{ads}

Em 2016 , o maior caso de suborno estrangeiro na história dos EUA - caso Odebrecht e Braskem

Leia outros artigos :

Odebrecht e Braskem em 2016 se declaram culpadas e concordam em pagar pelo menos US$ 3,5 bilhões em penalidades globais para resolver o maior caso de suborno estrangeiro da história
Departamento de Justiça dos EUA 


A Odebrecht SA (Odebrecht), um conglomerado global de construção com sede no Brasil, e a Braskem SA (Braskem), uma empresa petroquímica brasileira, se declararam culpadas hoje e concordaram em pagar uma multa total combinada de pelo menos US$ 3,5 bilhões para resolver acusações com autoridades nos Estados Unidos. Estados Unidos, Brasil e Suíça resultantes dos seus esquemas para pagar centenas de milhões de dólares em subornos a funcionários governamentais em todo o mundo. 

O procurador-geral adjunto Sung-Hee Suh da Divisão Criminal do Departamento de Justiça, o procurador dos EUA Robert L. Capers do Distrito Leste de Nova York, o diretor assistente Stephen Richardson da Divisão de Investigação Criminal do FBI e o diretor assistente responsável William F. Sweeney do O escritório de campo do FBI em Nova York fez o anúncio.

“A Odebrecht e a Braskem usaram uma unidade de negócios oculta, mas em pleno funcionamento da Odebrecht – um ‘Departamento de Suborno’, por assim dizer – que pagava sistematicamente centenas de milhões de dólares a funcionários governamentais corruptos em países de três continentes”, disse o procurador-geral adjunto Suh. . “Essas irregularidades descaradas exigem uma resposta forte por parte das autoridades policiais e, através de um grande esforço com os nossos colegas no Brasil e na Suíça, temos visto exatamente isso. Espero que a ação de hoje sirva de modelo para esforços futuros.”

“Estas resoluções são o resultado de um esforço multinacional extraordinário para identificar, investigar e processar um esquema de corrupção altamente complexo e duradouro que resultou no pagamento, pelas empresas acusadas, de perto de mil milhões de dólares em subornos a funcionários de todos os níveis do governo. em muitos países”, disse o procurador dos EUA Capers. “Numa tentativa de ocultar os seus crimes, os réus usaram o sistema financeiro global – incluindo o sistema bancário dos Estados Unidos – para disfarçar a origem e o desembolso dos pagamentos de subornos, transferindo fundos através de uma série de empresas de fachada. A mensagem enviada por esta acusação é que os Estados Unidos, trabalhando com os seus parceiros responsáveis ​​pela aplicação da lei no estrangeiro, não hesitarão em responsabilizar as empresas e os indivíduos que procuram enriquecer através da corrupção das funções legítimas do governo, por mais sofisticado que seja o processo. esquema.”

“Este caso ilustra a importância das nossas parcerias e do pessoal dedicado que trabalha para levar à justiça aqueles que são motivados pela ganância e agem no seu próprio interesse”, disse o Diretor Assistente Richardson. “O FBI não ficará parado enquanto indivíduos corruptos ameaçam um sistema económico justo e competitivo ou alimentam empresas criminosas. Nosso compromisso de trabalhar ao lado de nossos parceiros estrangeiros para erradicar a corrupção em todo o mundo é inabalável e agradecemos aos nossos parceiros brasileiros e suíços pelo seu trabalho incansável neste esforço.”

“Não importa a razão, quando funcionários estrangeiros recebem subornos, eles ameaçam a nossa segurança nacional e o sistema internacional de mercado livre no qual comercializamos”, disse o Diretor Adjunto Responsável, Sweeney. “Só porque estão fora da nossa vista, não significa que estejam fora do nosso alcance. O FBI usará todos os recursos disponíveis para acabar com este tipo de comportamento corrupto”.

A Odebrecht se declarou culpada de uma acusação de informação criminal apresentada hoje pela Seção de Fraude da Divisão Criminal e pelo Ministério Público dos EUA no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Leste de Nova York, acusando a empresa de conspiração para violar as disposições antissuborno do Lei sobre Práticas de Corrupção no Exterior (FCPA). A Odebrecht concordou que a multa criminal apropriada é de US$ 4,5 bilhões, sujeita a uma análise mais aprofundada da capacidade da empresa de pagar o total das penalidades globais. Em processos relacionados, a Odebrecht também fez acordos com o Ministério Público Federal no Brasil e com a Procuradoria-Geral da República na Suíça. 

