Maceió-AL

Relatório U.S Department of State de 2010 ,revela corrupção, milícias,crimes ,tortura,vilipêndio de indígenas e violência religiosa no Brasil

Veja também


Relatório U.S Department of State de 2010 ,revela corrupção, milícias,assasinatos,tortura,vilipêndio de indígenas e violência religiosa

Relatório U.S Department of State de 2010 ,revela corrupção, milícias,assassinatos,tortura,vilipêndio de indígenas e violência religiosa durante governo do PT (lula)


Na eleição nacional de 2006, geralmente considerada livre e justa, o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, conquistou um segundo mandato de quatro anos como presidente.



  1. Os indicadores de governança mundial do Banco Mundial refletiam que a corrupção continuava a ser um problema sério.
  2. Monitores de direitos humanos foram ocasionalmente ameaçados e assediados
  3. Embora a lei proíba e penalize a discriminação com base em raça, gênero, deficiência ou condição social, a discriminação contra mulheres, negros, homossexuais e indígenas continuou.
  4. O tráfico de mulheres para fins de prostituição era um problema sério.
  5. A prostituição infantil era um problema, sendo a pobreza extrema o principal contribuinte.
  6. Esquadrões da morte ligados a agentes da lei realizaram muitos assassinatos
  7. A Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Igreja Católica informou que houve 20 assassinatos confirmados relacionados a disputas por terra, água e trabalho
  8. Relato de 5.095 desaparecimentos em 2008 e alegou que a polícia matou muitos dos indivíduos.
  9. Um ciclo vicioso de insegurança, ineficiência, abuso, tortura e impunidade.
  10. prisões em todo o país muitas vezes variaram de pobres a extremamente severas e ameaçadoras à vida.
  11. A polícia continuou, por vezes, a prender e deter pessoas arbitrariamente.
  12. Grupos de milícias geralmente começam fora de serviço e ex-policiais assumem o policiamento comunitário em suas próprias mãos
  13. Polícia civil e uniformizada detinha regularmente pessoas ilegalmente para extorquir dinheiro ou favores
  14. Tribunais estavam sobrecarregados com atrasos significativos e às vezes estavam sujeitos a corrupção, influência política e intimidação.
  15. Interferência arbitrária com privacidade, família, casa ou correspAssociação Nacional de Jornais (ANJ) continuou denunciando casos de prisão, agressão, censura e desrespeito à liberdade de imprensaondência
  16. Religiões afro-brasileiras como Umbanda e Candomblé sofreram discriminação
  17. A violência doméstica permaneceu generalizada e subnotificada às autoridades.
  18. As alegações de abuso de menores e o julgamento de crimes contra crianças não foram investigados de forma adequada ou agressiva.
  19. poucas condenações criminais por tráfico de pessoas e exploração
  20. Falha em programas de proteção de Pessoas com deficiências,Povos Indígenas e Minorias Nacionais/Raciais/Étnicas
  21. Abusos sociais, discriminação e atos de violência baseados em orientação sexual e identidade de gêneroA intimidação e os assassinatos de sindicalistas rurais e seus agentes continuaram.
  22. Os intermediários trabalhistas traficavam a maioria dos trabalhadores forçados para propriedades remotas
  23. havia 1,7 milhão de crianças entre cinco e 14 anos (aproximadamente 5% do total) que trabalhavam na economia do país em 2008.
  24. A OIT estimou que aproximadamente 20% das meninas de 10 a 14 anos trabalhavam como domésticas.
  25. O IBGE estimou que aproximadamente 26% dos trabalhadores ganhavam o salário mínimo ou menos em 2008.
  26. As condições de trabalho inseguras eram prevalentes em todo o país.



Logo AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas
AR NEWS NOTÍCIAS 24 horas

AR NEWS:  Brasil, Maceió , de 2022




Relatório U.S Department of State de 2010 ,revela corrupção, milícias,assassinatos,tortura,vilipêndio de indígenas ,violência religiosa e extensas violações dos Direitos Humanos



SECRETARIA DE DEMOCRACIA, DIREITOS HUMANOS E TRABALHO
Relatórios Nacionais de 2009 sobre Práticas de Direitos Humanos
Relatório
11 de março de 2010



O Brasil é uma república federativa constitucional com uma população de aproximadamente 192 milhões. Em 2006, os eleitores reelegeram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores, para um segundo mandato de quatro anos em uma eleição geralmente livre e justa. Enquanto as autoridades civis geralmente mantinham o controle efetivo das forças de segurança federais, as forças de segurança estaduais cometeram vários abusos de direitos humanos.


🔵Para as últimas manchetes, siga nosso canal do Google Notícias on-line ou pelo aplicativo.  📰 aqui

O governo federal geralmente respeitava os direitos humanos de seus cidadãos; no entanto, continuaram a ocorrer numerosos e graves abusos, e os registros de vários governos estaduais eram ruins. Os seguintes problemas de direitos humanos foram relatados: 

assassinatos ilegais, uso excessivo de força, espancamentos, abuso e tortura de detentos e internos pela polícia e forças de segurança penitenciárias; incapacidade de proteger testemunhas envolvidas em casos criminais; duras condições prisionais; prisão preventiva prolongada e atrasos excessivos nos julgamentos; relutância em processar, bem como ineficiência em processar funcionários do governo por corrupção; violência e discriminação contra as mulheres; violência contra crianças, incluindo abuso sexual; tráfico de pessoas; discriminação contra indígenas e minorias; falha no cumprimento das leis trabalhistas; trabalho forçado generalizado; e trabalho infantil no setor informal. Os violadores de direitos humanos geralmente gozavam de impunidade.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS

Seção 1 Respeito pela integridade da pessoa, incluindo liberdade de:

 Privação Arbitrária ou Ilegal da Vida

O governo federal ou seus agentes não cometeram assassinatos por motivos políticos, mas assassinatos ilegais cometidos por policiais estaduais (militares e civis) foram generalizados.

Em muitos casos, os policiais empregaram força letal indiscriminada durante as apreensões. Em alguns casos, as mortes de civis seguiram-se a severa perseguição ou tortura por parte de agentes da lei. Assassinatos pela polícia ocorreram por vários motivos. Confrontos com criminosos fortemente armados resultaram em tiroteios. Alguns policiais acusados ​​de matar suspeitos não tinham treinamento e profissionalismo para administrar a força letal. Em outras ocasiões, a polícia se comportou como criminosos.

Em 8 de dezembro, a organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch publicou um estudo de dois anos sobre violência policial letal no qual examinou 51 casos indicativos em que policiais do Rio de Janeiro e São Paulo pareciam ter executado suspeitos de crimes e relatado as mortes como resultado da resistência à prisão. Para melhorar a situação, o relatório recomendou que a polícia notifique imediatamente as autoridades sobre esses assassinatos, estabeleça protocolos no local do crime, investigue possíveis técnicas de encobrimento e processe os infratores. Autoridades do Rio de Janeiro e de São Paulo responderam que o treinamento e outras medidas corretivas estavam em andamento.

Esquadrões da morte ligados a agentes da lei realizaram muitos assassinatos, em alguns casos com a participação da polícia. Grupos locais de direitos humanos credíveis relataram a existência em vários estados de esquadrões da morte organizados ligados a forças policiais que visavam suspeitos de crimes e pessoas consideradas problemáticas ou indesejáveis ​​pelos proprietários de terras.

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Igreja Católica informou que de janeiro a novembro houve 20 assassinatos confirmados relacionados a disputas por terra, água e trabalho, em comparação com um total de 18 assassinatos em todo o ano de 2008. De acordo com a CPT, por No período de janeiro a novembro, foram registrados nove homicídios na região norte e quatro homicídios e 14 tentativas de homicídio na região centro-oeste. A Anistia Internacional (AI) afirmou que essa violência foi muitas vezes causada por empresas de segurança privada ilegais e milícias armadas ilegalmente ligadas a proprietários de terras.

Numerosos relatórios confiáveis ​​indicaram o envolvimento contínuo de policiais estaduais em assassinatos por vingança e na intimidação e morte de testemunhas envolvidas em depoimentos contra policiais.

No Rio de Janeiro, os problemas mais graves de direitos humanos envolveram o uso indiscriminado da força, tanto por policiais em serviço quanto fora de serviço, principalmente na zona norte mais pobre da cidade. Moradores das cerca de 1.000 favelas da cidade, onde cerca de um terço da população (ou seja, aproximadamente três milhões de pessoas) viviam, estavam em maior risco devido à frequência das ações policiais. Segundo a ONG Justiça Global (GJ), sediada no Rio de Janeiro, a impunidade e a não responsabilização pelas ações policiais eram problemas graves na metrópole. A AI alegou que a polícia do Rio de Janeiro continuou a ser caracterizada por operações em grande escala em que unidades policiais fortemente armadas “invadiam” favelas.

O Programa de Pacificação de Favelas, instituído no final de 2008 pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, registrou nove favelas iniciais como "pacificadas" até o final do ano. A polícia e os funcionários do governo expulsaram os membros das gangues de drogas de áreas que antes dominavam, estabeleceram o policiamento comunitário, regularizaram os serviços públicos e indicaram a intenção de introduzir outros serviços municipais e assistência social. O programa supostamente visava pacificar 30-40 favelas nos próximos dois anos.

Em outubro, o Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro relatou 805 assassinatos no estado por policiais de pessoas descritas como "resistentes à prisão" de janeiro a setembro, uma média de três pessoas por dia, abaixo da média de 2007 de quatro por dia e um Diminuição de 11% em comparação com o mesmo período parcial do ano de 2008. GJ relatou 1.137 assassinatos cometidos pela polícia no Estado do Rio de Janeiro em 2008.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que a polícia estadual de São Paulo (civil e militar) matou 400 civis no estado de janeiro a setembro, em comparação com 353 no mesmo período de 2008. Os casos envolvendo execuções extrajudiciais estavam sob investigação policial ou perante os tribunais estaduais; observadores acreditavam que poderia levar anos para resolver esses casos. Durante o ano houve relatos de múltiplos assassinatos (chamados de chacinas) no Estado de São Paulo, muitas vezes relacionados a drogas e suspeitos de envolver a polícia; na região metropolitana de São Paulo, foram 20 chacinas resultando em 64 óbitos.

Em 24 de janeiro, em Pitimbu, na Paraíba, homens armados mascarados mataram a tiros Manoel Bezerra de Matos Neto, vice-presidente do Partido dos Trabalhadores de Pernambuco e defensor dos direitos humanos. As autoridades prenderam cinco suspeitos em fevereiro e agosto, incluindo policiais militares, e no final do ano eles estavam sob custódia aguardando julgamento.

Em 26 de março, no Rio de Janeiro, policiais militares mataram um homem de 22 anos na favela do Morro da Providência. A polícia afirmou que o homem estava armado. Testemunhas alegaram que foram ameaçadas se testemunhassem. No final do ano não houve mais desdobramentos neste caso, mas a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro continuou a acompanhá-lo.

Em abril, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, seis pessoas alegadas pela polícia militar como envolvidas no tráfico de drogas foram mortas em uma operação policial na favela do Morro da Coroa. Quatro oficiais enfrentaram acusações criminais, e houve mais desenvolvimentos no final do ano.
Em 21 de julho, em São Paulo, o policial civil de folga Alfred Stapf atirou e matou Edinalva Oliveira da Silva e feriu gravemente seu filho. Stapf e o técnico de polícia Alex Sander Pedroni alegaram que estavam perseguindo um suspeito e dispararam acidentalmente; os investigadores da Corregedoria da Polícia Civil, no entanto, suspeitaram de uma operação policial para ocultar a extorsão policial de um dono de loja local. A investigação continuou no final do ano.

Em agosto, no Distrito de Guaratiba, Rio de Janeiro, as autoridades prenderam e indiciaram dois irmãos policiais militares pela morte de quatro pessoas; no final do ano eles estavam na prisão aguardando julgamento. Segundo GJ, os dois policiais pertenciam a uma milícia e um deles (Emmerson Meirelles) era o responsável pela segurança pessoal do governador do estado.

Em agosto, em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, a polícia militar atirou e matou Elton Brumda Silva ao retirar ele e cerca de 500 outros membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de uma fazenda, segundo a ouvidoria agrária nacional. Membros do MST alegaram que a polícia os obrigou a ficar sentados por horas com as mãos atrás do pescoço, alguns em cima de formigueiros, e que uma bomba de dispersão queimou uma criança. A investigação da Secretaria de Estado de Segurança Pública aparentemente continuou no final do ano.

Em agosto, as autoridades prenderam o sargento aposentado da polícia militar Jairo Francisco Franco por matar um homem negro desconhecido na grande São Paulo. Franco havia sido detido em dezembro de 2008 por supostamente matar 13 homens gays, mas foi liberado por falta de provas.

Em novembro, ONGs informaram que mais de 40 mortes ocorreram durante três semanas de operações da polícia militar em favelas do Rio de Janeiro após a queda de um helicóptero em 17 de outubro. Tiroteios entre policiais e traficantes de drogas e entre gangues rivais causaram as mortes. Em 22 de outubro, segundo a mídia, policiais militares do 3º Batalhão também invadiram uma casa no Morro da Cachoeirinha e teriam espancado e torturado um jovem de 18 anos.

No caso de janeiro de 2008 no Rio de Janeiro da morte por espancamento de Andreu Luis da Silva Carvalho em um centro de detenção, um promotor solicitou a exumação do corpo, que segundo a ONG Projeto Legal não havia ocorrido até o final do ano. Acusações estavam sendo consideradas contra vários funcionários de instalações de detenção.

Durante o ano, a polícia continuou investigando, com base em provas balísticas e depoimentos de testemunhas, o policial militar Pascoal dos Santos Lima em conexão com o assassinato do coronel José Hermínio Rodrigues da polícia militar em São Paulo, em janeiro de 2008, enquanto investigava a participação da polícia em execuções extrajudiciais. As autoridades indiciaram Lima pelo assassinato do Coronel Rodrigues em julho de 2008, enquanto ele estava preso pelo assassinato de Marisa Ferreira Vaz em 2007, mas o libertaram em 2009.

Não houve desdobramentos na investigação envolvendo a descoberta, em agosto de 2008, do corpo de André Lima de Araujo após ele ter sido detido em 2007 pela polícia na periferia de Guarulhos.
Não houve evolução nos casos de chacina de 2007 no Estado de São Paulo; eles permaneceram sob investigação no final do ano.

Não houve desdobramentos no caso de quatro policiais militares e um empresário que foram presos em maio de 2008 pelo assassinato em 2007 do jornalista investigativo Luiz Carlos Barbon Filho em Porto Ferreira, São Paulo, e eles permaneceram presos aguardando julgamento.

Não houve desdobramentos, e nenhum era esperado, nas investigações das operações conjuntas da polícia estadual/nacional-militar de 2007 nas favelas Complexo do Alemão e Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro, que resultaram em inúmeras mortes em confrontos policiais (segundo relatos oficiais) ou em execuções sumárias (segundo contas da Ordem dos Advogados e ONGs).

A investigação sobre o envolvimento da polícia nos assassinatos em agosto de 2007 de Aurina Rodrigues Santana, Rodson da Silva Rodrigues e seu filho de 19 anos em sua casa em Salvador foi concluída sem indiciamento dos policiais acusados.

Não houve desdobramentos conhecidos no caso de cinco policiais acusados ​​de torturar e matar um jovem de 15 anos em 2007 em Bauru, no Estado de São Paulo. As autoridades os expulsaram da polícia militar em dezembro de 2008 e depois os libertaram enquanto aguardavam julgamento.

No início de abril, em recurso da promotoria, o Tribunal de Justiça do Estado do Pará reverteu o veredicto de inocente de Vitalmiro "Bida" Bastos Moura - um veredicto que em maio de 2008 anulou sua condenação de 2007 pelo assassinato da freira católica Dorothy Mae, em 2005. Stang - e ordenou sua prisão. No final do ano, ele permaneceu em liberdade aguardando novo julgamento em 2010. Embora as autoridades tenham detido Reginaldo Pereira Galvão, também acusado no caso de homicídio, em dezembro de 2008 como parte de uma investigação sobre se ele falsificou títulos de terra onde a freira foi morta, no final do ano ele também estava livre aguardando julgamento. A mídia noticiou que um assaltante atirou e feriu uma testemunha-chave no caso Galvão em Anapu, Estado do Pará, em 26 de novembro. Em 10 de dezembro, Rayfran das Neves Sales, condenado em maio de 2008 pelo assassinato, renunciou ao seu direito a um novo julgamento .

Em setembro, o Quinto Tribunal Regional do Estado de São Paulo reabriu o caso de prisão preventiva de Manoel Fiel Filho, que foi preso e supostamente torturado em 1976. O relatório oficial afirmava que Filho cometeu suicídio; no entanto, as autoridades acusaram um detetive da polícia, um especialista e o legista que realizou a autópsia de assassinato e encobrimento. No final do ano não houve mais desenvolvimentos.

O linchamento por turbas ou grupos de vigilantes era comum em algumas regiões, especialmente contra acusados ​​de estupro ou outros crimes que eles acreditavam não terem sido punidos. Por exemplo, em maio, em Teresina, Piauí, uma multidão de 500 pessoas tentou invadir a delegacia para linchar um detento que teria matado Pedro Sabino, um inocente de um assalto. Em outubro, na capital de Alagoas, Maceió, um suspeito de tentativa de estupro evitou o linchamento quando a polícia dispersou uma multidão e o colocou sob custódia.

b. Desaparecimento

Não houve relatos de desaparecimentos por motivos políticos. No entanto, GJ relatou 5.095 desaparecimentos em 2008 e alegou que a polícia matou muitos dos indivíduos.
Em maio, o governo federal divulgou Memórias Reveladas , um documento que dizia conter todas as informações obtidas sobre casos de desaparecimentos ocorridos durante a ditadura militar de 1964-85; o documento atendeu a uma solicitação do Comitê de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados de 2007.

c. Tortura e outros tratamentos ou punições cruéis, desumanos ou degradantes

Embora a Constituição proíba a tortura e estabeleça severas penalidades legais para seu uso, a tortura pela polícia e guardas prisionais continuou sendo um problema sério e generalizado. Em agosto, a Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) do governo reconheceu no lançamento de seu programa nacional que as instituições policiais foram historicamente marcadas pela violência, gerando um ciclo vicioso de insegurança, ineficiência, abuso, tortura e impunidade.

Treze dos 26 estados do país aderiram formalmente ao Plano Nacional de Prevenção e Controle da Tortura, que inclui a instalação de câmeras em presídios e penitenciárias; visitas frequentes sem aviso prévio de promotores, defensores públicos e ONGs; e filmagem de interrogatórios.

Durante o primeiro semestre do ano, a Ouvidoria do Estado de São Paulo recebeu sete denúncias de tortura por policiais, ante cinco no mesmo período de 2008.

A polícia continuou a abusar de prostitutas travestis no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador, de acordo com a ONG Bahia Gay Rights Group. As queixas foram investigadas, mas raramente resultaram em punição .

No Rio de Janeiro, membros da milícia – muitos deles fora de serviço e ex-policiais – continuaram a usar abuso físico, tratamento degradante e tortura para espalhar o medo e estabelecer o controle sobre os moradores das favelas.

Em junho, a Polícia Federal teria aplicado choques elétricos nas costas e genitais de cinco Tupinabás em Ilhéus, Bahia, para forçar a confissão de um assassinato envolvendo uma disputa de terras com um fazendeiro não indígena. Os cinco, liberados na manhã seguinte, prestaram queixa, e o ministro da Justiça ordenou uma investigação da Polícia Federal que prosseguiu no final do ano.

Nos casos de dois O Dia jornalistas investigativos do jornal e seu motorista que foram sequestrados, torturados e soltos na favela do Batan, Rio de Janeiro, em maio de 2008, um tribunal estadual condenou em 12 de agosto dois líderes de milícias (inspetores da polícia civil Odinei Fernando da Silva e Davi Liberato de Araujo) e condenou-os a 31 anos de prisão. As autoridades também prenderam outro indivíduo em dezembro de 2008 e prenderam provisoriamente três policiais militares (Fábio Gonçalves Soares, Marcos Antonio Alves da Silva e André Luiz de Matos) em janeiro de 2009 em conexão com o mesmo incidente, mas no final do ano não havia mais desenvolvimentos relatados.

Não houve desdobramentos conhecidos no caso de nove policiais em São Paulo acusados ​​em 2007 de roubo, tortura, extorsão, espancamento e ameaça de estupro para extorquir dinheiro.

Não houve desdobramentos durante o ano, e nenhum era esperado, no caso de prisão e tortura ilegal envolvendo Antonio Ferreira Braga em 1993 no Estado do Ceará, embora o governo não tenha cumprido as recomendações da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). feito em 2007.

Condições das Prisões e Centros de Detenção

As condições das prisões em todo o país muitas vezes variaram de pobres a extremamente severas e ameaçadoras à vida. Abuso por guardas prisionais, assistência médica precária e superlotação grave ocorreram em muitas instalações.

Os funcionários prisionais frequentemente recorreram ao tratamento brutal dos prisioneiros, incluindo tortura. Condições de trabalho severas ou perigosas, negligência oficial, más condições sanitárias, abusos e maus-tratos por parte dos guardas e falta de assistência médica levaram a mortes nas prisões. As más condições de trabalho e os baixos salários dos guardas prisionais encorajaram a corrupção generalizada. Prisioneiros que cometiam pequenos delitos eram mantidos com assassinos. De acordo com o Departamento Penitenciário Nacional, em junho havia 469.807 presos, incluindo 30.519 mulheres, encarcerados em um sistema prisional projetado para cerca de 300.000. A SEDH relatou 14.704 indivíduos menores de 18 anos confinados em 2006. Dos detidos, quase 43% estavam detidos aguardando julgamento ou julgamento.

No Rio de Janeiro e na maioria dos outros estados, os presos provisórios eram frequentemente mantidos junto com os presos condenados devido à superlotação.

De acordo com o Ministério da Justiça, cerca de 2.000 presos estiveram envolvidos em tumultos em presídios federais em 2008. O governo federal deixou de fornecer tais estatísticas a partir de então, mas os jornais noticiaram grandes tumultos nas prisões em julho e agosto em São Paulo, Bahia e Estados do Pará envolvendo aproximadamente 270 prisioneiros.

O Ministério do Presídio da Igreja Católica no Estado de São Paulo informou que as autoridades usaram delegacias de polícia na capital do estado como prisões, aumentando o risco de maus-tratos e tortura. O ministério da igreja também relatou taxas inadequadas contínuas de construção de penitenciárias. O sistema de justiça criminal do estado como um todo continuou sentenciando mais réus à prisão ou detenção a cada mês do que liberou e também manteve presos além de suas sentenças.

Nos dias 16 e 17 de abril, o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária denunciou condições seriamente deficientes em duas unidades de detenção na Serra, Espírito Santo. Em Cascuvi, 25 indivíduos vigiavam mais de 1.170 presos amontoados em três espaços sem celas individuais em uma instalação projetada para 370 pessoas. O relatório descrevia a ausência de eletricidade e chuveiros, privacidade, aconselhamento jurídico, defesa dos presos e atividade reformadora; roedores e pragas vagando livremente; água potável fornecida uma vez ao dia; comida servida esporadicamente; acesso médico limitado; doença de pele do recluso; e alegações de ataques de presos contra presos. Na Serra, o presídio de Novo Horizonte, projetado para 144 detentos, abrigava cerca de 400 indivíduos, com aproximadamente 40 lotados em cada cela metálica. O conselho notou particularmente os esgotos a céu aberto e o uso ativo de uma célula sem janelas (conhecida como "microondas" para as temperaturas alcançadas no interior); uma decisão judicial havia interrompido o uso anteriormente, mas foi reativado e observado com 23 presos.

Em 1º de junho, a CIDH concedeu medidas cautelares aos detentos da penitenciária de Polinter-Neves, em São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro, por falta de acesso a serviços médicos e pediu ao governo que assegure assistência médica adequada, reduza a superlotação e denuncie suas ações. à CIDH.

Após um relatório investigativo do Congresso de junho de 2008 classificá-la como a terceira pior prisão do país, as autoridades reconstituíram a prisão de Contagem em Minas Gerais como uma prisão temporária para um máximo de 96 presos e, de acordo com uma reportagem da mídia durante o ano, melhorou substancialmente as condições de vida dos detentos e o acesso à assistência jurídica, médica e psicológica.

Uma decisão judicial de outubro ordenou que o governo do Estado de Minas Gerais indenizasse as famílias dos 25 presos mortos durante a disputa de gangues de 2007 e o incêndio resultante em uma prisão superlotada em Ponte Nova. Cada família supostamente deveria receber aproximadamente 20.000 reais (US$ 11.500) mais um pagamento mensal de salário mínimo até a data em que cada vítima completasse 65 anos. adequadamente ao incidente.

A Penitenciária Feminina de Santana, em São Paulo, antigo presídio masculino reformado para mulheres, continuou em condição precária, embora o atendimento à saúde tenha melhorado em resposta a pedidos de organizações de direitos humanos, problemas de água contaminada foram solucionados após protestos de ONGs (segundo Instituto Pro-Bono ), e a área da cozinha e a qualidade dos alimentos foram melhoradas (de acordo com fontes de ONGs que visitaram durante o ano). No entanto, a instalação permaneceu superlotada em dezembro, com 2.800 mulheres ocupando o espaço projetado para 2.400 e três das nove áreas prisionais fechadas devido às más condições. Outras melhorias nas unidades de saúde supostamente eram necessárias, assim como programas para promover o desenvolvimento educacional e social dos presos.

Os estados do Rio de Janeiro e São Paulo e o Distrito Federal forneceram instalações prisionais separadas para mulheres; em outros lugares, mulheres eram mantidas com homens em algumas instalações. Oficiais do sexo masculino que serviam em prisões femininas frequentemente abusavam e extorquiam as prisioneiras por favores sexuais.

A mídia noticiou que em todo o país adolescentes foram presos com adultos em unidades prisionais sem banheiro e em condições desumanas. A capacidade insuficiente nos centros de detenção juvenil foi generalizada.

Embora as autoridades tentassem manter os presos provisórios separadamente dos condenados, a superlotação muitas vezes exigia a retenção de criminosos condenados em centros de detenção preventiva. Além disso, os abusos continuaram em prisões municipais e centros de detenção em todo o país.

A investigação sobre denúncias em 2007 de presidiárias sendo forçadas a serem escravas sexuais e tendo suas ações registradas em câmera em um presídio de Santa Rita de Caldas, Minas Gerais, absolveu o policial de plantão de qualquer crime ou negligência. No entanto, o Ministério Público ordenou o fechamento da cadeia e pediu uma decisão contra o governo do Estado de Minas Gerais, ação que estava pendente no final do ano.

Não foram relatados desdobramentos sobre as acusações de março de 2008 de 12 pessoas, incluindo 10 policiais, por abuso sexual repetido em 2007 de uma menina de 15 anos em uma cela em Abaetetuba, Pará. O acusado permaneceu livre e as autoridades colocaram a menina e seus parentes em um programa de proteção a testemunhas. No final do ano, o juiz que sabia da situação da menina estava sob investigação do Conselho Nacional de Justiça e havia sido transferido para outro município paraense.
A política do governo continua a permitir visitas às prisões de observadores independentes de direitos humanos; no entanto, na prática, as autoridades nem sempre seguiram esta política. Um representante da ONG Conectas confirmou que às vezes era difícil para observadores externos obter permissão para visitar as prisões.

Defensores de direitos humanos que visitam centros de detenção juvenil em São Paulo relataram melhorias contínuas em suas condições gerais. A Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo da Fundação do Adolescente continuou a desmontar grandes centros de detenção desatualizados propensos à violência prisional e construir instalações menores para facilitar o manejo da população carcerária.

d. Prisão ou Detenção Arbitrária

A lei proíbe prisões e detenções arbitrárias e limita as prisões àqueles pegos em flagrante delito ou presos por ordem de autoridade judiciária; no entanto, a polícia continuou, por vezes, a prender e deter pessoas arbitrariamente.

Papel da Polícia e do Aparelho de Segurança

A Polícia Federal, que opera sob a supervisão do Ministério da Justiça, é pequena, principalmente investigativa, e desempenha um papel menor na rotina de aplicação da lei. A maioria das forças policiais está sob o controle dos estados, onde são divididas em duas unidades distintas: a polícia civil é policial à paisana com função investigativa, enquanto a polícia militar é policial uniformizada encarregada de manter a ordem e prevenir o crime. Embora os governos estaduais individuais controlem suas respectivas forças policiais militares, a constituição prevê a convocação para o serviço militar ativo em caso de emergência, e eles mantêm algumas características e privilégios militares, incluindo um sistema judicial separado.

Nas favelas do Rio de Janeiro, os grupos de milícias geralmente começam fora de serviço e ex-policiais assumem o policiamento comunitário em suas próprias mãos. No entanto, muitos grupos de milícias se assemelham a grupos de narcotraficantes ao intimidar os moradores e realizar atividades ilegais, como extorquir dinheiro de proteção, impor taxas de tributos e fornecer serviços de utilidade pirata. O número de milícias com participação policial continuou a aumentar. Punir a polícia envolvida na atividade das milícias foi difícil devido à solidariedade e ao medo de represálias. A polícia muitas vezes não operava em comunidades dominadas por milícias. Autoridades estaduais estimam que milícias tomaram quase 100 favelas do controle de narcotraficantes, principalmente na zona oeste da cidade.

Em março, um tribunal condenou o ex-policial militar Luciano Guinancio e o sentenciou a nove anos de prisão por orquestrar os assassinatos aleatórios cometidos por um grupo de milícias de sete moradores da favela de Barbante, no Rio de Janeiro, em agosto de 2008. Em junho, quatro parentes da principal testemunha o caso sumiu.

Procedimentos de prisão e tratamento durante a detenção

Com exceção das prisões de suspeitos pegos em flagrante delito, as prisões devem ser feitas com mandado. O uso da força durante uma prisão é proibido, a menos que o suspeito tente escapar ou resista à prisão. Os suspeitos devem ser informados dos seus direitos no momento da detenção ou antes de serem detidos para interrogatório.

As autoridades geralmente respeitaram o direito constitucional a uma rápida determinação judicial da legalidade da detenção. Os detidos geralmente eram informados prontamente das acusações contra eles. A lei permite a detenção provisória por até cinco dias sob condições específicas durante uma investigação policial, mas um juiz pode estender esse período. Um juiz também pode ordenar a detenção temporária por mais cinco dias para o processamento da papelada. A prisão preventiva por um período inicial de 15 dias é permitida se a polícia tiver indícios de que um suspeito pode deixar a área. Isso pode ser renovado em circunstâncias específicas. Ocasionalmente, os detidos – geralmente pobres e sem instrução – eram mantidos por mais tempo do que o período provisório.

Os réus presos em flagrante delito devem ser indiciados no prazo de 30 dias da prisão. Outros réus devem ser acusados ​​no prazo de 45 dias, embora esse prazo possa ser prorrogado. Na prática, o atraso nos tribunais quase sempre resultou na prorrogação do prazo para acusação dos réus. A fiança estava disponível para a maioria dos crimes, e os réus acusados ​​de todos os crimes, exceto os mais graves, tinham direito a uma audiência de fiança. Em geral, as autoridades prisionais permitiram aos detidos acesso imediato a um advogado; os detidos indigentes tinham direito a um advogado fornecido pelo Estado. Os detidos também tiveram acesso imediato aos membros da família.

Observadores de direitos humanos afirmaram que a polícia civil e uniformizada detinha regularmente pessoas ilegalmente para extorquir dinheiro ou favores. Em maio, o novo secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo suspendeu 120 policiais de unidades de narcóticos e crime organizado por possível envolvimento em extorsão, corrupção e crime organizado.

A lei não prevê um período máximo de prisão preventiva, que é definido caso a caso. O tempo de detenção antes do julgamento é subtraído da sentença.

e. Negação de julgamento público justo

A constituição prevê um judiciário independente, e o governo geralmente respeita a independência judicial na prática; no entanto, o judiciário era subfinanciado, ineficiente e muitas vezes sujeito a intimidações e a influências políticas e econômicas, principalmente em nível estadual, situação que resultou em ação de vigilantes. Vários juízes seniores permaneceram sob investigação em todo o país por uma variedade de acusações.

Embora a lei exija que os julgamentos sejam realizados dentro de um determinado período de tempo, que é definido de acordo com as circunstâncias individuais, o acúmulo nacional de casos estaduais e federais frequentemente levou os tribunais a arquivar casos antigos sem julgamento.

O sistema judiciário abrange desde os tribunais de primeira instância e recursos, passando pelos tribunais de segunda instância e do Superior Tribunal de Justiça, até o Supremo Tribunal Federal. Os estados organizam seus próprios sistemas judiciais dentro do sistema federal e devem aderir aos princípios constitucionais básicos. Existem tribunais especializados para questões policiais, militares, trabalhistas, eleitorais, juvenis e familiares.

Procedimentos de teste

O direito a um julgamento público justo, conforme previsto na lei, foi geralmente respeitado na prática, embora em algumas regiões – particularmente nas áreas rurais – o judiciário fosse menos profissionalmente capaz e mais sujeito a influências externas. Da mesma forma, quando os casos envolviam pistoleiros contratados por proprietários de terras para matar ativistas da terra ou ativistas sindicais rurais, a polícia local muitas vezes era menos diligente na investigação, os promotores relutavam em iniciar os procedimentos e os juízes encontravam motivos para adiar.
Depois de uma prisão, um juiz analisa o caso, determina se deve prosseguir e, em caso afirmativo, atribui-o a um promotor estadual que decide se deve ou não emitir uma acusação. A lei reconhece a competência de um júri para julgar casos envolvendo crimes capitais. Os juízes julgam os acusados ​​de crimes menores.

Os réus gozam de presunção de inocência e têm o direito de confrontar e interrogar testemunhas e de apelar. Um grande acúmulo de casos impediu a capacidade dos tribunais de apelação de garantir julgamentos justos e rápidos.

Embora a lei preveja o direito a um advogado, o Ministério da Justiça estimou que 85% dos presos não podiam pagar um advogado. Nesses casos, o tribunal deve fornecer um defensor público ou um advogado particular a expensas públicas. Havia 752 defensores públicos no Estado do Rio de Janeiro, um déficit de pessoal de 15%. O Ministério Público continuou contratando defensores públicos, mas os déficits permaneceram em todos os estados.

Em maio, um assistente judicial descobriu que Valmir Romário de Almeida, acusado de homicídio, passou 11 anos em quatro presídios sem ser julgado. De Almeida foi libertado 10 dias depois que sua situação veio à tona.

A lei determina que os tribunais especiais de polícia exerçam jurisdição sobre a polícia militar estadual, exceto aqueles acusados ​​de "crimes dolosos contra a vida", principalmente homicídio. Em todos os casos, exceto nos mais flagrantes, os tribunais policiais decidiram se o assassinato foi intencional ou não. Como resultado, os tribunais civis, que têm jurisdição sobre homicídios cometidos por policiais, receberam muito poucos encaminhamentos de casos envolvendo homicídios cometidos por policiais. Além disso, a exigência de que a investigação inicial fosse realizada por oficiais de corregedoria da polícia aumentou o potencial de investigações demoradas. A própria polícia era muitas vezes responsável pela investigação de acusações de tortura praticadas por colegas policiais. Longos atrasos nos tribunais especiais da polícia militar permitiram que muitos casos de suposta tortura e acusações menores expirassem devido à prescrição.

Prisioneiros e Detidos Políticos

Não houve relatos de presos políticos ou detidos.
Procedimentos e recursos judiciais civis
Embora o sistema de justiça preveja um judiciário civil independente, os tribunais estavam sobrecarregados com atrasos significativos e às vezes estavam sujeitos a corrupção, influência política e intimidação. Os cidadãos têm acesso a ações judiciais por violações de direitos humanos.

f. Interferência arbitrária com privacidade, família, casa ou correspondência

A lei proíbe tais ações, mas houve relatos de que a polícia realizou buscas sem mandado. Grupos de direitos humanos, outras ONGs e a mídia relataram incidentes frequentes de invasões policiais violentas em favelas e bairros pobres. Durante essas operações a polícia parou e interrogou pessoas e fez buscas em carros, residências e estabelecimentos comerciais sem mandado. As vítimas relataram buscas sem mandado e buscas abusivas e violentas de mulheres. As escutas autorizadas pela autoridade judicial foram permitidas. A inviolabilidade da correspondência privada era geralmente respeitada.

De fevereiro a abril, após a morte de três policiais militares, a polícia realizou uma repressão na favela Paraisópolis, em São Paulo, usando 400 policiais, 100 veículos, 20 cavalos, quatro cães e um helicóptero para vasculhar a área repetidamente. Um jornal publicou entrevistas de moradores que alegaram buscas sem mandado, abuso físico e verbal e destruição de bens pessoais. A Polícia Militar afirmou que não havia provas das acusações.

A investigação da Polícia Federal sobre a suposta escuta telefônica em 2008 de uma ligação telefônica entre o senador Demostenes Torres e o presidente do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes resultou na exoneração do ex-diretor da agência de inteligência Paulo Lacerda, a quem o presidente havia colocado em licença administrativa em conexão com a alegação. A investigação continuou no final do ano.

Seção 2 Respeito pelas liberdades civis, incluindo:
uma. Liberdade de Expressão e Imprensa

A lei prevê a liberdade de expressão e de imprensa, e as autoridades geralmente respeitam esses direitos na prática. Uma imprensa independente, um judiciário eficaz e um sistema político democrático funcional combinados para garantir a liberdade de expressão e de imprensa.

A mídia independente foi ativa e expressou uma ampla variedade de pontos de vista sem restrições.

Criminosos e outros elementos, como ativistas de partidos políticos, continuaram a submeter os jornalistas à violência, às vezes especificamente por causa de suas atividades profissionais (ver também as seções 1.a. e 1.c.).

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) continuou denunciando casos de prisão, agressão, censura e desrespeito à liberdade de imprensa durante o ano encerrado em julho. Por exemplo, em 12 de março, homens que acompanhavam o irmão do prefeito de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, atacaram a equipe de reportagem do jornal Extra e destruíram suas fotografias. Em 15 de abril, a polícia do Estado de Minas Gerais prendeu o fotojornalista Nelson Batista, do jornal O Tempo Betim , quando ele adentrou o prédio do instituto forense para apurar informações sobre sete corpos ali em avançado estado de decomposição.

A ANJ considerou a ameaça mais grave à liberdade de imprensa o crescente número de decisões judiciais que proíbem a mídia de informar sobre determinadas atividades. Os seguintes exemplos pertenciam:

· Em 20 de março, o juiz Benedito Helder Afonso Ibiapina proibiu o jornal O Povo de noticiar um caso de jogo ilegal em Fortaleza, Ceará.

· Em 31 de julho, o juiz Marcio Reinaldo Miranda Braga impediu o jornal A Tarde , de Salvador, Bahia, de informar sobre uma investigação sobre a suposta venda de sentenças por um desembargador.

· Em 31 de julho, o juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal Dacio Vieira bloqueou o jornal O Estado de S. Paulo e seu site associado de relatar a investigação da Polícia Federal sobre suposta corrupção de Fernando Sarney, filho do presidente do Senado; a decisão também impediu que outros meios de comunicação do país utilizassem ou citassem informações já publicadas pelo jornal. O Estado de S. Paulo conseguiu em 15 de setembro a destituição do juiz devido a um possível conflito de interesses, mas a barra de reportagem continuou, então o jornal recorreu. Em 10 de dezembro, o STF negou provimento ao recurso por motivos técnicos e, em 18 de dezembro, Fernando Sarney retirou a ação original. No final do ano, o jornal permaneceu sob a alçada de reportagem por um total de 153 dias.

Em 30 de abril, o Supremo Tribunal Federal decidiu que toda a lei de imprensa da ditadura militar de 1964-85, que permitia ações judiciais e penas de prisão contra jornalistas e empresas de mídia por supostos danos morais, era incompatível com a Constituição. Em 17 de junho, o Supremo Tribunal Federal considerou inconstitucionais as exigências da época da ditadura (para o diploma de jornalismo e registro no Ministério do Trabalho para exercer o jornalismo).

Os três jornalistas do Rio de Janeiro que tiveram suas fotos de um candidato a prefeito apertando a mão de criminosos apagados sob a mira de uma arma em 2008 conseguiram recuperar e publicar as fotos.

Não houve desdobramentos nos assassinatos de jornalistas destacados em abril de 2008 pela Associação Interamericana de Imprensa, incluindo o assassinato em 2004 do comentarista de rádio Jorge Lourenço dos Santos em Santana do Ipanema, Alagoas.

Liberdade na Internet

Em geral, não havia restrições governamentais ao acesso à Internet ou relatos de que o governo monitorava e-mails ou salas de bate-papo na Internet. Indivíduos e grupos podem se engajar na expressão pacífica de opiniões pela Internet, inclusive por e-mail. A União Internacional de Telecomunicações informou que os usuários da Internet aumentaram para aproximadamente 34% dos habitantes do país em 2008.

Liberdade Acadêmica e Eventos Culturais

Não houve restrições governamentais à liberdade acadêmica ou eventos culturais.
b. Liberdade de Assembléia e Associação Pacífica
A lei prevê a liberdade de reunião e associação, e o governo geralmente respeitou esses direitos na prática.
c. Liberdade de religião
A constituição prevê a liberdade de religião, e o governo geralmente respeitou esse direito na prática.

Abusos sociais e discriminação

Em janeiro, a polícia do Rio de Janeiro distribuiu para delegacias e organizações religiosas um Guia de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa (Manual da Liberdade) elaborado pela ONG . A legislatura do estado criou uma linha direta de intolerância religiosa em setembro de 2008.

Em março, vândalos jogaram um artefato explosivo improvisado em uma igreja pentecostal em Juiz de Fora, Minas Gerais, durante um culto, ferindo um paroquiano e danificando o prédio. No final do ano o incidente continuava sob investigação, com Ilan Lopes Afonso indiciado pelo crime mas não preso.

É ilegal escrever, editar, publicar ou vender livros que promovam antissemitismo ou racismo. A lei permite aos tribunais multar ou prender qualquer pessoa que exiba, distribua ou transmita materiais antissemitas ou racistas e determina uma pena de prisão de dois a cinco anos.

De acordo com a Confederação Judaica do país, havia aproximadamente 125.000 judeus residentes, dos quais aproximadamente 65.000 no Estado de São Paulo e 40.000 no Estado do Rio de Janeiro.

Houve relatos de violência contra judeus. Líderes da comunidade judaica expressaram preocupação com a contínua aparição em sites de material anti-semita compilado por grupos neonazistas e "skinheads". Representantes da Polícia e da Federação Judaica de São Paulo afirmaram que sites e blogs antissemitas continuam existindo. A Federação Judaica de São Paulo denunciou casos de pichações antissemitas, assédio, vandalismo e ameaças por telefone e e-mail. Pichações antissemitas ocasionais e epítetos antissemitas dirigidos a judeus ortodoxos também eram visíveis em alguns bairros tradicionalmente judeus de São Paulo.

No final do ano, não havia desdobramentos conhecidos no caso de 2005 de 14 pessoas acusadas de tentativa de homicídio, formação de quadrilha e racismo por atacar três estudantes judeus em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

O Centro de Promoção do Islã na América Latina, localizado em São Bernardo do Campo, Estado de São Paulo, relatou queixas frequentes durante o ano de assédio verbal a mulheres muçulmanas que usavam véus em público.


Continue a leitura após o anúncio:
Confira  Últimas Notícias 🌎

Praticantes de religiões afro-brasileiras como Umbanda e Candomblé sofreram discriminação em vários estados, especialmente no Rio de Janeiro, mas a ONG Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio de Janeiro informou que não houve esforços governamentais de prevenção durante o ano. Segundo a ONG, os religiosos afro-brasileiros não tinham permissão para visitar hospitais ou penitenciárias para prestar assistência religiosa a pacientes ou internos, assim como outros religiosos, e o governo do Estado do Rio de Janeiro não tinha órgão para prestar assistência efetiva às vítimas de intolerância religiosa.

Para uma discussão mais detalhada, consulte o Relatório Internacional de Liberdade Religiosa de 2009 em 2009-2017.state.gov/j/drl/rls/irf/ .

d. Liberdade de circulação, pessoas deslocadas internamente, proteção de refugiados e apátridas

A constituição prevê a liberdade de circulação dentro do país, viagens ao exterior, emigração e repatriação, e o governo geralmente respeitou esses direitos na prática, embora houvesse restrições à entrada em áreas indígenas protegidas.

O governo cooperou com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e outras organizações humanitárias na proteção e assistência a refugiados, requerentes de asilo e outras pessoas de interesse.

A lei proíbe o exílio forçado e não foi praticado.

Proteção de Refugiados

A lei prevê a concessão de asilo ou status de refugiado de acordo com a Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados e seu Protocolo de 1967, e o governo estabeleceu um sistema de proteção aos refugiados. Na prática, o governo forneceu proteção contra a expulsão ou o retorno de refugiados a países onde suas vidas ou liberdade fossem ameaçadas por causa de sua raça, religião, nacionalidade, pertencimento a um determinado grupo social ou opinião política. Em 2 de julho, o presidente aprovou uma lei que permitia que estrangeiros que chegassem ao país ilegalmente até 1º de fevereiro solicitassem uma residência temporária de dois anos; no final do ano, cerca de 43.000 pessoas receberam anistia sob a nova lei. O maior grupo de beneficiários, aproximadamente 17.000, era da Bolívia.

De acordo com o Comitê Nacional Interministerial e Interinstitucional para os Refugiados (CONARE), dos 4.240 refugiados reconhecidos de 75 países diferentes do país em outubro, os maiores números eram de Angola (1.688) e Colômbia (598), dois terços eram mulheres , e 418 foram reassentados no país. Além dos refugiados oficialmente reconhecidos, havia em 2008 aproximadamente 17.500 refugiados colombianos de fato na região amazônica do país, de acordo com a Pesquisa Mundial de Refugiados de 2008.

Das cerca de 600 pessoas que o ACNUR estima que fugiram para o país do conflito de setembro de 2008 em Pando, Bolívia, o CONARE informou que 118 pedidos de asilo foram aprovados.

Seção 3 Respeito pelos Direitos Políticos: O Direito dos Cidadãos de Mudar seu Governo

A lei confere aos cidadãos o direito de mudar de governo pacificamente, e os cidadãos exerceram esse direito na prática por meio de eleições periódicas, livres e justas, baseadas no sufrágio universal. Os recrutas militares não podem votar.

Eleições e Participação Política

Na eleição nacional de 2006, geralmente considerada livre e justa, o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, conquistou um segundo mandato de quatro anos como presidente.

Os partidos políticos operavam sem restrições ou interferências externas.

As mulheres têm plenos direitos políticos. A lei exige que 30% dos candidatos registrados por cada partido político sejam mulheres. Havia nove mulheres no Senado de 81 membros e 44 mulheres na Câmara dos Deputados de 513 membros. Havia duas mulheres no gabinete de 36 membros, duas no Supremo Tribunal Federal, com 11 membros, cinco no Superior Tribunal de Justiça, com 33 membros, e uma no Superior Tribunal Militar, com 14 membros. As mulheres ocuparam 11,2% das cadeiras eleitas no nível estadual e 12,6% no nível municipal.

Havia 17 afro-brasileiros auto-identificados no Congresso, de acordo com o Centro Parlamentar Negro. Havia três afro-brasileiros autoidentificados no gabinete e um no Supremo Tribunal Federal.

Seção 4 Corrupção Oficial e Transparência do Governo

A lei prevê penalidades criminais para corrupção oficial; no entanto, o governo não implementou a lei de forma eficaz, e os funcionários frequentemente se envolveram em práticas corruptas com impunidade. Os indicadores de governança mundial do Banco Mundial refletiam que a corrupção continuava a ser um problema sério.

Reportagens e declarações da mídia circularam durante o ano alegando má conduta, má administração, nepotismo e violações de ética envolvendo atuais e ex-presidentes do Senado, outros senadores, funcionários e familiares. Nenhuma investigação formal estava em andamento no final do ano (ver seção 2.a.)

Em 6 de agosto, uma comissão de inquérito do Senado começou a investigar alegações de fraude fiscal e de compras e peculato envolvendo a estatal Petrobras. Em novembro, senadores de partidos da oposição retiraram sua participação no inquérito e alegaram que foi manipulado pela maioria do governo. No final do ano, o inquérito continuou.

Em novembro, foram divulgadas fitas de vídeo do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, e de vários de seus aliados políticos no governo estadual, aparentemente recebendo propina nos últimos anos. No final do ano, o governador permaneceu no cargo, e uma investigação da Polícia Federal prosseguiu.

Não houve desdobramentos na investigação da Polícia Federal de 2008 sobre supostas fraudes em contratos de obras públicas envolvendo quatro membros da Câmara dos Deputados, 119 cidades e a Controladoria-Geral da República.

Também não houve desdobramentos na investigação da Polícia Federal de 2008 sobre um suposto esquema plurianual de crimes financeiros que incluía lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, formação de quadrilha e outros crimes envolvendo dinheiro público.
A investigação da Polícia Federal de 2008 contra Romero Menezes, diretor executivo da Polícia Federal e seu oficial de segundo escalão, suspeito de vazar informações para seu irmão sobre uma investigação de fraude, continuou no final do ano. As autoridades demitiram Romero Menezes em dezembro de 2008 de sua diretoria executiva e, no final do ano, ele aguardava julgamento na Justiça do Estado do Pará.

Também não houve desdobramentos na acusação de 2008 pelo Ministério Público de 61 pessoas - incluindo um ex-ministro de Minas e Energia, dois governadores estaduais e dois ex-governadores estaduais - supostamente envolvidos em conspiração para fraudar o governo por meio de obras públicas superfaturadas contratos.

Durante o ano, o Supremo Tribunal continuou a ouvir testemunhas e a recolher provas em casos de 2007 contra 40 pessoas acusadas de pagamentos ilegais a legisladores em troca de apoio à legislação governamental.

Os funcionários públicos estavam sujeitos às leis de divulgação financeira. Órgãos do governo federal, como o Tribunal de Contas da União, a Controladoria-Geral da União, o Ministério Público, a Polícia Federal, o Judiciário, a Receita e o Controle das Atividades Financeiras e o Tesouro Federal existiam para combater a corrupção. As agências identificaram o financiamento de campanha e os gastos públicos como fontes de corrupção financeira; no entanto, eles tinham poderes limitados para funcionar de forma eficaz.

A lei prevê o acesso público a informações governamentais não confidenciais mediante solicitação à Comissão de Ética Pública, embora a divulgação de tais informações tenha sido muitas vezes lenta.

Seção 5 Atitude Governamental em Relação à Investigação Internacional e Não Governamental de Supostas Violações de Direitos Humanos

Vários grupos nacionais e internacionais de direitos humanos geralmente operavam sem restrições governamentais, investigando e publicando suas descobertas sobre casos de direitos humanos. Os funcionários federais muitas vezes eram cooperativos e receptivos às suas opiniões. Embora as autoridades federais e estaduais em muitos casos tenham buscado a ajuda e a cooperação de ONGs nacionais e internacionais para lidar com os problemas de direitos humanos, os monitores de direitos humanos foram ocasionalmente ameaçados e assediados - principalmente por membros da polícia estadual - por seus esforços para identificar e ação contra violadores de direitos humanos.

Embora a maioria dos estados tenha ouvidorias de polícia, algumas ONGs e observadores de direitos humanos questionaram sua independência e eficácia. As realizações dos ombudsmen variaram consideravelmente, dependendo de fatores como financiamento e pressão política externa, e não emitiram relatórios ou recomendações significativas durante o ano.

A Câmara dos Deputados e o Senado têm comissões de direitos humanos que funcionaram sem interferências e participaram de diversas atividades em todo o país em coordenação com organizações nacionais e internacionais de direitos humanos.

Em 21 de dezembro, o presidente Lula emitiu um decreto adotando o Terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos, que previa, em parte, que um projeto de lei fosse apresentado ao Congresso até abril de 2010, criando uma comissão nacional da verdade para examinar as violações de direitos humanos durante o período de 1964-85. regra militar.

Seção 6 Discriminação, Abusos Sociais e Tráfico de Pessoas

Embora a lei proíba e penalize a discriminação com base em raça, gênero, deficiência ou condição social, a discriminação contra mulheres, negros, homossexuais e indígenas continuou.

Mulheres

O governo federal continuou a operar uma linha telefônica gratuita 24 horas para mulheres em todo o país. De acordo com dados anuais da linha direta registrados pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, aproximadamente 30% do total de ligações foram do Estado de São Paulo. O número de chamadas recebidas em todo o país aumentou 33% em comparação com o mesmo período de 2008, chegando a 401.729. Das denúncias recebidas, 40.857 diziam respeito à violência (física, psicológica, moral, sexual e outras), em comparação com 24.523 denúncias desse tipo em 2008. Setenta por cento das pessoas que ligaram relataram ser espancadas diariamente e 12,7%, semanalmente; a maioria culpou os parceiros domésticos, que geralmente estavam sob a influência de álcool ou drogas. Aproximadamente um quarto das mulheres que utilizaram a linha direta se consideravam pardas, casadas e/ou cursaram o ensino médio;

A violação, incluindo a violação conjugal, é um crime punível com prisão de oito a 10 anos; no entanto, os homens que mataram, agrediram sexualmente ou cometeram outros crimes contra as mulheres dificilmente seriam levados a julgamento. Os dados anuais da linha direta nacional incluíram 390 incidentes de violência sexual dentro do total de denúncias de violência. De janeiro a agosto, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo registrou 1.998 casos de estupro, ante 2.562 no mesmo período de 2008. Não havia informações disponíveis sobre o número de processos ou condenações por estupro.

De acordo com uma pesquisa nacional do Instituto Avon/Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística realizada em fevereiro, 62% das mulheres e 48% dos homens conheciam uma mulher que sofria de violência doméstica. Dos entrevistados, 24 por cento disseram que as mulheres continuam com um parceiro abusivo por razões econômicas; 23 por cento, para o bem-estar das crianças; e 17 por cento, por temerem por suas vidas. Cinquenta e seis por cento dos entrevistados não tinham confiança de que a polícia ou o sistema judicial pudessem proteger uma mulher abusada.

A violência doméstica permaneceu generalizada e subnotificada às autoridades. Das denúncias de violência doméstica registradas pela linha direta durante o ano, 52% foram consideradas violência física e 22% foram ameaças. Para esses casos, a lei aumenta a pena de um para três anos de prisão e cria juizados especiais. Não havia informações disponíveis sobre o número de processos ou condenações por violência doméstica.

O governo federal estimulou a criação de juizados especiais para violência doméstica e familiar e, de acordo com o Conselho Nacional de Justiça em março, 22 dos 26 estados mais o Distrito Federal tinham esses tribunais. Por exemplo, em 22 de janeiro, o Estado de São Paulo instalou o Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O governo federal também promoveu cursos de capacitação para juízes.

Cada secretaria estadual de segurança pública operava delegacias dedicadas exclusivamente ao atendimento de crimes contra a mulher (DEAMs), totalizando 415 em todo o país. A qualidade dos serviços geralmente variava e a disponibilidade era particularmente limitada em áreas isoladas. Por exemplo, as regiões Norte e Nordeste, que continham aproximadamente 35% da população do país, possuíam apenas 24% das DEAMs do país. As estações forneceram aconselhamento psicológico, abrigo temporário e tratamento hospitalar para vítimas de violência doméstica e estupro (incluindo tratamento para HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis), bem como assistência em processos criminais, investigando e encaminhando provas aos tribunais. Havia também 125 centros de referência e 67 abrigos para mulheres.

No Rio de Janeiro, o Centro de Estudos de Políticas para as Mulheres (CEPIP) da cidade atendeu mulheres vítimas de violência doméstica que receberam ameaças de morte. Quando necessário, as vítimas eram encaminhadas para abrigos específicos, que também prestavam assistência psicológica e jurídica. O CEPIP operava um abrigo (Cora Coralina) com capacidade para atender 42 vítimas de violência doméstica. Além do CEPIP, as vítimas de violência doméstica puderam obter atendimento no Centro de Apoio à Mulher, uma iniciativa do governo do estado do Rio de Janeiro que oferecia um telefone para denúncias, abrigos e apoio psicológico e jurídico.

A lei exige que os estabelecimentos de saúde entrem em contato com a polícia em casos em que uma mulher foi agredida física, sexualmente ou psicologicamente para coletar provas e depoimentos caso a vítima decida processar.

A prostituição é legal, mas explorá-la por meio de atividades associadas, como operar um bordel, é ilegal. Embora nenhuma lei específica aborde o turismo sexual, é punível sob outras ofensas criminais. O governo emitiu um “código de conduta para combater o turismo sexual e a exploração sexual” e realizou campanhas nas áreas mais afetadas. O Distrito Federal e os estados do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Espírito Santo, Amazonas e Paraná tinham leis que exigiam que certos estabelecimentos exibissem cartazes com as penalidades por ter relações sexuais com um menor. Grupos de mulheres relataram que as prostitutas encontraram discriminação ao procurar atendimento médico gratuito. O tráfico de mulheres para fins de prostituição era um problema sério.

O assédio sexual é uma ofensa criminal, punível com até dois anos de prisão. A lei abrange avanços sexuais no local de trabalho ou em instituições de ensino e entre prestadores de serviços ou clientes. No local de trabalho aplica-se apenas em situações hierárquicas, onde o assediador é de hierarquia ou posição superior à da vítima. Embora a lei tenha sido aplicada, as acusações eram raras e a extensão do problema não foi documentada.

Casais e indivíduos tinham o direito de decidir o número, o espaçamento e o momento dos filhos, e tinham a informação e os meios para fazê-lo sem discriminação. O acesso à informação sobre contracepção e atendimento especializado no parto e no pós-parto estava geralmente disponível nas áreas urbanas, mas não nas rurais. Mulheres e homens tiveram acesso igual a serviços de diagnóstico e tratamento para infecções sexualmente transmissíveis.

Não foram registrados desdobramentos durante o ano no caso de Aline da Silva Pimentel, uma mulher afro-brasileira que morreu no final de 2002 após complicações no parto. Seu atendimento primário de emergência ocorreu em um hospital municipal de Belford Roxo, e ela faleceu em um hospital de Nova Iguaçu. Em 2003, a família da vítima ajuizou ação contra o município de Belford Roxo e o estado do Rio de Janeiro, pedindo indenização por homicídio culposo. Em 2008, foi apresentada uma petição em nome da vítima perante um comitê da ONU, alegando que seu acesso a cuidados obstétricos de emergência estava bloqueado e que, portanto, havia uma violação de seus direitos sob a Convenção sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher.

As mulheres têm os mesmos direitos legais que os homens. Um escritório de nível ministerial, a Secretaria de Políticas para as Mulheres, supervisiona uma entidade especial encarregada de garantir os direitos legais das mulheres. Embora a lei proíba a discriminação com base no sexo no emprego e nos salários, houve disparidades salariais significativas entre homens e mulheres. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), muitas vezes as mulheres recebiam menos que os homens nas mesmas funções.

A lei prevê 120 dias de licença-maternidade remunerada para mulheres e sete dias de licença-paternidade para homens. A lei também proíbe os empregadores de exigir que os candidatos ou funcionários façam testes de gravidez ou apresentem certificados de esterilização, mas alguns empregadores buscaram certificados de esterilização de candidatas a emprego ou tentaram evitar a contratação de mulheres em idade fértil. As violações da lei são puníveis com penas de prisão de até dois anos para os empregadores, enquanto a empresa pode ser multada em 10 vezes o salário do funcionário mais bem pago.

Crianças

A cidadania é derivada do nascimento no país ou de um dos pais. De acordo com a SEDH, cerca de 12% das crianças nascidas no país durante o ano não foram registradas e um total estimado de 400 mil crianças não possuíam certidões de nascimento. Houve grandes discrepâncias de registro entre os estados mais abastados do sul e sudeste e os estados mais pobres das regiões norte e nordeste do país. Durante o ano, o governo federal lançou uma campanha para aumentar os nascimentos notificados e padronizar a certificação, com foco nas regiões Norte e Nordeste e nas populações mais vulneráveis ​​e rurais.

Embora a lei proíba submeter qualquer criança ou adolescente a negligência ou abuso, esse abuso era um grande problema e incluía estupro, abuso sexual e gravidez de meninas por membros da família. De janeiro a agosto, a Linha Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, operada pela SEDH, registrou 21.714 denúncias de abuso, aproximadamente o mesmo que no período de 2008. Aproximadamente 62% das vítimas eram meninas; as queixas habituais foram negligência e violência sexual. As meninas também sofreram um pouco mais do que os meninos com agressões físicas e psicológicas. As alegações de abuso de menores e o julgamento de crimes contra crianças não foram investigados de forma adequada ou agressiva.

De acordo com a ONG Rede Infantil de Combate à Violência, que opera três centros na área de São Paulo, o número de casos notificados de abuso sexual e agressão física contra crianças triplicou de outubro de 2008 a maio de 2009 devido principalmente à maior disposição para denunciar. Os centros, com 46 assistentes sociais, atenderam 457 casos de abuso envolvendo 380 famílias.

A prostituição infantil era um problema, sendo a pobreza extrema o principal contribuinte. A Polícia Federal continuou a estimar que mais de 250.000 crianças estavam envolvidas na prostituição. A lei estabelece uma idade mínima para sexo consensual de 14 anos, com a pena para estupro estatutário variando entre 8 e 15 anos de prisão. A central telefônica nacional registrou 27.159 casos notificados de exploração sexual de crianças e adolescentes entre janeiro e novembro. Um estudo de 2006 da Universidade de Brasília descobriu que aproximadamente um quarto dos 1.514 destinos turísticos frequentados por cidadãos tinha um mercado comercial sexual ativo para crianças e adolescentes e também encontrou, em combinação com a SEDH e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, sexo comercial envolvendo crianças e adolescentes adolescentes em aproximadamente um sexto dos 5.561 municípios do país.

O tráfico de crianças para fins de exploração sexual era um problema sério. O disque-denúncia nacional, estabelecido em coordenação entre a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, recebeu 58 denúncias durante o ano desse tráfico, tanto nacional quanto internacionalmente.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou oito hotéis e restaurantes envolvidos em uma rede de exploração sexual infantil em duas áreas da cidade. O jornal O Globo noticiou em abril que traficantes de drogas e policiais corruptos exploraram crianças em 11 áreas da cidade; As autoridades indiciaram os policiais militares Ailton Neto e Manoel Costa por extorsão de crianças que se prostituíam para financiar seu vício em drogas, mas não houve desdobramentos do caso até o final do ano.

Segundo a ONG Centro de Referência da Criança e do Adolescente (CECRIA), os padrões de exploração sexual de crianças correspondiam aos distintos perfis econômicos e sociais das regiões do país. Na região amazônica, a exploração sexual de crianças acontecia em bordéis que atendiam a assentamentos de garimpeiros. Nos grandes centros urbanos, as meninas que saíam de casa para escapar de abuso ou exploração sexual muitas vezes se prostituíam nas ruas para sobreviver. Nas cidades ao longo da costa nordeste, o turismo sexual que explora crianças era predominante e envolvia redes de agentes de viagens, funcionários de hotéis, motoristas de táxi e outros que recrutavam ativamente crianças e também as traficavam para fora do país. A prostituição infantil também se desenvolveu nas áreas servidas pelos rios navegáveis ​​do país, principalmente nos portos e nas fronteiras internacionais.
Não houve desdobramentos conhecidos na investigação da Polícia Federal de 2008 em Manaus sobre alegações de que uma empresa de viagens de propriedade estrangeira organizou expedições de pesca para a região amazônica que na verdade eram passeios sexuais para pedófilos estrangeiros.

A investigação de 2007 da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados terminou em dezembro de 2008 com a condenação e condenação do vereador Roberto Alan de Souza Costa a 12 anos de prisão pelo estupro de uma menina de 13 anos que fazia parte de um rede de prostituição infantil em Portel, Pará. O processo contra outro vereador, Adson de Azevedo Mesquita, por patrocinar orgias envolvendo adolescentes, continuava sob investigação no final do ano, sem desdobramentos conhecidos e esperados. A rede envolveu políticos, empresários, donos de hotéis e taxistas da cidade; crianças vítimas que denunciaram esses crimes foram ameaçadas e forçadas a se esconder junto com suas famílias. No final do ano também não havia informações conhecidas, e nenhuma era esperada,

Em janeiro, um juiz libertou as quatro pessoas que as autoridades prenderam em Taquara, Rio Grande do Sul, em 2007 e detiveram por suspeita de pedofilia e tráfico de crianças. O juiz agiu porque, embora o caso continuasse em aberto, considerou excessivo o tempo já cumprido.

Embora o país não seja um grande produtor de pornografia infantil, esse material se espalhou durante o ano em sites de redes sociais. Após uma lei de 2008 criminalizar o porte de pornografia infantil, a Polícia Federal realizou em maio uma operação contra a pornografia infantil online. Não houve desdobramentos conhecidos depois que policiais filtraram cerca de 3.500 pistas e cumpriram 92 mandados de busca em 20 estados e no Distrito Federal para fiscalizar computadores e apreender material ilegal. A pena para posse de pornografia infantil é de até quatro anos de prisão e multa. Quem produzir, reproduzir ou colocar à venda pornografia infantil ou recrutar uma criança para participar de uma produção pornográfica pode ser preso até oito anos e multado.

O principal programa federal de atendimento a crianças vítimas de exploração sexual comercial, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, era o Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (antigo Programa Sentinela). Ofereceu às vítimas atendimento psicológico, social e jurídico por meio de Centros de Referência Especializados de Assistência Social, administrados localmente e sensibilizados por meio de campanhas de informação, oficinas e parcerias. O Ministério do Turismo continuou a promover o código de conduta que desenvolveu para prevenir a exploração sexual comercial de crianças na indústria do turismo, distribuiu materiais de campanha de conscientização pública para exibição em estabelecimentos relacionados ao turismo, e deu continuidade à distribuição de prêmios a entidades responsáveis ​​pelo combate à exploração sexual infantil no setor. A Polícia Rodoviária Federal e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgaram dados sobre locais como postos de gasolina, bares, restaurantes, motéis e casas noturnas ao longo de rodovias consideradas áreas de exploração sexual de crianças e adolescentes.

Na cidade do Rio de Janeiro, a Secretaria de Assistência Social coordenou o atendimento a crianças e menores de rua vítimas de abuso e exploração sexual. De acordo com o Centro de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, a cidade mantinha cinco centros que prestavam serviços sociais, aconselhamento e abrigo, embora a cidade descontinuou sua linha direta para denunciar casos de abuso e exploração sexual infantil em janeiro. A prefeitura de São Paulo continuou a operar diversos programas para crianças de rua, inclusive um que utilizou reabilitação e reinserção social em outras áreas geográficas para salvar a vida de adolescentes condenados à morte por traficantes de drogas.

Tráfico de Pessoas

Embora a lei criminalize todas as formas de tráfico, as pessoas foram traficadas de, dentro e, em menor grau, para o país. As estatísticas consolidadas do governo não estavam disponíveis.

As autoridades continuaram a estimar que milhares de mulheres e adolescentes são traficadas anualmente de todas as partes do país, tanto nacional como internacionalmente, para exploração sexual comercial. O governo informou que existiam rotas de tráfico em todos os estados e no Distrito Federal. O Estudo Nacional de 2002 sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual identificou 241 rotas de tráfico internacionais e nacionais, mas alguns aspectos do estudo eram obsoletos.

De acordo com a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), as vítimas de tráfico sexual internacional destinavam-se principalmente à Espanha, Holanda, Venezuela, Itália e Portugal; e vítimas do tráfico internacional de mão de obra, para a Bolívia e o Paraguai.

O tráfico interno de trabalhadores rurais para esquemas de trabalho forçado foi um problema sério, enquanto o tráfico de áreas rurais para urbanas ocorreu em menor grau. Os líderes sindicais alegaram que quase todas as pessoas que trabalhavam como trabalhadores forçados foram traficadas por recrutadores de mão de obra. Os inspetores do trabalho encontraram um pequeno número de pessoas de outros países - principalmente bolivianos, paraguaios e coreanos - traficados para o país para trabalhar em fábricas urbanas, principalmente na cidade e no estado de São Paulo. Os recrutadores de mão de obra geralmente recrutavam trabalhadores de pequenos municípios do norte e nordeste e os transportavam para fazendas e plantações em áreas remotas no centro-oeste do país. A maioria dos trabalhadores escravos traficados internamente é originária dos estados do Maranhão e Piauí,

O tráfico interno fornecia trabalho forçado, principalmente de áreas urbanas para rurais, para trabalho agrícola e exploração sexual comercial. Isso normalmente ocorria quando os empregadores recrutavam trabalhadores de cidades rurais pobres e os transportavam para áreas remotas onde a fuga era difícil. Os trabalhadores então foram obrigados a trabalhar em condições brutais até que pudessem pagar dívidas infladas.

O turismo sexual existia em todo o país, mas era mais aparente nas cidades litorâneas do nordeste, sul e sudeste e em importantes destinos turísticos como Rio de Janeiro e Fortaleza, Ceará, bem como nas áreas turísticas da vida selvagem do Pantanal e do Amazonas.

O CECRIA descobriu que as vítimas típicas do tráfico sexual eram mulheres de pele mais escura entre 15 e 27 anos, mas os pesquisadores também notaram a presença de meninos adolescentes como vítimas, alguns dos quais trabalhavam como travestis. As pessoas exploradas em esquemas de tráfico geralmente vinham de famílias de baixa renda e geralmente não tinham concluído o ensino médio. Os traficantes muitas vezes atraíam as vítimas com promessas de trabalho lucrativo como dançarinas ou modelos na Europa; vencedores de concursos de beleza foram citados como alvos comuns. As meninas eram recrutadas em clubes e agências de modelos ou pela Internet, anúncios de procura, esquemas de noivas por correspondência ou serviços de empregada doméstica e au pair. A maioria das mulheres que foram traficadas internacionalmente tinham mais de 18 anos, mas as vítimas mais jovens também foram traficadas com documentos falsificados.

Policiais acreditavam que algumas mulheres recrutadas por organizações de tráfico entendiam que deveriam trabalhar como prostitutas, mas não sabiam sobre as condições de trabalho e seus ganhos potenciais. Em outros casos, as mulheres foram informadas de que trabalhariam como babás ou domésticas. Na chegada, os passaportes das vítimas eram muitas vezes confiscados, e elas eram forçadas a se prostituir e viver em confinamento virtual. Além de ameaçar com violência física, os traficantes costumavam usar dívidas e isolamento para controlar as vítimas. O tráfico de pessoas estava ligado a redes internacionais de crime, incluindo drogas, tráfico de armas e lavagem de dinheiro. Os traficantes eram predominantemente cidadãos e geralmente estavam associados a atividades como bordéis, agências de acompanhantes, boates e agências de turismo.

A lei estabelece pena de até oito anos de reclusão e multa para o tráfico interno ou externo de pessoas para fins de prostituição; as sentenças podem ser aumentadas para 12 anos quando houver violência, ameaças ou enganos. A lei exige a permissão ou a presença de ambos os pais para que as crianças saiam do país; também proíbe que crianças deixem o país com um estrangeiro, a menos que as autoridades dêem autorização prévia.

As leis sobre o tráfico para exploração sexual eram difíceis de aplicar, particularmente em relação ao tráfico doméstico. Os infratores das leis antitráfico raramente recebiam penalidades criminais devido aos estatutos de prescrição. Os policiais relataram dificuldade em prender os traficantes devido à necessidade de prendê-los no ato de trafegar com as vítimas. De acordo com a polícia, algumas mulheres deixaram o país com traficantes por vontade própria. O medo de represálias e a falta de conhecimento do recurso legal também impediram as vítimas de procurar a intervenção da polícia ou testemunhar contra os traficantes. Além disso, como as leis de tráfico de pessoas eram relativamente novas no país e não totalmente compreendidas por muitos funcionários judiciais, os tribunais muitas vezes classificavam esses casos de forma errada. Como resultado, houve poucas condenações criminais por tráfico.

Quinze ministérios e secretarias de governo estiveram envolvidos na implementação do plano nacional de combate ao tráfico de pessoas, notadamente a SEDH e diversos órgãos dos Ministérios da Justiça (incluindo a Polícia Federal), Turismo, Desenvolvimento Social e Trabalho e Emprego. A Polícia Rodoviária Federal foi responsável pela conferência de documentos e fiscalização do trânsito nas rodovias e rodovias; ocasionalmente, eles estavam envolvidos na apreensão de suspeitos de tráfico. As polícias federal e estadual monitoraram a Internet para detectar recrutamento por traficantes sexuais. Operando sob o SNJ, que estava construindo um banco de dados nacional para rastrear dados de vítimas e traficantes, escritórios antitráfico nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Goiás monitoravam o tráfico doméstico e internacional. De 2004 ao início de 2009,

Em janeiro, a Polícia Federal prendeu quatro cidadãos e um suíço envolvidos no tráfico de mulheres do Estado de Goiás para a Suíça. No final do ano não havia desenvolvimentos conhecidos.

Em março, a polícia espanhola resgatou 28 mulheres traficadas do Brasil para Barcelona, ​​na Espanha, para prostituição. No final do ano, a investigação continuou.

Em julho, as autoridades acusaram dois cidadãos e cinco estrangeiros no Estado do Tocantins de tráfico de mulheres para Espanha e Portugal e oito pessoas no Estado do Espírito Santo de tráfico de mulheres para a Europa. Neste último caso, duas das prisões foram na Itália e seis no Rio de Janeiro e no Espírito Santo.

Em agosto, a Polícia Federal prendeu 18 supostos integrantes de uma quadrilha de tráfico centrada em São Paulo que supostamente abastecia o mercado de prostituição de luxo nos Estados Unidos, Caribe e Europa com cerca de 200 mulheres por ano.

Houve 43 investigações da Polícia Federal em casos de tráfico de pessoas durante o ano, em comparação com 89 investigações em 2008. A Justiça Federal de Goiás condenou cinco pessoas por tráfico internacional para fins de exploração sexual em 2008. Não houve desdobramentos conhecidos sobre as prisões de 14 pessoas durante 2008 por tráfico interno e internacional de pessoas nos estados de São Paulo, Ceará, Mato Grosso e Goiás, incluindo os casos de seis pessoas acusadas de tráfico internacional e conspiração que no final de 2008 estavam sendo julgadas na Tribunal Federal de Mato Grosso.

As vítimas de tráfico não eram tratadas como criminosas, e a polícia geralmente encaminhava as vítimas para centros de tratamento e aconselhamento. No entanto, o acesso a esses serviços era limitado devido à falta de apoio financeiro do governo, e os esforços muitas vezes eram inconsistentes e subfinanciados. O governo cooperou com vários abrigos ou centros de saúde dedicados especificamente às vítimas do tráfico e treinou trabalhadores em mais de 600 centros para ajudar as vítimas do tráfico. A Secretaria de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome operava mais de 400 centros de atendimento às vítimas de abuso sexual, exploração e violência doméstica. As ONGs forneceram assistência às vítimas em treinamento profissional, aconselhamento e outras assistências de reintegração na comunidade. As ONGs locais ajudaram as vítimas de tráfico com atividades de reciclagem e aconselhamento. Dezoito estados se integraram ao sistema nacional de proteção a testemunhas mantido pela SEDH, com outro estado em processo de integração. O governo federal investiu cerca de 13 milhões de reais (aproximadamente US$ 7,5 milhões) no programa de testemunhas e colocou 982 pessoas sob sua proteção durante o ano.

A SEDH realizou campanhas de informação antitráfico. O SNJ continuou a liderar uma campanha de conscientização pública do governo para deter os traficantes internacionais e sensibilizar suas potenciais vítimas para os perigos. Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco e outros realizaram campanhas estaduais semelhantes.

Organizações trabalhistas e ONGs continuaram realizando campanhas de prevenção para complementar as ações da Polícia Federal e da Polícia Civil Estadual.

O Relatório anual de Tráfico de Pessoas do Departamento de Estado pode ser encontrado em 2009-2017.state.gov/j/tip .

Pessoas com deficiências

A lei proíbe a discriminação contra pessoas com deficiência física e mental no emprego, educação e acesso a cuidados de saúde, e o governo federal efetivamente aplicou essas disposições. No entanto, os governos estaduais não cumpriram as metas legalmente exigidas para oportunidades educacionais e colocação de trabalho. Embora as leis federais e estaduais tenham disposições que garantam o acesso a edifícios para pessoas com deficiência, os estados não tinham programas para aplicá-las de forma eficaz. Por exemplo, embora o código trabalhista do Estado de São Paulo exija que locais de reunião para mais de 100 pessoas ou outras instalações para 600 pessoas ou mais forneçam entradas modificadas e outras acomodações para pessoas com deficiência, essas pessoas continuaram tendo dificuldade em garantir as acomodações necessárias.

O Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e o Conselho Nacional dos Direitos do Idoso, ambos da SEDH, têm a responsabilidade primordial de promover os direitos das pessoas com deficiência.

Minorias Nacionais/Raciais/Étnicas

Embora a lei proíba a discriminação racial, os cidadãos de pele mais escura, principalmente os afro-brasileiros, frequentemente se deparam com discriminação.

A lei proíbe especificamente a negação de instalações públicas ou privadas, emprego ou moradia a qualquer pessoa com base na raça. A lei também proíbe e prevê penas de prisão para o incitamento à discriminação ou preconceito racial e a disseminação de símbolos e epítetos racialmente ofensivos.

Os afro-brasileiros, representando quase metade da população, estavam significativamente sub-representados no governo, nos cargos profissionais e nas classes média e alta. Eles experimentaram uma taxa mais alta de desemprego e ganharam salários médios aproximadamente metade dos de uma pessoa branca. Havia também uma diferença considerável de educação racial.

Em 2008, em um relatório do governo à ONU, a SEDH reconheceu a existência de racismo no país, mas afirmou que o governo tomou e está tomando ações afirmativas para reduzi-lo, incluindo cotas de admissão universitária para afrodescendentes.

Sessenta e oito universidades mantiveram programas de ação afirmativa, incluindo as principais universidades públicas do Distrito Federal e dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia. Por exemplo, a Universidade de Brasília admitiu 3.275 alunos autodeclarados negros durante o ano usando uma cota. De acordo com um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro divulgado em 2008, aproximadamente metade das universidades públicas federais e estaduais tinha sistema de cotas ou bônus de exame.

Povo indígena

A lei garante à população indígena ampla proteção de seu patrimônio cultural e uso exclusivo de suas terras tradicionais. Embora existissem muitos problemas, o governo continuou a fazer progressos limitados na garantia desses direitos. A lei concede aos indígenas o uso exclusivo e benéfico do solo, águas e minerais em terras indígenas, mas o Congresso deve aprovar cada caso. O governo administra as terras, mas deve considerar as opiniões das comunidades afetadas em relação ao seu desenvolvimento ou uso, e as comunidades têm o direito de “participar” dos benefícios obtidos com tal uso. No entanto, líderes e ativistas indígenas reclamaram que os indígenas tiveram participação limitada nas decisões tomadas pelo governo que afetam suas terras, culturas, tradições e alocação de recursos nacionais.
A Fundação Nacional do Índio (FUNAI) estimou que havia mais de 500.000 indígenas em 225 sociedades em terras indígenas e mais 100.000 a 190.000 indígenas vivendo fora dessas áreas, inclusive em ambientes urbanos. Em outubro , o jornal O Estado de S. Paulo relatou uma estimativa de 150.000 eleitores indígenas no país e marcou uma tendência de aumento da representação política indígena, incluindo cinco prefeitos e 90 vereadores.

O governo estimou que mais da metade dos indígenas do país vivia na pobreza em comunidades cujos modos de vida tradicionais estavam ameaçados em várias frentes, incluindo o desenvolvimento da terra, expansão agrícola e mineração. A FUNAI informou que os indígenas também enfrentam outros problemas, incluindo doenças, assistência médica precária e perda da cultura nativa.

Enquanto a Constituição de 1988 cobrava do governo federal a demarcação de áreas indígenas em cinco anos, o governo não completou as quatro fases do processo (identificação, declaração, aprovação e registro).

Em decisão histórica de 19 de março, o Supremo Tribunal Federal manteve a demarcação da grande reserva Raposa Serra do Sul, no Estado de Roraima, como território indígena contíguo, ordenou a retirada de arrozeiros não indígenas da terra e articulou 19 condicionantes para o exercício do Estado poder em relação às terras indígenas. O tribunal rejeitou a visão de que a reserva ameaçava o desenvolvimento ou a segurança do estado e endossou a visão do poder executivo federal. Confrontos entre indígenas e produtores de arroz na reserva em 2008 resultaram no ferimento de 10 indígenas.

Uma lei promulgada em junho permite a transferência de propriedades na região amazônica para quem as ocupava antes de dezembro de 2004 e cuja ocupação foi pacífica.

Em um relatório de agosto, um relator especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU observou a ausência de um mecanismo efetivo de consulta aos povos indígenas sobre o planejamento de grandes projetos de desenvolvimento, como construção de rodovias e barragens e mineração em grande escala. O relator especial também criticou o governo por não proteger a terra de forasteiros e pela atenção inadequada às necessidades de saúde e educação da população indígena, embora o relatório tenha mencionado a criação do governo de 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas para fornecer uma rede de serviços adaptados às necessidades da comunidade indígena.

Em outubro, o Ministério da Justiça decretou o reconhecimento dos limites da terra indígena Guyraroka, pertencente à tribo Guarani-Kaiowa no Mato Grosso do Sul, após mais de 10 anos de disputa.

Em 21 de dezembro, o presidente decretou terras, principalmente na região amazônica e totalizando aproximadamente 19.300 milhas quadradas, como reservas indígenas. Agricultores do Mato Grosso do Sul contestaram a constitucionalidade do decreto e, em 29 de dezembro, o presidente do STF o suspendeu em relação a uma fazenda não indígena naquele estado até que o tribunal decida o mérito do caso.

Pessoas não indígenas que exploravam ilegalmente terras indígenas para mineração, extração de madeira e agricultura frequentemente destruíam o meio ambiente e a vida selvagem, espalhavam doenças e provocavam confrontos violentos. A FUNAI, que reconheceu recursos insuficientes para proteger as terras indígenas de invasões, dependia da Polícia Federal insuficiente e mal equipada para a aplicação da lei em terras indígenas.

As disputas entre indígenas e não indígenas às vezes se transformavam em violência. A maioria dos conflitos dizia respeito à propriedade da terra ou direitos de exploração de recursos. As tensões foram particularmente agudas no estado de Mato Grosso do Sul, onde a negação do acesso às terras tradicionais, a extrema pobreza e as mazelas sociais relacionadas levaram a altas taxas de mortalidade infantil e violência, incluindo assassinato e suicídio. Em janeiro, seis membros da tribo Guarani-Kaiowá no Estado do Mato Grosso do Sul cometeram suicídio; não havia desdobramentos conhecidos no final do ano em relação ao inquérito policial civil resultante.

Em 12 de fevereiro, cerca de 25 policiais civis invadiram a aldeia Guarani-Kaiowa de Passo Piraju, Mato Grosso do Sul, e detiveram quatro membros da tribo acusados ​​de receptação de bens roubados, porte ilegal de arma e formação de quadrilha criminosa. Segundo moradores, a polícia arrombou portas de casas, danificou casas e a escola, e levou dinheiro e utensílios domésticos. Em setembro, um tribunal libertou dois dos acusados ​​devido a atrasos indevidos no processo legal.

Em junho, a Polícia Federal teria abusado de cinco Tupinabás em Ilhéus, Bahia, para forçar sua confissão de um assassinato envolvendo uma disputa de terras com um fazendeiro não indígena. Uma investigação da Polícia Federal sobre sua denúncia estava pendente no final do ano (ver seção 1.c.).

Em 18 de setembro, um grupo de 10 homens atacou a comunidade Guarani-Kaiowa Apyka'y, atirou e feriu um membro da tribo e incendiou vários abrigos. Quatro dias antes, abrigos em uma comunidade Guarani-Kaiowá foram incendiados. No final do ano, não havia desenvolvimentos conhecidos na investigação resultante do Ministério Público sobre ambos os incidentes.

De acordo com o Conselho Indigenista Missionário, 60 indígenas foram mortos em 2008.

Não houve desdobramentos na investigação da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul sobre os suicídios de 34 membros da tribo Guarani-Kaiowá em 2008.

No final do ano, não havia desdobramentos conhecidos na investigação policial sobre o assassinato do líder indígena Ortiz Lopes, em 2007, no Mato Grosso do Sul.

A precária situação de saúde dos grupos indígenas continuou em muitos estados. Desnutrição, dengue, malária, hepatite, tuberculose e parasitas estavam entre as doenças frequentes e as principais causas de morte, segundo o relator especial da ONU. As mulheres indígenas sofreram desproporcionalmente com o câncer do colo do útero. As queixas continuaram em relação ao transporte precário para levar médicos às comunidades e levar pacientes aos hospitais. O Ministério da Saúde criou uma Secretaria Especial de Saúde Indígena em 2008 para melhorar a prestação de serviços de saúde às comunidades indígenas. Encarregou um grupo de trabalho, composto por especialistas da FUNAI e da Fundação Nacional de Saúde, de identificar e capacitar os membros da comunidade como agentes de saúde. Por exemplo, em Mato Grosso do Sul,

Não foram relatados desdobramentos sobre o recurso da Companhia Vale do Rio Doce da decisão do Tribunal Federal do Estado do Pará de setembro de 2008 para reinstituir pagamentos mensais a grupos tribais Xikrin ou o processo civil relacionado do Ministério Público, ambos pendentes no final do ano.
Criada em abril de 2008, a Comissão Nacional de Políticas Indígenas – composta por representantes de tribos indígenas, grupos da sociedade civil e várias entidades governamentais – examinou maneiras de melhorar as políticas governamentais e a prestação de serviços de saúde aos indígenas e incorporar as preocupações indígenas no plano anticrime do governo federal. Em outubro a comissão se reuniu em Rio Branco, no Acre, para discutir as questões políticas indígenas do estado e a exploração mineral na terra indígena Cinta Larga.

De acordo com o Ministério da Educação, 20 universidades estaduais e federais continuaram reservando vagas para indígenas. O número de estudantes universitários indígenas, quase 5.000 ou aproximadamente 1% do total de estudantes universitários, permaneceu inalterado.

Abusos sociais, discriminação e atos de violência baseados em orientação sexual e identidade de gênero

A lei federal não proíbe a discriminação com base na orientação sexual, mas vários estados e municípios, como São Paulo, tinham regulamentos administrativos que proíbem a discriminação com base na orientação sexual e proporcionam igualdade de acesso aos serviços governamentais.

Entre janeiro e setembro, a ONG Bahia Gay Group recebeu 115 denúncias de assassinatos no país por orientação sexual e identidade de gênero, uma queda de 186 no mesmo período de 2008. Os gays foram o grupo mais atingido, seguidos por travestis e lésbicas . Durante o ano o Paraná teve o maior número de casos de homicídios de gays (19), seguido pelos estados da Bahia (18) e São Paulo (10). Grupos ativistas alegaram que a violência contra gays, lésbicas e transgêneros e, em particular, travestis foi subnotificada (ver também seção 1.a.). Meninos considerados efeminados eram traficados dentro e fora do país para trabalhar como prostitutas travestis. A polícia assediava rotineiramente as prostitutas travestis.

O programa do Rio de Janeiro "Rio sem Homofobia" --criado em maio de 2008 para replicar um programa nacional voltado para a assistência à comunidade homossexual -- permaneceu em desenvolvimento.

Outras Violências ou Discriminação Social

Não houve casos relatados de violência social ou discriminação com base em pessoas com HIV/AIDS durante o ano.

Seção 7 Direitos do Trabalhador

uma. O Direito de Associação
A lei prevê a representação sindical de todos os trabalhadores (exceto membros das forças armadas, policiais uniformizados e bombeiros), mas impõe um sistema hierárquico e unitário financiado por um imposto sindical obrigatório para trabalhadores e empregadores. Novos sindicatos devem se registrar no MTE, que aceita o registro, a menos que sejam apresentadas objeções por outros sindicatos. Os sindicatos que representam trabalhadores da mesma área geográfica e categoria profissional podem contestar o registro, caso em que a Secretaria de Relações do Trabalho do MTE tem 15 dias para considerar a validade da impugnação. Se a objeção for julgada procedente, o MTE não registra o sindicato. Os organizadores sindicais podem contestar essa decisão na Justiça do Trabalho.

A lei estipula algumas restrições, como a "unicidade" (uma por cidade), que limita a liberdade de associação ao proibir vários sindicatos concorrentes da mesma categoria profissional em uma determinada área geográfica. A maioria dos elementos do movimento sindical e da Confederação Sindical Internacional criticou a unicidade. Embora existissem vários sindicatos concorrentes, o MTE e os tribunais impunham a unicidade nas decisões sobre o registro de novos sindicatos.

A lei estende o reconhecimento legal às centrais sindicais que atendem a determinados requisitos de filiação e representação regional. Tal reconhecimento permite que centrais qualificadas representem legalmente os trabalhadores em tribunais, conselhos públicos e outros órgãos.

A Organização Central Única dos Trabalhadores estimou que 20 a 25 por cento dos trabalhadores eram sindicalizados. A maioria dos trabalhadores do setor informal, incluindo trabalhadores autônomos e não registrados no MTE, estava fora da estrutura sindical oficial; portanto, não gozavam de representação sindical e geralmente não podiam exercer plenamente seus direitos trabalhistas. De acordo com estatísticas do governo, o setor informal representou em 2008 aproximadamente 38% da força de trabalho; na agricultura, 70% dos trabalhadores não tinham registro.

A intimidação e os assassinatos de sindicalistas rurais e seus agentes continuaram. 

A Comissão Pastoral da Terra da Igreja Católica informou que a violência nas áreas rurais vitimizou os líderes trabalhistas, com a maioria dos perpetradores gozando de impunidade (ver seção 1.a.).

Em 23 de agosto, dois homens mascarados balearam e feriram Elio Neves, presidente da Federação dos Assalariados Rurais do Estado de São Paulo e conhecido por sua representação dos trabalhadores da cana-de-açúcar, em Riberão Bonito, São Paulo. No final do ano não houve prisões.

Não houve desdobramentos na tentativa de assassinato em agosto de 2008 do líder do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Joinville Frota no estado do Amapá, supostamente durante uma disputa entre o sindicato e duas empresas de transporte.

A lei prevê o direito de greve a todos os trabalhadores, exceto forças armadas, policiais militares e bombeiros. A polícia civil está autorizada a fazer greves, e os trabalhadores exerceram esse direito na prática. A Inspetoria-Geral da Polícia Militar é responsável por fiscalizar o cumprimento das leis e regulamentos relativos às polícias militares e aos corpos de bombeiros dos estados. Para os indivíduos isentos, é previsto um processo administrativo interno para tratar de reclamações, garantir o devido processo legal e proteger os direitos dos trabalhadores. É hierárquico e varia de acordo com o estado. Por exemplo, na Polícia Militar de São Paulo, um policial deve encaminhar sua denúncia a um superior imediato em até cinco dias após tomar conhecimento do ato que motivou a denúncia, é necessária uma decisão nos 10 dias seguintes, cabendo recurso de apelação. possível.

A lei estipula que uma greve pode ser considerada "abusiva" pela Justiça do Trabalho e punível se uma série de condições não forem atendidas, como manter serviços essenciais durante a greve, notificar os empregadores pelo menos 48 horas antes do início da paralisação e fim da greve após decisão da Justiça do Trabalho. Os empregadores não podem contratar trabalhadores substitutos durante uma greve legal ou demitir trabalhadores para atividades relacionadas à greve, desde que a greve não seja considerada abusiva. Na prática, os empregadores demitiram os organizadores de greves por motivos ostensivamente não relacionados a greves, e o recurso legal relacionado à dispensa de retaliação era muitas vezes um processo demorado.

b. O direito de organizar e negociar coletivamente

A negociação coletiva foi generalizada no setor formal. A lei obriga o sindicato a negociar em nome de todos os trabalhadores inscritos na categoria profissional e na área geográfica que representa, independentemente de o trabalhador lhe pagar quotizações voluntárias.

A lei permite que o governo rejeite cláusulas de acordos coletivos de trabalho que entrem em conflito com a política governamental. A Comissão de Peritos da OIT pediu a revogação desta disposição. A negociação coletiva é efetivamente proibida no setor público; a constituição o permite, mas a legislação de implementação nunca foi promulgada.

A lei proíbe a demissão de empregados candidatos ou titulares de cargos de direção sindical e obriga os empregadores a reintegrar os trabalhadores demitidos por atividade sindical; no entanto, as autoridades às vezes não aplicavam de forma eficaz as leis que protegiam os membros do sindicato contra a discriminação. Os tribunais trabalhistas encarregados de resolver essas e outras disputas envolvendo demissão sem justa causa, condições de trabalho, disputas salariais e outras queixas eram lentos e complicados, com média de seis anos para resolução. As partes geralmente concordaram que, quando finalmente resolvidos, os casos foram decididos de forma justa e com base em seus méritos. Houve uma tendência de os tribunais decidirem contra os empregados, alegando que a filiação sindical não era um fator. A maioria das reclamações foi resolvida na primeira audiência; no entanto, o processo de apelação introduziu muitos atrasos,

Não há leis especiais ou isenções de leis trabalhistas regulares nas zonas de livre comércio do país.

c. Proibição de Trabalho Forçado ou Compulsório

A lei proíbe "reduzir alguém a uma condição análoga à escravidão". O conceito de trabalho escravo inclui não apenas o trabalho forçado e compulsório, mas também o trabalho extremamente árduo e o trabalho realizado em condições degradantes de trabalho. Esse trabalho, inclusive infantil, ocorreu em muitos estados, mais comumente em atividades como desmatamento para pastagem de gado, extração de madeira, produção de carvão, pecuária e agricultura, principalmente colheita de cana-de-açúcar. O trabalho forçado normalmente envolvia jovens oriundos dos estados empobrecidos do nordeste – Maranhão, Piauí, Tocantins, Pará, Goiás e Ceará – para trabalhar nas regiões norte e centro-oeste do país. Mulheres e crianças, estas últimas geralmente trabalhando com seus pais, também estavam envolvidas em atividades de trabalho forçado, como a produção de carvão. A OIT estimou que havia aproximadamente 25.000 trabalhadores forçados a qualquer momento durante o ano, com algumas ONGs estimando o número tão alto quanto 100.000 sem apoiar dados empíricos. De acordo com o MTE, havia 29 processos de trabalho escravo contra empregadores em fase inicial de julgamento na Justiça Federal do Trabalho no final do ano.

Os intermediários trabalhistas traficavam a maioria dos trabalhadores forçados para propriedades remotas, onde as vítimas eram forçadas a trabalhar em condições adversas até pagarem dívidas inflacionadas relacionadas a viagens, ferramentas, roupas ou alimentos. Guardas armados às vezes eram usados ​​para reter trabalhadores, mas o afastamento do local, o confisco de documentos e as ameaças de ação legal ou danos físicos geralmente eram suficientes para impedir que os trabalhadores fugissem.

Os infratores das leis de trabalho forçado ou obrigatório podem ser sentenciados a até oito anos de prisão. A lei também prevê penalidades para vários crimes relacionados ao trabalho forçado, como recrutar ou transportar trabalhadores ou obrigá-los a contrair dívidas como parte de um esquema de trabalho forçado. A abolição do trabalho forçado foi dificultada pela falta de aplicação de penas efetivas, pela impunidade dos responsáveis, pela demora no processo judicial e pela falta de coordenação entre os diversos órgãos governamentais. Houve poucos processos criminais relacionados ao trabalho forçado devido à falta de uma definição legal clara; pressão política local; fraca coordenação entre a polícia, o judiciário e os promotores; o afastamento das áreas onde o trabalho forçado era praticado; medo de retaliação das testemunhas;

No entanto, houve os seguintes casos notáveis:

· Em 5 de março, um juiz federal em Marabá, Estado do Pará, condenou 27 pessoas por trabalho escravo; penas impostas que variam de três anos e quatro meses a 10 anos e seis meses de prisão, além de multas; e absolveu oito pessoas. Os réus eram proprietários de terras das regiões sul e sudeste do estado, administradores de imóveis e recrutadores de mão de obra.

· Em 2 de outubro, um juiz condenou e sentenciou a 23 anos de prisão Moises Cespedes Cossio, fabricante de roupas de São Paulo, por trabalho escravo, facilitação da entrada ilegal de estrangeiros no país e sequestro. Segundo depoimento no tribunal, Cossio apreendeu os passaportes de seus trabalhadores bolivianos e os ameaçou caso tentassem fugir. A polícia descobriu a situação do trabalho escravo em sua fábrica depois que ele prendeu um jovem trabalhador como resgate.

· Em 11 de novembro, um juiz condenou o ex-vice-prefeito de Moju, Pará (Altino Coelho Miranda) e seu filho (Altino Freitas Miranda) por terem 15 trabalhadores, incluindo um com menos de 18 anos, em condições análogas à escravidão em suas mãos. plantação de óleo. O juiz condenou o pai a nove anos de prisão e o filho a sete anos e seis meses de prisão e multou ambos.

· Em 18 de novembro, um juiz condenou Eduardo Dall Magro, proprietário de uma plantação de arroz e soja em Ribeiro Gonçalves, Estado do Piauí, por ter 21 trabalhadores em condições análogas à de escravo e o sentenciou a três anos e quatro meses de prisão, além de seu gerente de fazenda a dois anos e oito meses de prisão e seu recrutador de mão de obra a três anos de prisão. Os três também foram multados e, ao final do ano, estavam em liberdade, aguardando recurso.

O MTE puniu quem utilizou trabalho escravo com multas, exigindo indenizações aos trabalhadores e colocando os nomes dos infratores em uma "lista suja" que é publicada semestralmente na internet. Cada empregador listado é analisado após dois anos para determinar se as irregularidades identificadas foram corrigidas, caso em que o empregador é removido da lista. Embora o decreto que criou a lista não proíba a concessão de crédito a pessoas ou empresas listadas, o Ministério da Integração Nacional recomenda a negação de financiamentos e outros auxílios aos infratores, e algumas instituições financeiras decidem fazê-lo por iniciativa própria. O Banco do Brasil negou crédito a latifundiários que utilizam mão de obra escrava e alguns setores da economia se recusaram a comprar produtos de produtores da lista. Ministério Público Federal do Trabalho

Em dezembro, o MTE informou em sua "lista suja" semestral 165 empregadores em 17 estados que utilizaram sua força de trabalho em condições análogas ao trabalho escravo. Em um caso envolvendo o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, sua listagem gerou ações legais que continuaram no final do ano.

No ano, a Unidade Móvel de Fiscalização do MTE libertou 3.571 trabalhadores escravos em 141 operações em 324 propriedades. Os pagamentos de indenizações aos trabalhadores totalizaram aproximadamente 5,6 milhões de reais (US$ 3,2 milhões).

O caso de trabalho escravo de 2008 contra um empregador de plantação de cacau em Placas, Pará, permaneceu sem solução, pois um tribunal federal do trabalho continuou a determinar penalidades civis.
No final do ano, não havia desenvolvimento conhecido sobre as penalidades em um caso de 2006 em que as autoridades prenderam proprietários de terras no Estado de Goiás suspeitos de abuso trabalhista e crimes ambientais na fabricação de carvão vegetal de madeira de áreas protegidas derrubadas ilegalmente.

A Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo coordenou os esforços do governo para eliminar o trabalho forçado. O braço de fiscalização do MTE, o Grupo Especial de Fiscalização Móvel, tinha a responsabilidade de localizar e libertar as vítimas de trabalho forçado. A Polícia Federal acompanhou os fiscais da unidade móvel nas batidas para dar proteção. Equipes móveis aplicaram multas aos proprietários de fazendas que utilizaram trabalho forçado e exigiram que os empregadores devolvessem salários e benefícios aos trabalhadores antes de devolvê-los aos seus municípios de origem. Embora as unidades móveis tivessem algum sucesso em libertar aqueles que trabalhavam em condições análogas à escravidão, os inspetores enfrentaram resistência e muitas vezes trabalharam em condições perigosas.

O Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo incluiu mais de 200 empresas e ONGs com o compromisso público de restringir as relações econômicas com quem utiliza trabalho escravo. As ONGs Instituto Observatório Social, Instituto ETHOS e Repórter Brasil acompanharam as ações de combate ao trabalho forçado implementadas pelos signatários do pacto.

d. Proibição do Trabalho Infantil e Idade Mínima para Emprego

Embora o trabalho infantil seja proibido, continuou a ser um problema generalizado, particularmente nos lares e no setor informal. As crianças foram encontradas trabalhando nas fazendas de algodão, mandioca, abacaxi, arroz e tabaco. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada do governo mostraram que havia 1,7 milhão de crianças entre cinco e 14 anos (aproximadamente 5% do total) que trabalhavam na economia do país em 2008. De acordo com a Pesquisa Nacional de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de crianças entre cinco e 17 anos trabalhando na economia caiu de 8,4 milhões em 1992 para 4,5 milhões em 2008. Em relatório divulgado em dezembro, a OIT reconheceu s governo e sociedade civil por seus esforços abrangentes para prevenir e eliminar o trabalho infantil. O governo continuou a cooperar com a OIT em projetos de erradicação do trabalho infantil nos estados da Bahia e Mato Grosso.

A idade mínima para o trabalho é de 16 anos e a aprendizagem pode começar aos 14 anos. A lei proíbe todos os menores de 18 anos de trabalharem em trabalho que constitua um esforço físico ou que ocorra em condições noturnas, insalubres, perigosas ou moralmente prejudiciais; no entanto, as autoridades raramente impuseram restrições legais adicionais destinadas a proteger os menores de 18 anos que trabalham. A lei exige permissão dos pais para que os menores trabalhem como aprendizes, e os aprendizes devem frequentar a escola até o ensino fundamental. Os inspetores podem punir os infratores das leis de trabalho infantil elaborando avaliações de infração e emitindo multas.

Aproximadamente metade das crianças trabalhadoras não recebiam renda e 90% trabalhavam no setor informal não registrado. Pouco mais da metade das crianças trabalhadoras trabalhava nas áreas rurais e dois terços eram meninos. A OIT estimou que aproximadamente 20% das meninas de 10 a 14 anos trabalhavam como domésticas. A maioria desses trabalhadores recebia menos de meio salário mínimo e trabalhava mais de 40 horas semanais.

A natureza oculta e informal do trabalho infantil tornou as crianças especialmente vulneráveis ​​a acidentes de trabalho. As crianças estavam envolvidas na pecuária, na criação de cana-de-açúcar e na produção de cerâmica, tijolos, carvão, sisal e calçados. Sofriam desmembramentos, doenças gastrointestinais, lacerações, cegueira e queimaduras causadas pela aplicação de produtos químicos com proteção inadequada.

O MTE é responsável por fiscalizar os locais de trabalho para fazer cumprir as leis de trabalho infantil; seus escritórios regionais têm grupos especiais para fazer cumprir as leis do trabalho infantil, principalmente coletando dados e desenvolvendo planos de fiscalização do trabalho infantil. No entanto, a maioria das inspeções de crianças no local de trabalho foi motivada por queixas apresentadas por trabalhadores, professores, sindicatos, ONGs e meios de comunicação. Os inspetores do trabalho continuaram a priorizar as inspeções no setor informal, mas continuaram impossibilitados de entrar em residências e fazendas particulares, onde se encontrava grande parte do trabalho infantil do país. O MTE informou que, de janeiro a dezembro, os fiscais encontraram 4.788 menores de 16 anos trabalhando ilegalmente, uma queda de 19% em relação a 2008. Na maioria dos casos, os inspetores tentaram chegar a acordos e convencer os empregadores a desistir das violações da lei trabalhista antes de aplicar multas de 402 reais (aproximadamente US$ 230) por violação até uma multa máxima de 2.013 reais (aproximadamente US$ 1.150); a multa dobra para uma segunda violação e triplica para uma terceira. Na prática, poucos empregadores foram multados por empregar crianças.

Em setembro, a polícia descobriu trabalho forçado e infantil em uma fazenda de cal em Cabreuva, Estado de São Paulo. Uma criança alegou ganhar dois reais (aproximadamente US$ 1,15) por dia, e outra relatou não ser paga há meses e subsistir da comida dos vizinhos. As autoridades removeram 30 crianças da propriedade; nenhuma prisão foi relatada.

O governo implementou programas de prevenção ao trabalho infantil, incluindo o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome com autoridades estaduais e municipais. Por meio do PETI, as famílias com crianças de sete a 15 anos que trabalham em atividades de risco selecionadas recebem bolsa mensal em dinheiro para manter seus filhos na escola, e as crianças podem participar de programas extracurriculares que oferecem lanches nutricionais, esportes, arte e atividades culturais . Por meio do Ministério do Desenvolvimento Social, o programa Bolsa Família fornece uma bolsa mensal para famílias de baixa renda que mantêm seus filhos até 17 anos na escola e atendem a determinados requisitos de saúde infantil.

As ONG Núcleos de Defesa da Criança e do Adolescente atuavam em várias partes do país e denunciavam violações dos direitos da criança aos conselhos tutelares, à rede de assistência social e às organizações de defesa dos direitos da criança e da família.

A sociedade civil também tomou medidas para prevenir e abolir o trabalho infantil. O Fórum Nacional de Erradicação e Prevenção do Trabalho Infantil, que reúne representantes governamentais e da sociedade civil, mobilizou agentes institucionais envolvidos no desenvolvimento de políticas e programas de erradicação do trabalho infantil. A Fundação para os Direitos da Criança da indústria de brinquedos operava um programa de rotulagem que identificava empresas com políticas amigas da criança e um compromisso de eliminar o trabalho infantil. Todas as principais organizações trabalhistas tinham programas para educar os membros do sindicato sobre os perigos do trabalho infantil e encorajavam os membros a denunciar casos de trabalho infantil às autoridades.

e. Condições de Trabalho Aceitáveis

O governo reajusta o salário mínimo anualmente por meio de medida provisória do presidente, citando um aumento percentual para inclusão no orçamento anual com base em consultas entre os ministérios da Fazenda e da Previdência Social, Congresso e presidência (mas não com trabalhadores ou empregadores) . Em fevereiro, o salário mínimo aumentou para 465 reais (aproximadamente US$ 267) por mês. O IBGE estimou que aproximadamente 26% dos trabalhadores ganhavam o salário mínimo ou menos em 2008. O salário mínimo nacional não proporcionava um padrão de vida digno para um trabalhador e sua família.

A lei limita a semana de trabalho a 44 horas e especifica um período de descanso semanal de 24 horas consecutivas, preferencialmente aos domingos. A lei também proíbe o excesso de horas extras compulsórias e estipula que as horas trabalhadas acima do limite semanal devem ser compensadas com pagamento de hora e meia; essas disposições geralmente eram aplicadas no setor formal.

O MTE estabelece padrões ocupacionais, de saúde e segurança que são consistentes com as normas internacionalmente reconhecidas. Os fiscais do trabalho do MTE trabalharam em estreita colaboração com o Ministério Público do Trabalho, órgão independente responsável por processar infrações trabalhistas. No entanto, o governo dedicou recursos insuficientes para inspeção adequada e aplicação das normas.

As condições de trabalho inseguras eram prevalentes em todo o país. Não havia dados disponíveis sobre acidentes de trabalho durante o ano. Segundo dados do Ministério da Previdência Social, o governo concedeu benefícios a 28.819 pessoas por acidentes de trabalho de janeiro a novembro. Os funcionários ou seus sindicatos podem apresentar queixas relacionadas à segurança do trabalhador junto aos tribunais trabalhistas regionais, embora isso tenha sido frequentemente um processo demorado.

A lei exige que os empregadores estabeleçam comitês internos para prevenção de acidentes nos locais de trabalho. Também protege os membros funcionários desses comitês de serem demitidos por suas atividades nos comitês. No entanto, tais demissões ocorreram, e o recurso legal geralmente exigia anos para uma resolução. O Ministério Público Federal do Trabalho informou que inúmeras empresas utilizaram cadastros informatizados para fazer "listas negras" identificando trabalhadores que entraram com reclamações na Justiça do Trabalho. Os trabalhadores individuais não tinham o direito legal de se retirar do local de trabalho quando confrontados com condições de trabalho perigosas, mas os trabalhadores podiam expressar essas preocupações a um comitê da empresa para uma investigação imediata.

📙 GLOSSÁRIO:


🖥️ FONTES :
 
Com Agências
2009 Country Reports on Human Rights Practices
Report
March 11, 2010
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

  Continue a leitura no site após o anúncio:




Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
–>