{ads}

Ligação entre Erdogan e o Hamas não é meramente circunstancial, mas profundamente enraizada na ideologia ,diz Michael Rubin

Leia outros artigos :

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan (R), encontra-se com o líder do Hamas, Khaled Meshaal, em Istambul, Turquia, 2015. 

O Presidente turco não é apenas um islamista; ele compartilha raízes com a Irmandade Muçulmana, a mesma linhagem que deu origem ao Hamas. 



Num cenário marcado pela complexidade política e ideológica, a relação entre a Turquia e o Hamas tem suscitado inquietações significativas. Apenas duas semanas antes do trágico ataque terrorista perpetrado pelo Hamas contra civis judeus, surgiram revelações perturbadoras sobre a tentativa da Turquia em fornecer ao grupo militante islâmico 16 toneladas de componentes de mísseis. Este episódio, o maior massacre de judeus desde o Holocausto, provocou uma onda de indignação global. No entanto, a postura do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, não apenas surpreendeu pelo seu apoio contínuo ao Hamas, mas também pela sua recusa em rotular o grupo como uma organização terrorista.

A ligação intrínseca entre Erdogan e o Hamas não é meramente circunstancial, mas profundamente enraizada na ideologia. O Presidente turco não é apenas um islamista; ele compartilha raízes com a Irmandade Muçulmana, a mesma linhagem que deu origem ao Hamas. Este vínculo explicaria a sua cooperação anterior com Fethullah Gülen, um líder muçulmano sufi, que contrastava com a rigidez da Irmandade Muçulmana. Erdogan, agindo em desonestidade flagrante, convidou o líder do Hamas, Khaled Meshaal, para a Turquia em 2006, apesar das promessas anteriores de não dar as boas-vindas ao grupo sem o seu reconhecimento de Israel e a aceitação dos Acordos de Oslo.

Este apoio de Erdogan não só minou os esforços para desencorajar o rejeicionismo do Hamas, mas também enviou uma mensagem perigosa à comunidade internacional. A Turquia, sendo uma aliada da NATO, utilizou táticas enganosas para abastecer o Hamas, ignorando as inspeções internacionais. Esta estratégia culminou em uma tragédia quando comandos israelenses foram forçados a agir, resultando na perda de vidas turcas. Além disso, durante mais de uma década, a televisão estatal turca incitou consistentemente o ódio anti-Israel e anti-semita, alimentando uma narrativa prejudicial.

É imperativo que Israel reconheça a inabalável ideologia islâmica de Erdogan, que sempre prevalecerá sobre qualquer pacto pragmático. Não se trata apenas de Erdogan como indivíduo; são duas décadas de governança que transformaram fundamentalmente a Turquia e sua população. Nesse contexto, surge a necessidade de Israel abraçar uma alternativa pragmática, semelhante à abordagem adotada pelos Estados Unidos quando a Turquia foi flagrada auxiliando organizações como Al Qaeda e o Estado Islâmico na Síria.

Uma opção viável é o apoio explícito ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), desde que este renuncie ao terrorismo. Embora o PKK tenha tido uma história conturbada, abandonou há muito tempo seus objetivos separatistas. O grupo curdo sírio, em particular, demonstrou sua eficácia na luta contra o Estado Islâmico, evidenciando a vulnerabilidade do terrorismo, mesmo em face de recursos logísticos significativos.

Ao observar os eventos em Gaza, torna-se evidente que a Turquia tem empregado suas forças aéreas e drones para atacar alvos civis no norte do Iraque e na Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria. Nesse cenário, Israel não só deve agir em represália contra a Turquia, mas também reconhecer a moralidade inerente em apoiar os curdos. Este grupo é, em grande parte, secular e tolerante, compartilhando valores fundamentais com o Estado de Israel.

Para enfrentar essa ameaça crescente, Israel deve fornecer aos curdos mísseis antiaéreos e tecnologia anti-drones. A alternativa é permitir que um país islâmico, patrocinador do Hamas e cada vez mais antissemita, se torne mais fortalecido e proativo em seu apoio ao terrorismo, não apenas contra judeus e israelitas, mas também contra os interesses americanos e ocidentais em geral. A ação determinada e estratégica é essencial para preservar a segurança e a estabilidade na região, bem como para manter a integridade dos valores democráticos e pluralistas que definem Israel.
AR News
Continue a leitura do texto após o anúncio:
Confira>> Últimas Notícias 🌎

Siga-nos


📙 GLOSSÁRIO:

🖥️ FONTES :
Com Agências :
Michael Rubin  é um antigo funcionário do Pentágono cujas principais áreas de investigação são o Oriente Médio , a Turquia, o Irã e a diplomacia. Ele é autor de “Dancing with the Devil: The Perils of Engaging Rogue Regimes” (Encounter, 2014). Ele é pesquisador residente do American Enterprise Institute AEI. A sua principal área de investigação é o Médio Oriente, com especial enfoque no Irã, no Iraque, na Turquia e na sociedade curda. 
NOTA:
O AR NEWS publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do AR NEWS NOTÍCIAS.
🔴Reportar uma correção ou erro de digitação e tradução :Contato ✉️
Continue a leitura no site após o anúncio:

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não faça spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.