Maceió-AL

Variantes de vírus ameaçam a recuperação global, alerta G20

Veja também

VENEZA, Itália (Reuters) -Um aumento de novas variantes do coronavírus e o acesso precário a vacinas nos países em desenvolvimento ameaçam a recuperação econômica global, alertaram os ministros das finanças das 20 maiores economias do mundo no sábado.
logo ar news
logo ar news


A reunião do G20 na cidade italiana de Veneza foi a primeira reunião presencial dos ministros desde o início da pandemia. As decisões incluem o endosso de novas regras destinadas a impedir que as multinacionais transfiram os lucros para paraísos fiscais de baixa renda.

Isso abre caminho para que os líderes do G20 finalizem uma nova alíquota tributária corporativa mínima global de 15% em uma cúpula em Roma em outubro, uma medida que pode recuperar centenas de bilhões de dólares para tesouros públicos sob a crise do COVID-19.

Um comunicado final disse que as perspectivas econômicas globais melhoraram desde as negociações do G20 em abril, graças ao lançamento de vacinas e pacotes de apoio econômico, mas reconheceu sua fragilidade em face de variantes como o Delta que se espalha rapidamente.

"A recuperação é caracterizada por grandes divergências entre e dentro dos países e continua exposta a riscos negativos, em particular a disseminação de novas variantes do vírus COVID-19 e diferentes ritmos de vacinação", diz o documento.

Embora os países do G20 tenham prometido usar todas as ferramentas políticas para combater o COVID-19, os anfitriões italianos da reunião disseram que também havia um acordo para evitar a imposição de novas restrições às pessoas.

"Todos concordamos que devemos evitar a introdução de novas restrições ao movimento dos cidadãos e ao modo de vida das pessoas", disse o ministro da Economia italiano, Daniele Franco, cujo país detém a presidência rotativa do G20 até dezembro.

O comunicado, embora enfatize o apoio à "partilha global equitativa" de vacinas, não propôs medidas concretas, apenas reconhecendo uma recomendação de US $ 50 bilhões em financiamento de novas vacinas pelo Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial, Organização Mundial da Saúde e Organização Mundial do Comércio.

As diferenças nos níveis de vacinação entre ricos e pobres do mundo permanecem enormes. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, chamou a divergência de "ultraje moral" que também prejudica os esforços mais amplos para controlar a disseminação do vírus.

Embora alguns dos países mais ricos já tenham dado a mais de dois terços de seus cidadãos pelo menos uma injeção de vacina, esse número cai para bem menos de 5% em muitas nações africanas.

Brandon Locke, do grupo de saúde pública sem fins lucrativos ONE Campaign, denunciou o que descreveu como a inação do G20, chamando-a de "uma situação em que todos perdem".

“Não só custará vidas nos países mais pobres, como também aumenta o risco de novas variantes que causem estragos nos mais ricos”, disse ele.

A Itália disse que o G20 retornará à questão do financiamento de vacinas para os países pobres antes de uma cúpula em Roma em outubro e que novas variantes é uma área que precisa ser analisada. Não deu mais detalhes.

"Devemos concordar com um processo para que todos no planeta possam ter acesso às vacinas. Se não o fizermos, o FMI prevê que a economia global perderá US $ 9 trilhões", disse a organização de desenvolvimento religioso Jubilee USA Network.

Ele se referia a uma previsão do FMI de que a cooperação internacional em vacinas COVID-19 poderia acelerar a recuperação econômica mundial e adicionar US $ 9 trilhões à receita global até 2025.

FISCALIZAÇÃO DE IMPOSTOS

Uma contagem da Reuters de novas infecções por COVID-19 mostra um aumento em 69 países, com
a taxa diária apontando para cima desde o final de junho e agora chegando a 478.000. https://graphics.reuters.com/world-coronavirus-tracker-and-maps

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse que o mundo está enfrentando "uma piora na recuperação de duas vias", em parte devido às diferenças na disponibilidade da vacina.

A maior iniciativa política nas negociações foi um acordo bem sinalizado sobre a alíquota global do imposto corporativo, encerrando oito anos de disputas sobre o assunto.

Definir um piso de 15% tem como objetivo impedir que as multinacionais busquem a taxa de imposto mais baixa. Também mudaria a forma como empresas como a Amazon e o Google são tributadas, baseando-se parcialmente em onde vendem produtos e serviços, e não na localização de suas matrizes.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que qualquer país que se oponha a ele será encorajado a se inscrever até outubro.

“Vamos tentar fazer isso, mas devo enfatizar que não é essencial que todos os países estejam a bordo”, disse ela, acrescentando que o acordo inclui mecanismos contra o uso de paraísos fiscais em qualquer lugar.

Os membros do G20 respondem por mais de 80% do produto interno bruto mundial, 75% do comércio global e 60% da população do planeta, incluindo os grandes sucessos dos Estados Unidos, Japão, Grã-Bretanha, França, Alemanha e Índia.

Além dos redutos da União Europeia Irlanda, Estônia e Hungria, outros países que não assinaram incluem Quênia, Nigéria, Sri Lanka, Barbados e São Vicente e Granadinas.

O comissário de Economia da UE, Paolo Gentiloni, disse a repórteres que ainda havia discussões sobre qual nível de lucro de uma empresa deveria ser tributado em nível nacional, e se outros setores além de serviços financeiros e mineração deveriam ser isentos.

Entre outros pontos difíceis, uma briga no Congresso dos EUA sobre os aumentos de impostos planejados do presidente Joe Biden sobre empresas e americanos ricos pode causar problemas, assim como um plano separado da UE para um imposto digital sobre empresas de tecnologia.

As autoridades do G20 pediram ao Fundo Monetário Internacional "para apresentar rapidamente opções viáveis" para os países ricos canalizar parte de uma emissão de US $ 650 bilhões de reservas de moeda do FMI para os países mais pobres.

Eles quase não endossaram a meta de US $ 100 bilhões do FMI para a transferência de Direitos Especiais de Saque para países necessitados, mas pediram contribuições de todos os países capazes para atingir "uma meta ambiciosa".

(Reportagem adicional de Christian Kraemer, Francesco Guarascio, David Lawder e Angelo AmanteEscrita por Mark JohnEditing por Gareth Jones, Pravin Char e Christina Fincher)

Por Gavin Jones e Leigh Thomas


© Reuters 2021
Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>