{ads}

Mistura de vacinas : AstraZeneca seguida pela dose da Pfizer é segura e eficaz

Leia outros artigos :

Estudo espanhol concluiu que a vacina AstraZeneca seguida pela dose da Pfizer é segura e eficaz
mistura de doses de vacina
mistura de doses de vacinas


Ter, 18 de maio de 2021

MADRID (Reuters) -Um estudo espanhol sobre a mistura de vacinas COVID-19 descobriu que dar uma dose do medicamento da Pfizer a pessoas que já receberam a primeira injeção da vacina AstraZeneca é altamente seguro e eficaz, resultados preliminares mostraram na terça-feira.


O estudo Combivacs, conduzido pelo Instituto de Saúde Carlos III, da Espanha, descobriu que a presença de anticorpos IgG na corrente sanguínea era entre 30 e 40 vezes maior em pessoas que receberam a injeção de Pfizer de acompanhamento do que em um grupo de controle que recebeu apenas uma. Dose de AstraZeneca.


Enquanto isso, a presença de anticorpos neutralizantes aumentou sete vezes após uma dose de Pfizer, significativamente mais do que o efeito de duplicação observado após uma segunda injeção de AstraZeneca.


Cerca de 670 voluntários com idades entre 18 e 59 anos que já haviam recebido a primeira dose da vacina da AstraZeneca participaram do estudo, com cerca de 450 recebendo uma dose da Pfizer.


Apenas 1,7% dos participantes relataram efeitos colaterais graves, que se limitaram a dores de cabeça, dores musculares e mal-estar geral, disse a Dra. Magdalena Campins, uma das líderes do estudo.


“Estes não são sintomas que podem ser considerados graves”, disse ela.


Em um estudo "mix-and-match" do Reino Unido, as primeiras descobertas recentemente mostraram que as pessoas vacinadas com uma injeção da vacina da Pfizer seguida por uma dose da AstraZeneca, ou vice-versa, eram mais propensas a relatar sintomas leves ou moderados, como dores de cabeça ou calafrios do que se eles recebessem dois do mesmo tipo. Dados sobre as respostas imunológicas são esperados nos próximos meses.


A Espanha embarcou no estudo para determinar a melhor forma de proceder depois de limitar a injeção de AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos devido a preocupações com a coagulação do sangue em pessoas mais jovens.


Essa restrição causou incerteza generalizada e fez com que algumas pessoas mais jovens que já haviam recebido a primeira dose fossem impedidas de receber uma segunda.


"Os resultados de hoje apóiam a possibilidade de vacinar os pacientes que receberam a primeira dose da AstraZeneca, mas a decisão não cabe aos investigadores deste estudo", disse Jesus Antonio Frias, diretor clínico da Carlos III.


(Reportagem de Nathan Allen, edição de Inti Landauro e Chizu Nomiyama)

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.