrado naquela semana no cemitério Raja-muertos. "

No final, o porto se tornou um hospital cercado por água podre e fétida por toda parte.

conclusão


As pandemias nunca terão fim, mas não faltará a imaginação dos escritores para descrever seus terríveis resultados.

Fonte :El expectador

 Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>