De acordo com o acordo de confissão, os Estados Unidos creditarão o valor que a Odebrecht pagar ao Brasil e à Suíça durante todo o prazo de seus respectivos acordos, com os Estados Unidos e a Suíça recebendo 10 por cento cada do principal da multa criminal total e o Brasil recebendo o restantes 80 por cento. A multa está sujeita a uma análise de incapacidade de pagamento a ser concluída pelo Departamento de Justiça e pelas autoridades brasileiras até 31 de março de 2017, porque a Odebrecht declarou que só pode pagar aproximadamente US$ 2,6 bilhões ao longo dos respectivos acordos. A sentença foi marcada para 17 de abril de 2017. 

A Braskem, cujos American Depositary Receipts (ADRs) são negociados publicamente na Bolsa de Valores de Nova York, se declarou culpada separadamente de uma acusação de informação criminal apresentada no Distrito Leste de Nova York, acusando-a de conspiração para violar as disposições antissuborno do FCPA. A Braskem concordou em pagar uma multa criminal total de US$ 632 milhões. A sentença ainda não foi marcada. Em processos relacionados, a Braskem também fez acordos com a Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA, o Ministério Público Federal no Brasil e o Gabinete do Procurador-Geral na Suíça. Nos termos de sua resolução com a SEC, a Braskem concordou com um total de US$ 325 milhões em restituição de lucros. A Braskem concordou em pagar às autoridades brasileiras 70% do valor total da pena criminal e concordou em pagar às autoridades suíças 15%. O departamento concordou em creditar as penalidades criminais pagas às autoridades brasileiras e suíças como parte de seu acordo com a empresa. Os Estados Unidos receberão US$ 94,8 milhões, valor equivalente a 15% do total de multas criminais pagas pela Braskem. 

De acordo com seus respectivos acordos de confissão, a Odebrecht e a Braskem são obrigadas a continuar a sua cooperação com as autoridades policiais, inclusive em relação às investigações e processos judiciais de indivíduos responsáveis ​​pela conduta criminosa. A Odebrecht e a Braskem também concordaram em adotar procedimentos aprimorados de compliance e em manter monitores independentes de compliance por três anos. Os casos são atribuídos ao juiz distrital dos EUA Raymond J. Dearie, do Distrito Leste de Nova York.

O valor total combinado de penalidades criminais e regulatórias dos Estados Unidos, do Brasil e da Suíça pagas pela Braskem será de aproximadamente US$ 957 milhões. O valor total combinado das penalidades impostas contra a Odebrecht será de pelo menos US$ 2,6 bilhões e até US$ 4,5 bilhões. Com um total combinado de pelo menos US$ 3,5 bilhões, as resoluções de hoje com a Odebrecht e a Braskem são a maior resolução global de todos os tempos sobre suborno estrangeiro.     

Os esquemas de suborno

De acordo com suas admissões, a Odebrecht se envolveu em um esquema maciço e sem paralelo de suborno e fraude em licitações por mais de uma década, começando em 2001. Durante esse período, a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em subornos a funcionários do governo, seus representantes e partidos políticos. em vários países, a fim de ganhar negócios nesses países. A conduta criminosa foi dirigida pelos mais altos níveis da empresa, com os subornos pagos através de uma complexa rede de empresas de fachada, transacções off-book e contas bancárias off-shore. 

Como parte do esquema, a Odebrecht e os seus co-conspiradores criaram e financiaram uma estrutura financeira elaborada e secreta dentro da empresa, que operava para contabilizar e desembolsar pagamentos de subornos a funcionários governamentais e partidos políticos estrangeiros. Em 2006, o desenvolvimento e a operação desta estrutura financeira secreta evoluíram de tal forma que a Odebrecht estabeleceu a “Divisão de Operações Estruturadas”, que funcionou efetivamente como um departamento independente de suborno dentro da Odebrecht e suas entidades relacionadas. Até aproximadamente 2009, o chefe da Divisão de Operações Estruturadas reportava-se aos mais altos níveis da Odebrecht, inclusive para obter autorização para aprovar pagamentos de propina. Após 2009, essa responsabilidade foi delegada a alguns líderes empresariais da empresa no Brasil e em outras jurisdições. Para ocultar as suas atividades, a Divisão de Operações Estruturadas utilizou um sistema de comunicação totalmente separado e off-book, que permitiu aos membros da Divisão de Operações Estruturadas comunicar entre si e com operadores financeiros externos e outros co-conspiradores sobre os subornos através de meios seguros. e-mails e mensagens instantâneas, usando codinomes e senhas. 

A Divisão de Operações Estruturadas administrou o orçamento “sombra” da operação de suborno da Odebrecht por meio de um sistema de computador separado que foi usado para solicitar e processar pagamentos de subornos, bem como para gerar e preencher planilhas que rastreavam e contabilizavam internamente o orçamento paralelo. Esses recursos para a sofisticada operação de suborno da empresa foram gerados pelo Departamento Financeiro da Odebrecht através de diversos métodos, bem como por certas subsidiárias da Odebrecht, incluindo a Braskem. Os recursos foram então canalizados pela Divisão de Operações Estruturadas para uma série de entidades off-shore que não constavam no balanço da Odebrecht como entidades relacionadas. A Divisão de Operações Estruturadas dirigiu então o desembolso dos fundos das entidades off-shore para o destinatário do suborno, através do uso de transferências bancárias através de uma ou mais entidades off-shore, bem como através de pagamentos em dinheiro tanto dentro como fora Brasil, que às vezes eram entregues em pacotes ou malas deixadas em locais pré-determinados. 

A Odebrecht, seus funcionários e agentes tomaram uma série de medidas enquanto estiveram nos Estados Unidos para promover o esquema. Por exemplo, em 2014 e 2015, enquanto estavam em Miami, dois funcionários da Odebrecht se envolveram em condutas relacionadas a determinados projetos em prol do esquema, incluindo reuniões com outros co-conspiradores para planejar ações a serem tomadas em conexão com a Divisão de Operações Estruturadas , a movimentação de produtos do crime e outras condutas criminosas. Além disso, algumas das entidades off-shore utilizadas pela Divisão de Operações Estruturadas para deter e desembolsar fundos não registados foram estabelecidas, pertencentes e/ou operadas por indivíduos localizados nos Estados Unidos. Ao todo, esta conduta resultou em pagamentos e/ou lucros corruptos totalizando aproximadamente 3,336 mil milhões de dólares.

A Braskem também admitiu envolvimento em um amplo esquema de suborno e reconheceu a difusão de sua conduta. Entre 2006 e 2014, a Braskem pagou aproximadamente US$ 250 milhões ao sistema secreto e não contábil de pagamento de subornos da Odebrecht. Utilizando o sistema da Odebrecht, a Braskem autorizou o pagamento de subornos a políticos e partidos políticos no Brasil, bem como a um funcionário da Petróleo Brasileiro SA – Petrobras (Petrobras), a empresa petrolífera estatal do Brasil. Em troca, a Braskem recebeu diversos benefícios, entre eles: taxas preferenciais da Petrobras na compra de matérias-primas utilizadas pela empresa; contratos com a Petrobras; e legislação favorável e programas governamentais que reduziram as obrigações fiscais da empresa no Brasil. Esta conduta resultou em pagamentos e/ou lucros corruptos totalizando aproximadamente US$ 465 milhões.

As Resoluções Corporativas

O departamento chegou a essas resoluções com a Odebrecht e a Braskem com base em uma série de fatores, incluindo: a não divulgação voluntária da conduta que desencadeou a investigação; a natureza e a gravidade do crime, que durou muitos anos, envolveu os mais altos níveis das empresas, ocorreu em vários países e envolveu esquemas sofisticados para subornar funcionários governamentais de alto nível; a falta de um programa eficaz de compliance e ética no momento da conduta; e crédito pela respectiva cooperação de cada empresa. As empresas também tomaram medidas corretivas, incluindo demitir e disciplinar indivíduos que participaram da má conduta, adotando controles reforçados e protocolos de conformidade anticorrupção e aumentando significativamente os recursos dedicados à conformidade.

A pena criminal para a Odebrecht reflete uma redução de 25 por cento do limite inferior da faixa de multas das Diretrizes de Penas dos EUA devido à total cooperação da Odebrecht com a investigação do governo, enquanto a pena criminal para a Braskem reflete uma redução de 15 por cento do limite inferior das Diretrizes de Penas dos EUA como resultado da sua cooperação parcial.

A Odebrecht representou sua capacidade de pagar no máximo US$ 2,6 bilhões do valor total da multa. O departamento e as autoridades brasileiras estão empenhados em uma análise mais aprofundada sobre a alegada incapacidade de pagamento da empresa, que será concluída até 31 de março de 2017.

* * *

O escritório de campo do FBI em Nova York está investigando o caso. O chefe Dan Kahn e os advogados Christopher Cestaro, Sarah Edwards, David Fuhr, Kevin R. Gingras, Lorinda Laryea e David Last da Seção de Fraude da Divisão Criminal e os procuradores assistentes dos EUA Julia Nestor e Alixandra Smith do Distrito Leste de Nova York estão processando o caso. 

O Gabinete de Assuntos Internacionais da Divisão Criminal também prestou assistência substancial. A SEC e o Ministério Público Federal no Brasil, o Departamento de Polícia Federal e o Gabinete do Procurador-Geral na Suíça forneceram uma cooperação significativa.

A Seção de Fraude da Divisão Criminal é responsável por investigar e processar todos os assuntos da FCPA. Informações adicionais sobre os esforços de aplicação da FCPA da Seção de Fraude do Departamento de Justiça podem ser encontradas em www.justice.gov/criminal/fraud/fcpa .

AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :
Anexos
Informações Braskem   [PDF, 4 MB ]
Informações Odebrecht   [PDF, 4 MB ]
NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.