{ads}

Os EUA estão finalmente reagindo aos representantes assassinos do Irã

Leia outros artigos :

Apoiadores do grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã, levantam os punhos e comemoram quando o líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, aparece por meio de um link de vídeo, durante um comício para homenagear os combatentes do Hezbollah que foram mortos no sul do Líbano nas últimas semanas enquanto lutavam contra as forças israelenses, em Beirute , Líbano, sexta-feira, 3 de novembro de 2023. (AP Photo/Hussein Malla)


Desde o brutal ataque ocorrido em 7 de outubro, que visou civis israelitas, cresce o temor entre especialistas de que Israel possa expandir o conflito, arrastando os Estados Unidos para uma guerra com o Irã. De fato, os Estados Unidos já estão envolvidos em hostilidades com representantes do Irã há algum tempo. Contudo, a perspectiva de uma guerra direta entre Irã e EUA permanece improvável. Apesar da retórica inflamada dos líderes iranianos contra o "Grande Satã" americano e o "Pequeno Satã" israelense, o governo iraniano evita atacar diretamente as forças americanas.

Desde o atentado ao quartel dos Fuzileiros Navais pelo Hezbollah em 23 de outubro de 1983, o Irã tem consistentemente utilizado seus representantes para atacar as forças americanas. No entanto, nem o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) de Teerã, nem qualquer outra força iraniana, atacou diretamente as tropas dos EUA. A proximidade máxima de Teerã confrontando unidades americanas foi no Golfo Pérsico, mas tais incidentes não resultaram em confrontos diretos.

Os representantes do IRGC têm realizado ataques incessantes contra as forças americanas nos últimos anos. Até recentemente, esses ataques provocavam respostas americanas limitadas. Enquanto os representantes iranianos atacaram as tropas dos EUA no Oriente Médio aproximadamente 80 vezes desde 2021, as forças americanas retaliaram apenas algumas vezes durante o mesmo período. Uma possível razão para a resposta contida dos EUA poderia ser o desejo de evitar um agravamento do conflito enquanto ainda havia esperança de renovar o acordo nuclear, conhecido como Plano de Ação Conjunto Abrangente, que foi encerrado pelo Presidente Trump em 2018.

Com o início da guerra entre Israel e o Hamas, os representantes apoiados pelo IRGC intensificaram seus ataques contra as forças americanas na Síria e no Iraque. Segundo o Departamento de Defesa, esses representantes atacaram as forças americanas com drones e foguetes 56 vezes desde meados de outubro, resultando em 59 feridos entre os funcionários americanos. Em meados de outubro, os Houthis iemenitas, apoiados pelo Irão, dispararam mísseis de cruzeiro e drones contra um destroier americano no Mar Vermelho.

O aumento dos ataques e a impossibilidade de um acordo nuclear antes das próximas eleições presidenciais levaram a administração Biden a retaliar com mais frequência. Desde 27 de outubro, houve três retaliações, sendo a mais recente em 12 de novembro, com uma série de ataques no leste da Síria contra instalações de treino, logística e armazenamento.

Apesar das denúncias de Teerã contra esses ataques, a realidade é que o Irã não pode se dar ao luxo de iniciar uma guerra. Com o crescente descontentamento entre a população iraniana, uma guerra que provoque retaliação americana ou um ataque israelense poderia fazer com que os líderes iranianos perdessem o controle que mantêm há quatro décadas.

Contudo, Teerã continuará pressionando seus representantes a realizar ações hostis, representando o verdadeiro perigo de uma guerra mais ampla. O Hezbollah, o representante mais poderoso do Irão, ainda não expressou claramente sua posição em relação a Israel, limitando-se a ataques na fronteira libanesa. O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, manifestou apoio ao Hamas, mas demonstra cautela em lançar um ataque total contra Israel.

Com navios de guerra americanos no Mediterrâneo Oriental, Washington deve deixar claro a Nasrallah e aos líderes iranianos que não tolerará ataques intensificados contra alvos israelenses. Ao mesmo tempo, as forças militares dos EUA devem continuar respondendo com vigor a todos os ataques patrocinados pelo IRGC contra suas unidades. Teerã precisa compreender que os Estados Unidos não permanecerão passivos diante de provocações e que pagarão um preço cada vez mais alto por qualquer dano causado por seus representantes às forças americanas.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :

NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.