Maceió-AL

O que a variante Omicron significa para a economia mundial

Pouco mais de um ano após o primeiro sucesso de uma vacina covid-19 em um ensaio clínico, uma sensação de pavor atingiu grande parte do mundo. A variante Omicron do coronavírus, identificada publicamente pela primeira vez em 24 de novembro, pode ser capaz de contornar as defesas criadas pela vacinação ou infecção com covid-19. A Organização Mundial da Saúde declarou que o Omicron representa um risco global “muito alto”. O chefe da Moderna, uma fabricante de vacinas, alertou que os jabs existentes podem lutar contra a nova variante com muitas mutações. Diante da terrível perspectiva de ainda mais bloqueios, fronteiras fechadas e consumidores nervosos, os investidores reagiram vendendo ações de companhias aéreas e cadeias de hotéis. O preço do petróleo caiu cerca de US $ 10 o barril, o tipo de queda frequentemente associada a uma recessão iminente.

Coloração por imunofluorescência de células infectadas com Omicron em Hong Kong

Coloração por imunofluorescência de células infectadas com Omicron em Hong Kong


Como explicamos esta semana , é muito cedo para dizer se as 35 mutações na proteína spike do Omicron ajudam a torná-la mais infecciosa ou letal do que a cepa Delta dominante. À medida que os cientistas analisam os dados nas próximas semanas, o quadro epidemiológico ficará mais claro. Mas a ameaça de uma onda de doenças se espalhando de um país para outro está mais uma vez pairando sobre a economia mundial, ampliando três perigos existentes.

Três cenários Omicron para a economia global



Ninguém sabe se a nova variante será mais transmissível ou se dará um golpe significativo nas vacinas atuais. Estes são os melhores e piores resultados para a economia global

Neste artigo

Cenário 1: Omicron otimista
Cenário 2: Omicron 'difícil', mas não um 'desastre'
Cenário 3 - Omicron desfere um golpe significativo para a recuperação


Muito pouco se sabe sobre a nova variante Omicron, até o momento. Os dados são escassos, mas sabemos que o que acontece a seguir depende muito de duas questões principais. Em primeiro lugar, o vírus é mais transmissível, como alguns relatórios iniciais sugeriram? E em segundo lugar - talvez mais importante para as perspectivas econômicas, pelo menos - quão resistente é a nova variante às vacinas e à imunidade pré-existente?

Mapeamos três cenários com base nas respostas a essas perguntas.

Três cenários Omicron para a economia global


Cenário 1: Omicron otimista

Omicron prova ser uma 'tempestade em uma xícara de chá'. Ou porque ele não consegue se firmar sobre a Delta - algo que vimos com a variante Beta no início do ano - ou, na verdade, porque reduz o nível de ameaça do Covid-19 ao diminuir as chances de doenças graves.

Isso é semelhante ao nosso caso-base anterior, e aqui os bancos centrais continuam com seus planos de restrição. O Federal Reserve acelera sua redução em dezembro e se prepara para três aumentos de taxas em 2022. Os bloqueios esporádicos do delta reduzem o crescimento da zona do euro durante o Natal e no início do novo ano, mas a situação melhora durante a primavera. O Banco Central Europeu começa a diminuir em meio à crescente cautela em relação à inflação. O Banco da Inglaterra inicia seu ciclo de alta de taxas neste mês.

Cenário 1 - Nível do PIB real (Q419 = 100)

Cenário 2: Omicron 'difícil', mas não um 'desastre'
Este é vagamente nosso caso básico. Ele assume que os primeiros sinais estão corretos de que o Omicron tem uma vantagem de transmissão. Isso significa que uma parcela maior da população precisa de imunidade para manter o vírus sob controle. Na prática, esse limite já era muito alto no Delta, mas os países com menor aceitação da vacina em grupos vulneráveis ​​enfrentam um desafio maior. 

A eficácia da vacina também sofre um golpe, embora, como vimos com a variante Delta, os jabs atuais ainda forneçam proteção forte (se reduzida) contra doenças graves, mesmo que sejam muito menos propensos a impedir que você pegue Covid por completo.

Para a economia mundial, a experiência da onda Delta no verão passado oferece algumas pistas. A Omicron não ajuda a Europa em um momento de aumento de casos e oferece mais justificativa para uma ação mais agressiva no período que antecede o Natal. Mas as altas taxas de vacinas e a chegada de reforços significam que o continente (incluindo o Reino Unido) sai mais leve do que outras partes do mundo. A 'confiança no vírus' do consumidor (por exemplo, apetite por socialização) não precisa ser prejudicada permanentemente, presumindo-se que as vacinas ainda ofereçam alguma proteção razoável.

O efeito pode ser um pouco mais perceptível nos EUA, mesmo que a barreira para bloqueios seja muito maior. Taxas de vacinação mais baixas (principalmente entre grupos vulneráveis) podem significar que a confiança cai e os níveis de atividade são prejudicados, como vimos com a Delta. Enquanto isso, na Ásia, a Omicron impede a mudança do Covid-zero, especialmente na China. A recuperação das cadeias de abastecimento está ainda mais atrasada.

Os bancos centrais provavelmente 'esperarão para ver' em dezembro, até porque pode levar semanas até sabermos com o que estamos lidando. Mas a inflação continua na frente e no centro, então ainda devemos esperar algum aperto da política monetária no próximo ano.

Cenário 2 - Nível do PIB real (Q419 = 100)

Cenário 3 - Omicron desfere um golpe significativo para a recuperação
Este é o cenário com o qual os mercados se preocuparam pela primeira vez quando a notícia da Omicron apareceu pela primeira vez. As vacinas são significativamente piores em impedir doenças graves, tornando a Europa e os EUA especialmente vulneráveis ​​a um novo aumento nas hospitalizações, em comparação com nossos outros cenários. Também estamos assumindo que o Omicron acaba sendo mais mortal também.

Os países que confiaram mais nas vacinas até agora aumentam as restrições. A Europa retorna aos bloqueios no primeiro trimestre, assim como partes dos Estados Unidos.

Dito isso, é improvável que o impacto econômico seja tão ruim quanto no inverno passado. A maioria dos cientistas concorda que as vacinas atuais ainda farão alguma coisa, mesmo que consideravelmente menos do que contra o Delta. E sabemos com razoável certeza que uma nova vacina pode ser produzida, embora não seja lançada muito antes do verão em grande número. Novos tratamentos antivirais também ajudarão.

Os protestos na Europa também apontam para um certo 'cansaço do vírus', tornando politicamente desafiador para os governos manter restrições rígidas até o ano passado. A segunda onda no início de 2021 também mostrou que as empresas estão mais preparadas para restrições mais rígidas do que quando a Covid chegou. Isso provavelmente é ainda mais verdadeiro agora.

Em suma, esperamos uma queda no PIB do primeiro trimestre nas principais economias desenvolvidas, embora não tão profunda como no início de 2021. Mas a recuperação subsequente pode ser gradual. Um Omicron resistente à vacina atua como um alerta de que, sem uma capacidade de fabricação de vacina mais difundida, as variantes futuras poderiam causar golpes semelhantes nos invernos subsequentes.

As empresas começam a levar isso em consideração em suas decisões de negócios, limitando seu apetite para investir. Os consumidores procuram manter os níveis de economia mais elevados, em antecipação a turbulências futuras. O impulso de crescimento geral se mostra mais fraco até 2022, em comparação com as rápidas recuperações que vimos no segundo trimestre de 2021.

Cenário 3 - Nível do PIB real (Q419 = 100)


Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem