Maceió-AL

OMS : Camarões relata 6652 casos suspeitos de cólera, incluindo 134 mortes

AR NEWS NOTÍCIAS 17 de maio de 2022
Surto em resumo

Camarões está entre vários países da África Ocidental e Central que enfrentam surtos recorrentes de cólera. Entre 29 de outubro de 2021 e 30 de abril de 2022, foram notificados um total de 6652 casos suspeitos, incluindo 134 mortes (taxa de letalidade de 2%). 

Vários fatores de risco podem ser atribuídos aos surtos de cólera em curso nos Camarões, incluindo ampla circulação de Vibrio cholerae no país, acesso limitado a água potável em algumas áreas, um padrão sazonal de ocorrência de cólera e condições inadequadas de WASH.
Figura-1: Curva epi de casos de cólera por data de início dos sintomas e desfecho, Cólera, de 29 de outubro a 30 de abril (n=6652 )
Figura-1: Curva epi de casos de cólera por data de início dos sintomas e desfecho, Cólera, de 29 de outubro a 30 de abril (n=6652 )

Nota: SE corresponde à semana epidemiológica. Além disso, SE 41 a SE 52 corresponde a 2021, enquanto SE1 a SE17 a 2022.

*CEN: Região Central; LIT: região litorânea; PT: Extremo Norte; NÃO: região Norte; SU: região Sul e SW: região Sudoeste. 
Descrição do surto

Camarões relata casos suspeitos de cólera desde o início de 2021. O surto foi declarado pelas autoridades de saúde em 29 de outubro de 2021 e está em andamento desde então. Até 30 de abril de 2022, 6.652 casos suspeitos de cólera, incluindo 134 mortes (CFR 2%), foram relatados em seis regiões - Sudoeste (4.617 casos, 77 mortes), Litoral (1.704 casos, 51 mortes), Sul (183 casos, dois óbitos), Central (125 casos, quatro óbitos), Norte (15 casos, sem óbito) e Extremo Norte (oito casos, sem óbito). Dos 6.652 casos suspeitos, 5.960 casos (90%), incluindo 93 mortes (69%), foram relatados em 2022. Entre 29 de outubro de 2021 e 30 de abril de 2022, um total de 1.008 amostras de fezes foram testadas em todas as seis regiões e 40% ( 403) foram confirmados positivos para Vibrio cholerae O1 por cultura.

Embora o surto de cólera tenha começado no final de outubro, o número de casos suspeitos semanais aumentou de menos de 200 na semana nove de 2022 (terminando em 6 de março) para 1262 na semana 12 (terminando em 27 de março). O CFR geral relatado até agora em 2022 (CFR 2%) é menor do que o CFR relatado em 2021 (CFR 3,6%), no entanto, permanece maior do que o CFR de 1% esperado durante um surto de cólera quando o tratamento oportuno está disponível. Além disso, as regiões Central e Litoral continuam a relatar CFRs altos (CFR 2,9% e 3%, respectivamente).

Enquanto duas regiões, Centro e Sudoeste, relataram casos de cólera em 2021, houve uma expansão geográfica do surto para cinco regiões (Central, Litoral, Norte, Sul, Sudoeste) desde março de 2022. 

A 30 de abril, a região Sudoeste continua a ser a região mais afetada com 4617 casos (69%), incluindo 77 mortes (CFR 1,6%), dos quais 4069 casos (88%) foram notificados em 2022. O litoral é o segundo região mais afetada com 1.704 (26%) casos e 51 óbitos (CFR 3%), incluindo 1.684 (99%) casos notificados em 2022.
🔵 Acompanhe nosso blog site no Google News  para obter as últimas notícias 📰 aqui
Epidemiologia da Cólera

A cólera é uma infecção entérica aguda causada pela ingestão da bactéria Vibrio cholerae presente em água ou alimentos contaminados. Está principalmente ligada ao acesso insuficiente à água potável e ao saneamento inadequado. É uma doença extremamente virulenta que pode causar diarreia aquosa aguda grave, resultando em alta morbidade e mortalidade, e pode se espalhar rapidamente, dependendo da frequência de exposição, da população exposta e do ambiente. A cólera afeta crianças e adultos e pode ser fatal se não for tratada.

O período de incubação é entre 12 horas e cinco dias após a ingestão de alimentos ou água contaminados. A maioria das pessoas infectadas com V. cholerae não desenvolve nenhum sintoma, embora as bactérias estejam presentes em suas fezes por 1-10 dias após a infecção e sejam liberadas de volta ao ambiente, potencialmente infectando outras pessoas. Entre as pessoas que desenvolvem sintomas, a maioria apresenta sintomas leves ou moderados, enquanto uma minoria desenvolve diarreia aquosa aguda com desidratação grave. A cólera é uma doença facilmente tratável. A maioria das pessoas pode ser tratada com sucesso através da administração imediata de solução de reidratação oral (SRO).

A cólera pode ser endêmica ou epidêmica. Uma área endêmica de cólera é uma área onde casos confirmados de cólera foram detectados durante os últimos três anos com evidência de transmissão local (os casos não são importados de outros lugares). Uma epidemia de cólera pode ocorrer tanto em países endêmicos quanto em países não endêmicos.

As consequências de uma crise humanitária – como a interrupção dos sistemas de água e saneamento, ou o deslocamento de populações para acampamentos inadequados e superlotados – podem aumentar o risco de transmissão da cólera, caso a bactéria esteja presente ou introduzida. Corpos mortos não infectados nunca foram relatados como fonte de epidemias.

Uma abordagem multifacetada, incluindo uma combinação de vigilância, água, saneamento e higiene, mobilização social, tratamento e vacinas orais contra a cólera é essencial para controlar os surtos de cólera e reduzir as mortes.


Resposta de saúde pública
A OMS enviou equipes de especialistas para apoiar a resposta e está fornecendo apoio técnico, logístico e financeiro ao governo. Além disso,

O sistema nacional de gestão de incidentes está a realizar reuniões regulares de coordenação com os parceiros a nível central e regional para apoiar as equipas distritais.
Um plano de resposta foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde e inclui parceiros de resposta.
Kits de cólera foram fornecidos para ajudar na resposta.
As reuniões de advocacia continuam a ser realizadas com parceiros locais e internacionais.
Equipes de resposta foram enviadas para os principais locais de surtos para apoiar as atividades de resposta e conduzir investigações.
De 18 a 23 de fevereiro, foi organizada a primeira rodada de uma campanha de vacina oral contra a cólera (OCV) em quatro distritos sanitários da região Sudoeste. Esta campanha teve como alvo 204 800 pessoas com 85,5% de cobertura administrativa. A campanha de vacinação foi alargada a mais 11 distritos das Regiões Litoral, Sul e Sudoeste de 8 a 12 de abril de 2022, tendo como alvo 842 086 pessoas com uma cobertura administrativa de 89%. Isto foi combinado com intervenções WASH, incluindo a distribuição de pastilhas de purificação de água (Aquatabs).
A quimioprofilaxia em massa com OCV foi realizada em uma região prisional onde um surto de cólera foi relatado no final de março.
As atividades de vigilância foram fortalecidas para a busca ativa de casos e encaminhamentos de pacientes nos distritos afetados.
Foi realizada a descontaminação de locais de surtos e domicílios de casos confirmados.
Membros e líderes comunitários foram treinados sobre lavagem de mãos, purificação de água e desinfecção de casas e espaços públicos.
 

Avaliação de risco da OMS
Camarões está entre vários países da África Ocidental e Central que enfrentam surtos recorrentes de cólera. Vários fatores de risco, incluindo a circulação de Vibrio choleraeespecialmente nas regiões Norte, Litoral, Central e Sudoeste, o acesso limitado à água potável em algumas áreas, incluindo a capital Yaoundé, bem como práticas culturais que contribuem para condições inseguras de WASH existem no país. Há um padrão sazonal de ocorrência de cólera em Camarões que varia de acordo com a região. No Sudoeste e Litoral, atualmente as regiões mais afetadas, a cólera é mais frequentemente notificada durante a estação chuvosa (novembro-abril) ou na transição entre a estação chuvosa e a seca. Na região Central, a cólera é mais frequentemente relatada durante a estação chuvosa que ocorre em maio-junho e outubro-novembro. A estação chuvosa em curso pode aumentar a probabilidade de transmissão adicional no país.

Além disso, algumas áreas afetadas do país são inseguras, o que reduz ainda mais o acesso aos serviços, tornando a resposta ao surto mais complexa.

O surto de cólera começou a aumentar no final de outubro de 2021, deteriorou-se ainda mais em março de 2022, com a região Sudoeste relatando 70% dos casos. A acessibilidade geográfica limitada de algumas áreas, restrições de segurança e redes de comunicação abaixo do ideal levam a atualizações epidemiológicas irregulares e potencial subnotificação de casos. Além disso, o alto movimento populacional de Deslocados Internos (IDPs), sistema de saúde fraco, recursos humanos insuficientes, baixo conhecimento dos protocolos de tratamento e comunicação de baixo risco para a cólera continuam a representar desafios.

Além disso, nas áreas do norte, Camarões faz fronteira com os estados de Adamawa, Borno e Taraba da Nigéria e há movimentos transfronteiriços frequentes e substanciais que representam um risco de transmissão. Existe também o risco de uma maior disseminação internacional, especialmente para a República do Chade, que faz fronteira com a Nigéria e os Camarões.

O país está realizando a vacinação contra a cólera que deve ajudar a conter o surto, no entanto, são necessários esforços adicionais complementados por outras intervenções, incluindo acesso a tratamento adequado e água potável, a fim de controlar o surto.

Conselho da OMS
A OMS recomenda melhorar o acesso a água potável e saneamento, boa gestão de resíduos, práticas de segurança alimentar e práticas de higiene para prevenir a transmissão da cólera. As vacinas orais contra a cólera devem ser usadas em combinação com melhorias na água e no saneamento para controlar os surtos de cólera e para a prevenção em áreas reconhecidamente de alto risco de cólera.

Aconselha-se o reforço da vigilância, especialmente a nível comunitário. A gestão adequada de casos, incluindo a melhoria do acesso aos cuidados, deve ser implementada em áreas afetadas por surtos para reduzir a mortalidade. É necessário garantir que os países estejam prontos para detectar e responder rapidamente a esse surto de cólera para reduzir o risco de disseminação para novas áreas. A criação de pontos de reidratação oral (ORPs) nas comunidades também é fundamental para fornecer gerenciamento precoce por meio de reidratação oral, triagem e encaminhamento de pacientes. Como o surto está ocorrendo em áreas fronteiriças onde há movimento transfronteiriço significativo, a OMS incentiva os respectivos países a garantir a cooperação e o compartilhamento regular de informações.

Viagens ou comércio internacional: a OMS não recomenda nenhuma restrição de viagens e comércio de e para Camarões com base nas informações disponíveis sobre o surto atual.

🟢Confira  Últimas Notícias 🌎


🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem