Maceió-AL

OPAS: Novos casos de COVID-19 em muitos países das Américas

Veja também

coronavírus
coronavírus


Novos casos de COVID-19 aumentaram na América Central, Caribe e alguns países da América do Sul na semana passada, informou Carissa F. Etienne, Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).   


“Os casos aumentam quando a complacência se instala”, alertou ela durante uma coletiva de imprensa. 

“Estamos todos cansados, mas depois de experimentar picos sucessivos de infecções nos mesmos locais, devemos quebrar esse ciclo adotando medidas de saúde pública de forma precoce e consistente.”   
Os casos estão aumentando nos países da América Central, incluindo El Salvador e Guatemala, onde as mortes por COVID também aumentaram. Novas infecções estão aumentando no Caribe, onde Cuba relatou o maior número de casos semanais desde o início da pandemia. Nas Ilhas Virgens Britânicas, os casos triplicaram nas semanas após a reabertura dos navios de cruzeiro. E no México e nos Estados Unidos, as infecções estão aumentando.   
Mas criando um “quadro misto” da trajetória do vírus, as novas infecções por COVID-19 diminuíram em geral em quase 20% nas Américas na semana passada, à medida que a pandemia diminuía em grande parte da América do Sul. “As infecções, hospitalizações e mortes por COVID estão diminuindo na maior parte do continente, incluindo Brasil, Peru, Uruguai e Chile”, disse Dra. Etienne.   
Ela acrescentou, no entanto, que os casos estão aumentando na Argentina e atingindo seus níveis mais altos na Colômbia, “levantando preocupações sobre a capacidade do sistema de saúde de lidar com 98% dos leitos de UTI já em uso”.   
“Quando as variantes de preocupação circulam”, ela continuou, “é ainda mais importante que os países intensifiquem a vigilância, especialmente enquanto a cobertura vacinal permanece baixa”. 
No total, as Américas relataram quase 74 milhões de casos de COVID-19 e 1,9 milhões de mortes - mais de um terço dos casos de COVID e mais de 40% das mortes relatadas globalmente.   
O Dr. Etienne também alertou que a pandemia está criando graves impactos sociais e econômicos.   
“A COVID-19 não apenas devastou nossos sistemas de saúde, mas também fraturou programas de proteção social e desestabilizou nossas economias”, disse ela, chamando a atenção para um novo estudo da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). O estudo informou que mais de 7 milhões de empresas fecharam em meio à pandemia.   
“Instamos os países a continuar priorizando as redes de saúde e segurança social como parte de sua resposta ao COVID e conforme eles voltem seus olhos para a recuperação do COVID”, acrescentou ela.   
Compromisso da OPAS com o Haiti   
O Dr. Etienne expressou particular preocupação com o Haiti, onde “milhares de pessoas” foram deslocadas pela violência e instabilidade e “abrigos lotados podem se tornar pontos ativos para a transmissão de COVID”.   
“A OPAS, junto com outros parceiros, está empenhada em apoiar o povo haitiano nestes tempos de incerteza e insta outras organizações internacionais a se juntarem a nós no apoio à resposta do COVID”, disse ela.  
Nas últimas semanas, a OPAS entregou equipamentos de proteção individual ao Haiti, ajudou a expandir o atendimento aos pacientes com COVID-19 e forneceu milhares de testes e materiais de laboratório. A OPAS também ajudou a treinar trabalhadores comunitários de saúde e apoiou o Ministério da Saúde na preparação para a introdução da vacina e no estabelecimento de novos sistemas para dissipar rumores.   
Acesso a vacinas   
As vacinas continuam inacessíveis para muitos na América Latina e no Caribe.   
“O dinheiro, mais do que a saúde pública, determinou a rapidez com que os países podem obter as ferramentas de que precisam para combater esse vírus”. “À medida que os países que fecharam acordos com os fabricantes de vacinas avançam, a cobertura da vacinação continua na casa de um dígito em grande parte de nossa região”.   
Enquanto 58% da população do Chile está totalmente protegida contra COVID e no Uruguai 55% está protegida, o Paraguai e a Jamaica vacinaram totalmente menos de 3% de suas populações. Honduras e Guatemala ainda não vacinaram 1% de suas populações.   
Chamando a atenção para a doação do governo dos EUA de quase 12 milhões de doses de vacinas para países nas Américas. Etienne disse que mais estão a caminho com a ajuda da OPAS.   
“Essas vacinas estão trazendo esperança para países que, de outra forma, teriam que esperar meses para garantir até mesmo uma fração dessas doses”, disse ela. “É por isso que continuamos a instar os doadores e países com vacinas excedentes a compartilhá-las com nossa região. Esta continua a ser a única maneira de muitos países em nossa região garantirem as doses de que precisam, rapidamente. ”

Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>